quinta-feira, 30 de junho de 2016

SUAS RIQUEZAS - NOSSAS RIQUEZAS



SUAS RIQUEZAS - NOSSAS RIQUEZAS

"Chamados pela graça divina a sermos filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus, somos também constituídos herdeiros de Deus e coerdeiros de Cristo. Porque somos filhos, Deus nos tem dado o Espírito do  Seu Filho, e «o mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus. E se somos filhos. somos logo herdeiros também, herdeiros de Deus e coerdeiros  de Cristo...» ( Rom.8:16 e 17)

Quer pensemos na terra com as suas maravilhas, ou nos vastos céus com os seus mistérios, os seus planetas, as suas estrelas e os seus sóis, tudo o que enche o espaço infinito, tudo é d´Ele, tudo lhe pertence, e nós somos seus coerdeiros. Outra vez exclamamos: As suas riquezas são nossas; riquezas infindas, riquezas eternas!
E que diremos das nossas riquezas espirituais? Todas as bênçãos espirituais nos lugares celestes em Cristo são nossas. Ah! que bênçãos incomensuráveis estas! E as riquezas espirituais sempre são mais sublimes do que as materiais. Somos feitos  filhos de Deus e a bênção dos filhos é a nossa. Os gozos da vida eterna em comunhão com o Pai e com o Filho nos lugares celestes, na atmosfera do amor divino, onde tudo é de Deus, são esses o nosso quinhão.

Qualquer que seja,  pois, a nossa posição aqui na terra, mesmo achando-nos entre os pobres deste mundo, podemos pela fé alegrar-nos na lembrança de toda a nossa riqueza como sendo herdeiros de Cristo, e em desfrutarmos desde já, pelo Espírito Santo que nos é dado, algumas destas riquezas espirituais, estas bênçãos sublimes que são nossas como filhos de Deus."

(Arno C. Gaebelein - no livro - Suas Riquezas - Nossas Riquezas)

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Partilhando algumas fotos "bem fresquinhas".

Quanta beleza!  Sobre a minha mesa... 
O meu lindo e já idoso, gato Teco.
As belas glicinias  na cerca da escola aqui pertinho. 
A nuvem branquinha  sob o azul- de -anil de Mira-Sintra.

Flores do campo sobre a mesa da sala.
Florinhas azuis á beira do caminho, aqui ao pé.
O "meu combóio" de Sintra, a passar na recta ali em baixo..
A  pequenina jarra com flores do campo, na mesa de leitura.

Um recanto da minha cozinha.
A bela e pequenina for de cacto.
 Que cor linda tem esta florinha que plantei no jardim da casa da aldeia.
Um arbusto florido á beira da estrada, aqui pertinho.



E chega.
É apenas uma pequena amostra da "colheita fotográfica"  mais recente.

Com o desejo de um dia muito abençoado,
junto o meu abraço.


terça-feira, 28 de junho de 2016

Por Portugal adentro - Aldeia de Cutelo - Terras do Bouro

Aldeia de Cutelo - Terras do Bouro. Fonte da imagem:  http://www.aldeiasportugal.pt/


 ALDEIA DE CUTELO

Distrito de Braga - Concelho de Terras do Bouro - Freguesia de Cibões


«Cutelo encontra-se na vertente da serra Amarela, muito perto do Parque Nacional da Peneda-Gerês e da fronteira com Espanha, e pertence à freguesia de Cibões, concelho de Terras do Bouro. Encaixada nas encostas de Mixões da Serra, dos rios Cabril, Parada e Moura e do pequeno ribeiro de Brufe, é uma aldeia tipicamente serrana que conserva os espigueiros, eiras, sequeiras, relógios de sol e moinhos de água, num cenário rural de grande harmonia.

Admire as típicas casas de granito, exemplares de arquitetura popular, bem como o património histórico-cultural: sepulturas do tempo dos celtas, indícios de fortificações e padrões romanos e a Capela de São Domingos do Cutelo. Na aldeia há algumas casas de turismo que convidam a uma acolhedora estadia. Aproveite e entre na cadência deliciosamente pachorrenta de Cutelo!»

( http://www.aldeiasportugal.pt/)

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Lugares da Infância - Um poema de Manuel António Pina



LUGARES DA INFÂNCIA

Lugares da infância onde
sem palavras e sem memória
alguém, talvez eu, brincou
já lá não está nem lá estou.

Onde? Diante
de que mistério
em que, como num espelho hesitante,
o meu rosto, outro rosto, se reflecte?

Venderam a casa, as flores
do jardim, se lhes toco, põem-se hirtas
e geladas, e sob os meus passos
desfazem-se imateriais as rosas e as recordações.

O quarto eu não o via
porque era ele os meus olhos:
e eu não sabia,

e essa era a sabedoria.

Agora sei estas coisas
de um modo que não me pertence,
como se as tivesse roubado.

A casa já não cresce
à volta da sala,

puseram a mesa para quatro
e o coração só para três.

Falta alguém,
não sei quem,
foi cortar o cabelo e só voltou
oito dias depois, já o
jantar tinha arrefecido.

