sábado, 31 de dezembro de 2016

Nesta última manhã de 2016 - eis aqui o meu apelo a cada um de vós

O nascer de um novo dia. Fonte da imagem: http://lendaselicoes.blogspot.pt/.


Nesta última manhã de 2016 - eis aqui o meu  apelo a  para cada um vós

"No último dia, o grande dia da festa, levantou-se Jesus e exclamou: Se alguém tem sede,  venha a mim e beba" (Ev.de João 7:37)

«A paciência  tinha a sua obra perfeita no Senhor Jesus, e até ao último dia da festa apelou aos judeus;  e neste ultimo dia  do ano Ele apela a nós e espera para ser gracioso connosco. Admirável, de facto,  é a paciência do Salvador em lidar com alguns de nós, ano após ano, não obstante as nossas  provocações rebeliões e resistência ao Seu Santo Espírito. Maravilha das maravilhas é ainda estarmos na terra da misericórdia!

A compaixão expressou-se muito claramente, pois Jesus chorou...

...Quão profundo deve ser o amor que faz o Senhor chorar pelos pecadores e, como mãe, persuadir os seus filhos para que se aproximem do seu peito! Certamente ao chamado de tal clamor o nosso coração disposto virá. A provisão é mais abundante; tudo é provido para que o homem possa extinguir  a sede de sua alma. A expiação traz paz à sua consciência; o evangelho traz instrução mais rica ao seu entendimento; a pessoa de Jesus é o objecto mais nobre de amor para seu coração; a verdade, como é em Jesus, fornece ao homem, como um todo, o alimento mais puro. A sede é terrível, mas Jesus pode removê-la. Ainda que a  alma esteja completamente faminta, Jesus pode restaurá-la...

...O Salvador ensanguentado, moribundo e ressurrecto é a única estrela de esperança para um pecador.
Ah! Venha  à graça e beba, antes que o sol se ponha no último dia do ano!

...Não é necessário um cálice de ouro para transportar a á gua ao sedento; a boca da pobreza é bem - vinda a inclinar-se e beber em grandes goles da fonte que flui. Lábios com pústulas, leprosos e imundos podem tocar a corrente do amor  divino; não há como a poluirem, antes, serão eles mesmos purificados. Jesus é o manancial de esperança. Caro leiror, ouça a voz  do amado Redentor clamando a cada um de nós:

SE  ALGUÉM  TEM  SEDE,
VENHA  A  MIM 
E  BEBA."
(Charles H. Spurgeon
 no livro  - Manhã e Noite)

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Um conselho do salmista: "Entrega o teu caminho ao Senhor" - Pastor João António Marques

Caminho pedregoso, íngreme, para Ben Névis. Fonte da imagem:http://www.publicdomainpictures.net/

"ENTREGA O TEU CAMINHO AO SENHOR"

«Entrega-lhe  toda a tua vida, procura saber a sua vontade em cada momento, antes dos afazeres do dia-a- dia, durante eles,  e quando cessem.
        Temos necessidade de sabedoria, para sabermos  conduzir-nos neste mundo, diante de  Deus e diante dos homens. Precisamos da sabedoria divina  para as nossas decisões; as palavras do salmista incitam-nos a procurá-las e garantem que ela está ao nosso alcance. No entanto, quanta falta dela manifestamos às vezes! Devemos então procurar essa orientação, para que não errem os nossos passos, não vacilem os nossos pés e não venhamos a experimentar alguma queda desastrosa. Ela falta, muitas vezes, e daí tantas quedas, tantos desastres morais e espirituais, e também materiais.

Entregar a vida ao Senhor é também pedir-lhe ajuda. Ele está sempre pronto a estender a sua mão e ajudar-nos. Nós somos quais crianças que se dirigem ao mundo, cheios de fragilidade e de fraquezas. As crianças precisam continuamente do amparo dos mais velhos; nós precisamos do amparo do nosso Deus, que é mais poderoso e mais forte que todos.  À mercê dos acontecimentos, das contingências da vida, daquilo a que muitos chamam sorte, precisamos mesmo da ajuda Divina. Se lhe pedirmos , Ele certamente não no-la negará.»