E fico de novo sozinho,
na cama vazia, no quarto vazio.
Lá fora é de noite, ladram os cães;
 

e cubro a cabeça com os lençóis.

(Manuel António Pina)

domingo, 26 de junho de 2016

Porque hoje é Domingo (395)

 
O JANTAR EM BETÂNIA

  E, estando ele (Jesus) em Betânia, assentado à mesa, em casa de Simão, o leproso, veio uma mulher, que trazia um vaso de alabastro, com ungüento (perfume) de nardo puro, de muito preço, e quebrando o vaso, lho derramou sobre a cabeça.  
E alguns houve que em si mesmos se indignaram, e disseram: Para que se fez este desperdício de unguento? (perfume)
Porque podia vender-se por mais de trezentos dinheiros, e dá-lo aos pobres. E bramavam contra ela.  
Jesus, porém, disse: Deixai-a, para que a molestais?  Ela fez-me boa obra. 
Porque sempre tendes os pobres convosco, e podeis fazer-lhes bem, quando quiserdes; mas a mim nem sempre me tendes.  
Esta fez o que podia; antecipou-se a ungir o meu corpo para a sepultura.  
 Em verdade vos digo que, em todas as partes do mundo onde este evangelho for pregado, também o que ela fez será contado para sua memória.
 
(Ev de S. Marcos 14:3 a 9)

sábado, 25 de junho de 2016

Os caracóis do meu jardim


 Na imagem, creio tratar.se  de  uma mãe - caracol  com  os seus seis filhotes...

Era plena Primavera e, naquela manhã, eu alegremente, cuidava do jardim da casa da aldeia. Ao afastar um dos vários vasos  que se encontravam encostados  ao murinho de mármore,  encantei-me com a cena  ternurenta que encontrei. Um grupo de caracóis  tão bem escondidinhos, tão bem protegidos, que creio só poder ser  obra "de um coração de mãe". Neste caso uma mãe - caracol.

Sorrindo, pensei:

O CRIADOR faz cada coisa!

Na verdade, basta estar um pouco atento, e olhar o mundo que nos rodeia, para perceber,  inclusivé nas coisas mais humildes e singelas, que existe  ALGUÉM que foi o autor.

Lembram-se o que nós dizíamos quando éramos pequenos e encontrávamos um caracol?:

"Caracol, caracol, põe os pauzinhos ao sol!"

quinta-feira, 23 de junho de 2016

Um pensamento de Abraham Lincoln


"A melhor parte da vida de uma pessoa está nas suas amizades." 
 (Abraham Lincoln)

quarta-feira, 22 de junho de 2016

Em Junho - Juncos verdes e libelinhas

 O belo junco verde . Fonte da imagem: http://artvimenegromonte.no.comunidades.net/junco
A bela libelinha . Fonte da imagem: http://parquedeavioso.blogspot.pt/

  «Depois os juncos verdes - oh, que verde tão brilhante!
 Os juncos  parecem sussurrar, murmurar, abanar...
 E nenhuma raínha enfeitada de gaze e jóias
se mostra tão rica como as libelinhas de olhos verdes,
a pairar sobre as flores, quais aéreas criaturas,
 com pequenos arco-íris a brilhar nas suas asas.»

    (Jean Ingelow - poetisa inglesa)

No livro - A Alegria de Viver com a Natureza - de Edith Holden.
 

terça-feira, 21 de junho de 2016

Cuidar do ambiente - a casa de Deus

A Terra - Fonte da imagem: www.guiageo-americas.com
 
Cuidar do ambiente -  a casa de Deus 
 
«A Terra  não é mais do que a casa que Deus nos concedeu para nela vivermos  e dela cuidarmos.
 
Tendo em conta factores ecológicos que colocam em causa o futuro do nosso  planeta, pode parecer que  as nossas pequenas acções tenham poucas  possibilidades de  melhorar a situação. Contudo, se somos "mordomos" e o nosso  "Dono"  está também empenhado em trabalhar com os mesmos objectivos, os nossos esforços não serão em vão.
"As nossas pequenas acções podem parecer demasiado pequenas, e pode parecer que vêm demasiado tarde, mas Deus está comprometido em incluir-nos nos seus planos. Pode tomar os nossos pequenos esforços e tecê-los nos seus propósitos de sustentar e renovar a terra."
 
(Alan Pallister - no livro - Lucros da Fé)

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Cirurgião português recebe Medalha de Ouro na Alemanha

Doutor João  Décio Ferreira. Fonte da imagem: http://www.asbeiras.pt/

«Cirurgião português distinguido." Em Portugal davam-me seis euros por hora, na Alemanha dão-me uma medalha de ouro."

Cirurgião português João Décio Ferreira é distinguido na Alemanha por ter desenvolvido técnica inovadora de mudança de sexo. "Em Portugal davam-me 6€/hora, na Alemanha dão-me uma medalha de ouro", diz

 O cirurgião plástico João Décio Ferreira recebe este domingo em Munique a medalha de ouro Magnus Hirschfeld da Sociedade Alemã de Sexologia Clínica pelo trabalho desenvolvido na área da mudança de sexo, com uma técnica cirúrgica inovadora a nível mundial. À agência Lusa, o cirurgião diz sentir-se mais reconhecido lá fora do que em Portugal, onde lhe ofereceram seis euros por hora para continuar a trabalhar no Hospital de Santa Maria depois de reformado do SNS.

 João Décio Ferreira desenvolveu em 2006 uma técnica que permite a construção de uma vagina com enxerto de intestino delgado e outra que possibilita construir um pénis com tecido da zona abdominal e enxerto de cartilagem da costela.“Eu não estava contente com a técnica da cirurgia genital do masculino para o feminino que é usada a nível mundial [faloplastia, ou seja, a inversão da pele do pénis com o enxerto do antebraço], pela estética e complicações que gerava. Resultado: criei uma nova“, diz.


Em declarações à agência Lusa João Décio Ferreira, de 72 anos, sublinhou que a distinção internacional contrasta com o reconhecimento que tem recebido em Portugal, uma vez que, depois de reformado do Serviço Nacional de Saúde (SNS), recusou uma proposta para ficar a operar no Hospital de Santa Maria a receber seis euros por hora. “O valor que me deram na altura andava à volta de 6 euros à hora. Agora, fora de Portugal dão-me uma medalha de ouro. Pensei que é um pouco mais de reconhecimento”, criticou.
João Décio Ferreira lembrou ainda que a solução para os transexuais portugueses “é complicada” porque, a nível do SNS, contam apenas com o Centro Hospitalar da Universidade de Coimbra para cirurgias de mudança de sexo.
Em 2011, o médico foi notícia por ter deixado o Serviço Nacional de Saúde sem o único cirurgião que realizava as cirurgias de mudança de sexo em Portugal. Nessa altura, João Décio Ferreira decidiu abandonar o Serviço de Cirurgia Plástica do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, devido à proposta que administração lhe fez para se manter ao serviço, após se ter reformado aos 65 anos, em 2009. Segundo o cirurgião disse ao Jornal de Notícias, a proposta passava por receber um salário “ofensivo”. “Propuseram-me um horário de 35 horas semanais pagando-me um terço da reforma ou do ordenado. Isto é, seis euros por hora, sem descontar o IRS”, explicou na altura.


O cirurgião plástico continua a operar a nível privado no Hospital de Jesus em Lisboa, que tem aplicado valores mais baixos para quem quer fazer as operações de reatribuição de sexo, temendo não ser o suficiente porque “a maior parte [dos transexuais em Portugal] não tem capacidade económica sequer para pagar as despesas da clínica”, referindo que muitos utentes “correm o risco de suicídio”.
O médico salientou ainda o “contraste bestial” entre o prémio que hoje recebe pela Sociedade Alemã de Sexologia Clínica e o processo instaurado pelo Centro Hospitalar da Universidade de Coimbra em 2015, entretanto arquivado, por crime de difamação agravada devido a observações publicadas pelo cirurgião no seu site e a comentários emitidos numa reportagem da SIC.

A Sociedade Alemã de Sexologia Clínica atribui a distinção ao “trabalho de uma vida” do médico português devido à sua contribuição “quer a nível de investigação, quer a nível de ensino, para melhorar o conhecimento sexológico e tornar as vidas sexuais mais humanas”.
João Décio Ferreira é o segundo médico português a receber o galardão Magnus Hirschfeld pelas mãos do Presidente da Sociedade Alemã de Sexologia, Jakob Pastoetter, depois do cirurgião Pedro de Freitas o ter recebido em 2014.»

( http://observador.pt/2016/06/19/)

Nota pessoal:

Como cidadã portuguesa, e enfermeira instrumentista, que fui, no bloco operatório da  Clinica Cirúrgia,  no Hospital de Santa Maria - Lisboa - nos idos anos 60...muito me regozijo, com esta  distinção dada  a  este ilustre e importante cirurgião português.

Eu sei! Eu sei!

Em Portugal estão homens e mulheres  dos melhores do mundo.
Em muitas e variadas áreas.
Saibamos nós, país, governantes e responsáveis, reconhecer-lho o valor e o mérito.

Para o Dr. João Décio Ferreira, os meus sinceros Parabéns!

Que o Deus - Senhor da vida, o continue a capacitar para  a obra que faz...e lhe conceda uma vida longa e cheia de alegria.

domingo, 19 de junho de 2016

Porque hoje é Domingo (394)


 O APOIO RECÍPROCO E A PAZ

E, finalmente, sede todos de um mesmo sentimento, compassivos, amando os irmãos, entranhavelmente misericordiosos e afáveis. 
Não tornando mal por mal, ou injúria por injúria; antes, pelo contrário, bendizendo; sabendo que para isto fostes chamados, para que por herança alcanceis a bênção. 
Porque 
Quem quer amar a vida, 
E ver os dias bons,
Refreie a sua língua do mal, 
E os seus lábios não falem engano.  
Aparte-se do mal, e faça o bem; 
Busque a paz, e siga-a. 
Porque os olhos do Senhor estão sobre os justos,
E os seus ouvidos atentos às suas orações;
Mas o rosto do Senhor é contra os que fazem o mal.
(I Ep. do apóstolo Pedro 3:8 a 12)

sexta-feira, 17 de junho de 2016

Um poema de Alberto Caeiro

Imagem da Net.