(Pastor João António Marques - no livro - Olhai para os Lírios do Campo - pág 166/167)

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Um Tranquilo e Feliz Ano de 20017

DIA DE ANO NOVO

Num dia de Ano Novo soalheiro, 
Daqueles que de inverno não parecem, 
Em que o coração pulsa a tempo inteiro 
No peito e coisas novas apetecem; 
Senti saudades desse imenso lago 
Que se agita e que a nós faz relaxar..  
Pensando no seu rude e eterno afago 
Lá fui com rumo à praia a ver o mar!
Vestia o céu de azul, azul celeste,
Brilhava o sol nas águas de cristal  
E o bater das ondas duro e agreste, 
Punha montes de espuma no areal! 
Que sinfonia tão melodiosa 
Pairava na amplidão, rara beleza... 
Não há paisagem mais maravilhosa
Do que a pintada pela natureza!
Não me contive, desci ao areal 
Por entre rochas de uma idade rara; 
Pude sentir melhor o cheiro a sal 
E o sol beijando a pele da minha cara... 
Oh que caricia  doce, pura e quente 
(Quem dera que assim fosse a humanidade) 
Ao menos a Natureza nunca mente 
Seja na mansidão ou tempestade... 
Mostra-se como é, sem fingimento, 
Sem máscara subtil de hipocrisia;
Desdobrando-se em sons, em luz,em vento, 
Nos perfumes, nas cores e maresia!
Caminhei, pensativa, praia além,
Na mente sempre a mesma ladaínha;
Apesar de a meu lado estar alguém
Eu fiz de conta que estava lá sozinha...
Ergui na areia castelos  de brincar,
Lancei ao vento a espuma em meu redor;
E ao atirar com um calhau ao mar
Foi como se atirasse a minha  dor!
Entardecer de prata sobre as águas,
Passam gaivotas, livres, sem roteiro...
O Ano Velho esqueci e as minhas mágoas,
Num dia de Ano Novo soalheiro...
(Graciete Pio - no livro - Perfume do Céu - página 116)

Nota pessoal:

Desejo. a todos os estimados amigos que passam por aqui 
habitualmente, um Tranquilo e Abençoado ano de 2017.

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Apresentando a Bíblia em verso (15) Uma obra de Eduardo Henriques Moreira

João Baptista baprizando Jesus no Rio Jordão. Fonte da imagem:http://servosdapobreza.com 

Continuação

Vivia pelo deserto 
aquele primeiro mestre,
comendo só gafanhotos
e mel de abelha silvestre.

Aos  trinta anos Jesus
o seu ofício deixou
e para ser baprizado
ao Jordão se encaminhou.

E João, ao vê-lo vir,
exclamou maravilhado:
«Eis o cordeiro de Deus
que o mundo arranca ao pecado!.»
 
Depois do baptismo ouviu-se
esta voz da Omnipotemtência:
«Eis  meu filho, em quem eu pus
toda a minha complacência.»
 
Alguns que a João seguiam
foram seguindo o Senhor.
Outros viriam depois
chamados por seu amor.
 
Doze Apóstolos  chamou
constituido um Colégio,
mas muitos chamou depois
como santo privilégio.

Os doze foram: Simão,
chamado «Pedro», e Tadeu,
André, João e Tiago,
Filipe e Bartolomeu,
 
Tomé, Simão Cananita, 
Mateus, Tiago o «menor»,
e Judas Iscariotes,
que veio a ser o traidor.
 
Logo depois do baptismo
Jesus, o santo Messias,
como fizera Moisés
jejuou quarenta dias.
 
Lá no deserto habitando,
pela fome apoquentado
ao fim dessa quarentena
por Satanás foi tentado.
 
Vencendo três  tentações,
pelas Santas Escrituras,
a vencer o  Inimigo
ensinou as criaturas.
 
E nas bodas de Caná
a que assistiu prazenteiro,
transformando a água em vinho
fez o milagre primeiro.
 
Depois... dava vista aos cegos
e aos leprosos  sarava,
alimentava os famintos,
aos possessos libertava.
 