XXXIII

Pobres das flores nos canteiros dos jardins regulares.
Parecem ter medo  da polícia...
Mas tão boas que florescem do mesmo modo
e têm o mesmo sorriso antigo
Que tiveram para o primeiro olhar do primeiro homem
Que as viu aparecidas e lhes tocou levemente
Para ver se elas falavam...

(Alberto Caeiro - no livro-O Guardador de Rebanhos)

quinta-feira, 16 de junho de 2016

Conforto nas promessas de Deus - por B. Crooks

Os figos que em breve  vou saborear - na figueira que eu plantei


Conforto nas Promessas de Deus

«Grande conforto constitui para os filhos de Deus o facto de poderem contemplar pela fé com todos os santos e anjos, a glória do Senhor Jesus Cristo. O Senhor quer que os seus filhos  vivam num espírito de alegria  e perfeita tranquilidade, tal como se pode verificar na pessoa de Jesus...

...O conhecimento das promessas de Deus e a sua natureza estão na função da consistência da nossa fé. Os grandes homens e mulheres de fé de todos os tempos confiaram  nas promessas do Senhor e viveram nelas....

...O nosso esforço para viver a vida de Deus caracteriza-se pelo viver as promessas de Deus batalhando a boa batalha da fé e alcançando a vitória pelo poder do Espírito Santo. É facto constatado que o amor, a verdade e a justiça de Deus se nos tornam compreensíveis quando cremos nas suas promessas...

...Guardar as promessas de Jesus, crer nessas promessas e praticar a justiça que lhes é inerente perfuma as nossas vidas, dia a dia,  pelo seu amor e permite que sejamos no mundo « o bom e suave cheiro de Cristo»....
 
...Para o cristão, o supremo objectivo  da vida é viver da tal maneira que a sua vida manifeste  a glória de Deus, isto é, que os homens reconheçam que o que há de bom  nas nossas vidas é operação do Senhor pela sua Palavra.»

(B. Crooks - no livro - A Mensagem da nossa  Fé)

terça-feira, 14 de junho de 2016

Sobre o último abacateiro que eu semeei

Este é o primeiro abacateiro que eu plantei,  carregadinho de frutos.

A minha mãezinha foi morar no céu há 12 anos.
Quando ela estava connosco e eu a visitava na sua casinha na aldeia, procurava levar-lhe sempre algo que ela apreciasse. Gostava muito de frutos tropicais, e eu, um belo dia levei-lhe um abacate. Ela tinha por hábito não deitar fora as sementes. Geralmente dizia-me :"Viviana, minha filha, pegue este caroço e faça um buraco no chão abaixo do passeio e coloque lá esta semente." Claro, que eu obedecia à sua ordem e semeei o abacateiro, que hoje, está carregadinho de frutos, como se pode ver na foto acima.
Aprendi a saboreá-los, e hoje, "pelo-me toda" por um, bem madurinho.
Como poucas pessoas da família os apreciam, acabam sobrando muitos para mim, o que é uma festa.

Tal como a mãe, não deito fora as sementes, mas lavo-as e guardo-as para as semear, por aí...
Já nem sei bem os recantos em que os semeei, algumas vezes com os netos.

Habitualmente, saio todos os dias, a caminhar um pouco e, levo sempre comigo algumas sementes e um instrumento para abrir o buraquinho.

Há algumas semanas atrás, saí com o Jorge e, naquele dia lembrei-me de ir em sentido contrário, isto é, em vez de seguir em frente, caminhei por trás da minha casa; a ideia era ver, uma vez mais, antes de "morrerem"...umas belíssimas flores brancas, que nasceram numa encosta à entrada do bairro.

Atravessámos a rua, e, de repente, estávamos à porta da esquadra da polícia de Mira-Sintra. Circundando o edifício existe um terreno que está muito bem aproveitado, com várias árvores, arbustos e flores.
 Reparei então, num espaçozinho, entre um damasqueiro e uma  macieira, onde me pareceu que um abacateiro ali, ficaria muito bem enquadrado.
Ocorreu-me então,  pois nada estava planeado, entrar na esquadra e pedir autorização para semear "a  dita cuja" árvore, ali.
Disse para o Jorge esperar um pouco enquanto eu ia falar com o sr. guarda de serviço.  Pelo semblante dele, vi o seu espanto.
Logo que entrei, um simpático guarda perguntou-me o que desejava. Eu disse:  É só para perguntar se posso semear uma árvore  ali no vosso jardim . Ele respondeu: " Para isso tem que falar com o Sr. Comandante. Ele está ocupado, pode esperar um pouco"? Disse que sim e fiquei à espera.

Confesso que fiquei espantada  com o grande movimento de guardas que entravam e saiam da esquadra. Não  demorou muito e estava junto de mim, o Sr. Comandante, que simpaticamente, me perguntou o que eu desejava.  Perguntei-lhe então,  se ele me permitia semear um abacateiro  no seu jardim. Ele, surpreendido, pois seria natural que pensasse que eu vinha apresentar algum problema... sorriu e disse: - " Plantar um abacateiro!?
Ora, nós já temos tantas árvores  aí, que eu não sei se se arranjará espaço para mais uma...."
Disse-lhe que já tinha reparado num espaçozinho que era capaz de ser adequado.

Saiu connosco, e sempre muito sorridente e bem disposto, foi mostrar-nos e contar a história de cada das árvores e arbustos que ele...ali plantara. Ele é  o plantador e  cuidador.
Falou-nos da sua terra,  Trás - os - Montes, dos seus pais,  das suas gentes...com uma alegria contagiante.
Por fim, abriu o portão, e foi buscar uma enxada de pontas, e, tão contente...começou a abrir a cova, bem funda... no espaço que eu sugerira; e, olhando-me, disse-me: "Eu faço a cova e a senhora semeia." Não consigo definir o que senti naquele momento. Ele de um lado da cova, eu do outro, e o meu marido ali ao lado... Segurei nas mãos três belas semente de abacate, que tinha comido na véspera... e com tanta alegria,  sorrindo, deixei-as cair uma a uma na funda cova. Eu disse: Semeio três, porque se uma não nascer, nascerá a outra, ou a outra.

Logo a seguir, o Sr. Comandante da  esquadra  da  Polícia de Mira-Sintra, pegando na enxada, cobriu-as com terra, cuidadosa e carinhosamente.
Eu, disse a frase que digo sempre quando semeio alguma coisa: Boa sorte! Eu depois venho ver-vos e cumprimentar-vos.
O Sr. Comandante disse, fitando-me : "Prometo que vou cuidar muito bem dela!" 

Agradeceu a nossa visita, e convidou-nos para um dia ir-mos à esquadra almoçar com ele.
Eu fiquei muito feliz! 

Que o Deus - Criador,  me permita, não só ver o abacateiro feito árvore... mas poder saborear os seus frutos.

segunda-feira, 13 de junho de 2016

Não imaginamos o que pode acontecer, quando lemos a Bíblia, sob a orientação do Espírito Santo



«Muitos cristãos habituam-se a acreditar na doutrina  dos pregadores que habitualmente ouvem.
Acomodam-se  à situação de terem "revelação da Palavra pela revelação  que é dada a outros".

Como é bom extasiarmo-nos na leitura e ter a revelação directa da Palavra  de Deus!

Busca a Deus na Sua Palavra com espírito de total submissão e verás,  no teu espírito, como o Espírito Santo tem tanto para te revelar.
 
(Garcia de Araújo - no livro - O que Deus é)
 
Nota pessoal:
Hoje, de manhã bem cedo, segurando a Palavra Sagrada nas minha mãos, eu orei:

Paizinho, por favor fala comigo através da tua Palavra.
Tenho tantas dores...

Então, encontrei estas palavras nos versículos  2 e 5,  do capitulo 6 do livro dos Salmos:

"Tem misericórdia de mim, Senhor,  porque sou fraco; sara-me, Senhor, porque os meus ossos estão perturbados."

"O Senhor já ouviu a minha súplica; o Senhor aceitará a minha oração."


domingo, 12 de junho de 2016

Porque hoje é Domingo (393)


UMA NUVEM DE TESTEMUNHAS

«Portanto nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta, 
Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à dextra do trono de Deus.
Considerai, pois, aquele que suportou tais contradições dos pecadores contra si mesmo, para que não enfraqueçais, desfalecendo em vossos ânimos...

     ... Portanto, tornai a levantar as mãos cansadas, e os joelhos desconjuntados,  
E fazei veredas direitas para os vossos pés, para que o que manqueja não se desvie inteiramente, antes seja sarado.  
Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor; 
Tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus,
e de que nenhuma raiz de amargura, brotando, vos perturbe, e por ela muitos se contaminem.

   /Ep. de S. Paulo aos Hebreus cap.12: 1 a 3; 12 a 15) 

 Nota pessoal:

Desejo, a todos os estimados amigos e irmãos que por aqui passarem, um abençoado  Dia do Senhor. 

A Ele, toda a Glória! 

sábado, 11 de junho de 2016

CARTA DE UM LEPROSO



Ó minha alma, espera silenciosa somente em Deus,
porque dele vem a minha esperança.
Só ele é a minha rocha e a minha salvação;
é a minha fortaleza; não serei abalado.
Em Deus está a minha salvação e a minha glória;
Deus é o meu forte rochedo e o meu refúgio.(Salmo 62:5-7)


«O autor desta carta foi um missionário muito abençoado pelo Senhor em Telugo, na Índia. Muitos, pela sua instrumentalidade foram trazidos do paganismo para a  luz do Evangelho de Cristo. O Senhor, porém, não permitiu que o seu servo continuasse a servi-lo, pois uma vez atacado de lepra foi obrigado a regressar para a Inglaterra, onde durante 15 anos sofreu num leito de enfermidade, privado de ter parte no serviço que tanto amava e isolado dos seus entes queridos. Vamos a sua carta publicada em Leituras Cristãs de 1920/1921.
"Há quase quinze anos que não o vejo, de forma que apreciei imensamente a sua carta. Tenho tido que suportar uma pesada cruz, mas alegro-me em poder dizer-lhe que a graça do Senhor tem sido suficiente para mim em cada passo desta jornada.
Ao princípio, não me podia conformar com a minha sorte, pois eram grandes os planos que tinha formado para o futuro. No meu campo de trabalho na Índia havia muitas almas que  estavam se convertendo ao Senhor, e já em pensamento antecipava o gozo de batizar alguns milhares.
Eu tinha orado ao Senhor, dizendo: "Senhor, permite-me que seja Teu servo, cheio do Teu Espírito, e que a Ti dedique todo o meu pensamento, toda a minha energia, toda a minha vida". Ele respondeu-me, mas em vez de permitir que O servisse como eu planejava, separou-me para sempre desse trabalho.
Jazendo aqui no hospital na Inglaterra, e quando os primeiros horrores da perspectiva do prolongado sofrer se apoderaram de mim, pensava muitas vezes que o Senhor me tinha esquecido e desamparado, que de mim tinha ocultado Sua face. Mas não era assim. Quanto mais dores tenho tido de suportar, mais fácil se me tem tornado suportá-las, e agora regozijo-me a todo o momento no meu Salvador.
Eu sei que já não pode faltar muito tempo para me encontrar com Ele, mas, enquanto estou no corpo, não posso conservar-me em silêncio. Preciso dar o meu testemunho, preciso falar do Seu grande amor por mim, e já escrevi uma tese para ser lida no Congresso Missionário na Índia, sobre: "Como desempenhar bem o nosso lugar na vida".
O irmão me pergunta como estou. Já perdi a vista e a voz; não tenho pés nem artelhos, não tenho braços; mas o meu coração não está morto. Ainda me sinto movido de comiseração e de desejo. Ainda anelo pela extensão do Reino de Cristo sobre a terra, e isto mais do que nunca.
Não posso ler nem escrever, mas as bondosas enfermeiras chegam-se para me ler e escrevem-me também o que lhes posso ditar. Tenho tudo quanto preciso e não estaria mais confortável se estivesse na minha própria casa.
Enquanto viver, espero preparar outros para o trabalho na Índia, e ainda que me encontro morrendo lentamente, não devo deixar de continuar a fazer alguma cousa que contribua para a extensão do Reino do Redentor depois do meu passamento.
Estou certo que o irmão se lembrará de mim nas suas orações para que eu possa ser humilde, paciente e fiel até ao fim. Presentemente não sei o que seja ter dúvidas, e se eu ainda possuísse a minha voz havia de cantar todo o dia. Em certas ocasiões sinto-me tão feliz que suspiro partir para o meu lar celeste e habitar com o meu Bem Amado para sempre.
Que o Deus de todo o conforto o conforte e lhe conceda a Sua graça, inundando-o com a luz da Sua presença de maneira que dia a dia o irmão seja transformado de glória em glória na Sua imagem, é a oração do seu irmão no Reino de Cristo. John E.

 (Achei por bem publicar esta carta, quando muitos desistem por pequenos problemas, e fazem deles uma montanha).»

Orlando Arraz Maz
(No blogue:  http://arrazmaz.blogspot.pt)

quinta-feira, 9 de junho de 2016

Campo Bíblico do Carrascal - Morelinho - Sintra

Uma imagem do Campo Bíblico do Carrascal. 

Para além do que pode ver-se na imagem, há um todo um espaço mágico e belo, onde se inclui uma graciosa estufa de plantas. 

Será aqui...que, querendo Deus, passarei o dia de amanhã,  feriado nacional, juntamente com amigos, familiares e irmãos em Cristo.
À boa maneira  saloia, (zona à volta de Sintra)  "Estou estalando lá chegar"...

O Carrascal é uma aldeia localizada a 6 km de Sintra, paraíso encantado e natural onde ainda se respira o ar puro. O campo bíblico encontra-se entre o campo e o mar, com as praias das Maçãs e das Azenhas do Mar relativamente próximas. Mas não são só as praias da costa atlântica que merecem uma visita pois há outros pontos de interesse a descobrir: Gouveia, a aldeia em verso; a poética vila de Sintra e a romântica aldeia de Colares.
O Centro Bíblico do Carrascal (CBC) é o sítio ideal para descansar e ter um bom tempo de convívio com 
amigos e, acima de tudo, com Deus.

Informação sobre o Centro Bíblico

Localização
Centro Bíblico do Carrascal
Estrada Principal nº 7-9 – Morelinho
2710-413 Sintra, PORTUGAL
GPS: 38°49’8.40N, 9º24’28.33W
Contactos
Tel.: 219 242 340
 .

quarta-feira, 8 de junho de 2016

Do livro - Lucros da Fé - alguns sábios conselhos do autor, sobre Saúde

          O pastor Alan Pallister
«Aconselhamos os nossos leitores a esperar pacientemente em épocas de crise. Isaías  promete forças novas para aqueles  que esperam no Senhor (Isaías 40:31). Temos, no entanto, de deixar claro  que paciência, no sentido bíblico,  não coincide com o sentido comum desta palavra  na língua portuguesa. A paciência que se costuma recomendar aos aflitos é a aceitação cega e impotente  de um destino adverso e cruel. Na Bíblia, paciência significa  aguentar um fardo difícil com esperança  e verdadeira confiança num Deus que é fiel e cuja natureza é criar soluções novas e alegres. A paciência espera uma saída positiva e também um fruto positivo de todo o sofrimento provocado pelas dificuldades experimentadas (Tiago1:2 e 4)...

...Esta atitude de espera será posta à  prova muitas vezes. Talvez a maior dificuldade de todas seja seja o conselho simplista  de amigos cristãos bem intencionados que apresentam uma fórmula para a solução do problema  e uma repreensão implícita  no facto de não a ter-mos aplicado antes! Mas a nossa fé, aquela confiança irrepreensível num Deus  que nunca se engana nem nunca nos faz sofrer em vão, é alimentada ao longo do período de espera. Isso torna-nos mais úteis e mais sensíveis para podermos ajudar os outros. E pode haver momentos de grande calma, e até de alegria, mesmo quando o corpo continua fraco e sofre as marcas da nossa doença.»
 (Pastor Alan Pallister - no livro - Lucros da Fé)

Para quem tenha interesse em conhecer melhor o estimado e querido irmão Pastor Alan Pallister, qui deixo   alguma informação:

"Nascido a sete de Outubro de 1950, casado com a Celeste, pai do Ricardo, do John, da Lilian e do Andrew, e avô do Lucas e do Lourenço.
Foi pastor da Igreja Evangélica Baptista da Caldas da Raínha de 1991 a 2012, onde é professor da Escola Bíblica Dominical e pregador.

Professor no Seminário Teológico Baptista de Queluz desde 1991

.
Autor dos livros, "Os Radicais", O Sabor fo Sal", O Evangelho  da Saúde e da Prosperidade", "Contágio Fatal" e  Ética Cristã Hoje".

Licenciado em Literatura Inglesa e Teologia pela Universidade de Cambridge, Inglaterra, é director do centro  "O Canto da Rola".

terça-feira, 7 de junho de 2016

Poesia Depois da Chuva - de Sebastião da Gama

Fonte  da imagem:semeandoflores.nafoto.net

Poesia Depois da Chuva

                         A Maria Guiomar

Depois da chuva o Sol - a graça.
Oh! a terra molhada iluminada!
E os regos de água atravessando a praça
- luz a fluir, num fluir imperceptível quase.

Canta, contente, um pássaro qualquer
Logo a seguir, nos ramos nus, esvoaça.
O fundo é branco - cal fresquinha no casario da praça.

Guizos, rodas rodando, vozes claras no ar.

Tão alegre este Sol! Há Deus. (Tivera-O eu negado
antes do Sol, não duvidava agora.)
Ó Tarde virgem, Senhora Aparecida! Ó Tarde igual
às manhãs do princípio!

E tu passaste, flor dos olhos pretos que eu admiro.
Grácil, tão grácil!... Pura imagem da Tarde...
Flor levada nas águas, mansamente...

(Fluía a luz, num fluir imperceptível quase...)

Sebastião da Gama, in 'Pelo Sonho é que Vamos'

Nota: 

Publico mais este poema de Sebastião da Gama,
para que  não  venhamos a esquecer, este homem de alma bela,
que partiu aos 28 anos, vitima de Tuberculose renal da qual
sofria desde a adolescência.
Deixou-nos em herança, " Coisas muito bonitas.".

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Uma frase inédita de Agostinho da Silva (5)

                                  Doutora Maria José Nogueira Pinto. Morreu -  e faz tanta falta...


UMA FRASE INÉDITA DE AGOSTINHO DA SILVA

«Tudo na vida é comum
tudo na vida concorre
mas sozinho é que se nasce
e só  o próprio é  que morre.»

(No livro - Quadras Inéditas) 

domingo, 5 de junho de 2016

Porque hoje é Domingo (392)


A SEGURANÇA DAQUELE QUE SE REFUGIA EM DEUS

Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Onipotente descansará. 
Direi do SENHOR: Ele é o meu Deus, o meu refúgio, a minha fortaleza, e nele confiarei.   Porque ele te livrará do laço do passarinheiro, e da peste perniciosa.  
Ele te cobrirá com as suas penas, e debaixo das suas asas te confiarás; a sua verdade será o teu escudo e broquel.  
Não terás medo do terror de noite nem da seta que voa de dia,  
Nem da peste que anda na escuridão, nem da mortandade que assola ao meio-dia.  
Mil cairão ao teu lado, e dez mil à tua direita, mas näo chegará a ti.  
Somente com os teus olhos contemplarás, e verás a recompensa dos ímpios.   Porque tu, ó SENHOR, és o meu refúgio. No Altíssimo fizeste a tua habitação. Nenhum mal te sucederá, nem praga alguma chegará à tua tenda.   Porque aos seus anjos dará ordem a teu respeito, para te guardarem em todos os teus caminhos. 
Eles te sustentarão nas suas mãos, para que não tropeces com o teu pé em pedra. 
Pisarás o leão e a cobra; calcarás aos pés o filho do leão e a serpente.  
Porquanto tão encarecidamente me amou, também eu o livrarei; pó-lo-ei em retiro alto, porque conheceu o meu nome.   Ele me invocará, e eu lhe responderei; estarei com ele na angústia; dela o retirarei, e o glorificarei.   Fartá-lo-ei com longura de dias, e lhe mostrarei a minha salvação.
 (Livro dos Salmos 91:1 a 16)

sábado, 4 de junho de 2016

Há cada coincidência...

Rosa silvestre - Fonte da imagem:www.ehow.com.br
Há três dias atrás, publiquei neste espaço,  um texto, onde escrevi sobre as rosas silvestres que chegam em Junho. Ao descrevê-las  registei o seguinte:

«É verdade! Por aqui por perto,  nas encostas das estradas e caminhos, as rosas caninas espraiam-se a seu bel-prazer, dando uma nota de brancura e de beleza.»

       Escolhi  o termo  "espraiam-se" ,  que conheço há muito tempo, mas que, por uma razão óbvia, não uso todos os dias. Só de tempos a tempos, quando calha.

Pois bem, depois de o ter escolhido e usado, entendi por bem, procurar um pequeno poema ou pensamento sobre as rosas silvestres, para enriquecer o texto.

Abri então  o meu "muito apreciado livro - A Alegria de Viver com a Natureza - de Edith Holden, e fui á procura do que pretendia.
Eis senão, quando, os meus olhos "batem" nas palavras do célebre poeta inglês, Scott,  que sem eu o esperar...usa precisamente o mesmo termo "espraia-se" no singular, e que eu usei no plural - "espraiam-se".

  "Toda cintilante  com o esplendor do orvalho,
      a roseira - brava espraia-se na verdura."

Então eu, Vivianita - usei  a mesma forma de expressão do grande poeta!?

Fiquei um pouco sem saber o que pensar... 

Depois, a rir-me  sozinha, reflecti:

Será que tenho alma de poeta  e não sabia?

Enfim, estou a contar isto, só  como uma curiosidade, nada mais.


quinta-feira, 2 de junho de 2016

Um poema de Alberto Caeiro

Carro de bois .- Fonte da imagem: atelierdouglasokada.blogspot.com

XVI

Quem me dera que a minha vida fosse um carro de bois
Que vem a chiar, manhãzinha cedo, pela estrada
e que para onde veio volta depois
Quase à noitinha  pela mesma estrada.

Eu não tinha que ter esperanças - tinha só que ter rodas...
A minha velhice não tinha rugas nem cabelo branco...
Quando eu já não servia, tiravam-ne as rodas
E eu ficava virado e partido no fundo de um barranco.

   (Alberto Caeiro - no livro  - O Guardador de Rebanhos)

quarta-feira, 1 de junho de 2016

E o mês de Junho chegou, cheiínho de belas rosas brancas, silvestres

Rosa canina - rosa silvestre Fonte da imagem: www.wildflorida.com

É verdade! Por aqui por perto,  nas encostas das estradas e caminhos, as rosas caninas espraiam-se a seu bel-prazer, dando uma nota de brancura e de beleza.

Chegaram estes dias.
A abundância delas verifica-se no mês de Junho.
Mês de Junho, que se iniciou hoje.

A respeito, o poeta  inglês Scott,  escreve:

   "Toda cintilante  com o esplendor do orvalho,
      a roseira - brava espraia-se na verdura."

Sobre a origem do nome deste mês - Junho 

   «No antigo calendário latino, Junho era o quarto mês. Diz Ovídeo que o seu nome se deve a Juno, mas outros autores relacionam a palavra com o consulado de Junius. É, no entanto, provável que tenha relação com a agricultura e que, originariamente, o  termo indicasse o mês em que as colheitas amadurecem. 
Os anglo-saxões chamavam-lhe"Mês seco" e também "Mês do Solstício", e, por último,  e em contraposição a Julho, "Primeiro mês ameno". O Solstício de verão ocorre em Junho 

  (No livro - A Alegria de Viver com a Natureza - de Edith Holden)

 Alguns provérbios sobre este mês:

  "Se Junho for húmido e quente
verás o camponês sorridente"

"Junho abafadíço sai a abelha do cortiço."

"Junho floreiro, paraíso verdadeiro" 

"È chegado o mês de Junho, começa a foice no punho".

"Chuva no S. João tira a uva e não dá pão.

  A Natureza em Junho

«Nos locais mais húmidos, depois do pôr-do-Sol, luzem os pirilampos. Nos campos, começaram as ceifas do trigo, a descasca da cortiça e a extracção do mel. Mas Junho é sobretudo o mês  dos Santos Populares, da sardinha assada. Lisboa, engalanada com os balões de Santo António e as flores do jacarandá, cheiro a sardinha e a mangerico e, no Porto, o dia de S. João, cheira a alho-porro...»

   ( In - Almanaque da terra - 2005 - Circulo dos Leitores)

Ainda, em Junho, os passarinhos andam numa "roda-viva" cuidando dos ninhos e dos filhotes:

      
Um  lindo casal de felosas, atento ás suas pequenas crias.. Fonte da imagem: www.bigstock.com.br.       




  A todos os bons amigos que por aqui  passam  habitualmete, desejo um belo e abençoado mês de Junho.

  Para todos o meu abraço