(No livro - A Bíblia em Verso - Uma obra do pastor Eduardo Henriques Moreira9
 
Nota:
Querendo-o Deus, continua na próxima semana

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Um pensamento de Benjamin Franklin (4)

Fonte da imagem: http://www.hagnos.com.br/ 

"ACHAR QUE  O  MUNDO  NÃO  TEM  UM  CRIADOR  É  O  MESMO  QUE  AFIRMAR  QUE  UM DICIONÁRIO  É  O  RESULTADO  DE  UMA  EXPLOSÃO  NUMA  TIPOPGRAFIA:"
(Benjamim Franklin)

domingo, 25 de dezembro de 2016

Porque hoje é Domingo (420)


O NASCIMENTO DE JESUS CRISTO

Por essa altura, o imperador Augusto decretou que se fizesse  o recenseamento de toda a população do Império Romano. Foi o primeiro recenseamento quando Quirino era governador da Síria. Todos iam ins- crever-se,  cada um  na sua cidade. Por isso José  partiu da Nazaré, na província da Galileia, e foi para a cidade de David que se chama Belém, na província da Judeia. Como José era descendente de David, foi lá inscrever-se levando consigo Maria, sua mulher, que estava grávida.
Enquanto estavam em Belém, chegou o momento de Maria dar à luz. Nasceu-lhe então o menino, que era o seu primeiro filho. Envolveu-o em  panos e deitou-o  numa mangedoura, por não conseguirem arranjar lugar na casa.

Naquela região havia pastores que passavam a noite  no campo guardando os rebanhos. Apareceu-lhes um anjo e a luz gloriosa do Senhoe envolveu-os. Ficaram muito assustados, mas o anjo disse-lhes: «Não tenhais medo! Venho aqui trazer-vos uma boa nova que será motivo de grande alegria para todo o povo. Pois nasceu hoje, na cidade de David, o vosso Salvador, que é Cristo, o Senhor! Poderão reconhecê-lo por este sinal: encontrarão o menino  envolvido em panos , e deitado numa mangedoura.»
Nisto, juntaram-se ao anjo muitos outros anjos do céu louvando a Deus e cantando:
«Glória a Deus no mais alto dos céus
e paz na  Terra aos homens
a quem ele quer bem!»

(Evangelho de S. Lucas cap. 2:1 a 14)
 Na Bíblia  para todos

sábado, 24 de dezembro de 2016

Acalanto para o menino Jesus - Um poema de Gióia Júnior

Fonte da imagem:por dentro do evento - Webnode


ACALANTO PARA O MENINO JESUS

Dorme, criança, repousa
ao beijo da brisa mansa,
a própria estrela não ousa
Teu soninho perturbar.
Descansa, agora descansa,
como a terra, como a lousa,
porque mais tarde, criança,
não poderás descansar.

As trevas são mornas vendas;
fecha os olhinhos, infante,
pouco importam oferendas
vindas de Terra Distante.
Apaga o olhar meigo e langue,
que amanhã, ao despertar,
terás lágrimas de sangue,
em vez de calmo sonhar...

Descansa os róseos pezinhos
- aves de claras plumagens -
amanhã, quantos caminhos
esses pés hão de trilhar!
E depois, ao fim das viagens,
mãos pesadas, mãos selvagens
com lanças, cravos e espinhos
hão de fazê-los sangrar...

Dorme, criança travessa,
a noite é macia e boa,
amanhã torpe coroa
ferirá Tua cabeça...
Rolarão pelos espaços
as longas horas, Jesus,
hão de crescer os Teus braços
sob a medida da cruz.  

Sejam-Te os versos que escrevo,
neste momento de enlevo,
a paga do que Te devo
pelo que me dás do céu.
Dorme, Cristo Imaculado,
pois serás crucificado
e eu sou o maior culpado,
o mais desprezível réu!

(Gióia Júnior - no livro . Orações do Cotidiano)

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Na noite azul do teu aniversário -Um poema de Myrtes Mathias

Fonte da imagem: http://dehonbrasil-aliriopedrini.blogspot.pt/ 

NA NOITE AZUL DO TEU ANIVERSÁRIO
Na noite azul do Teu aniversário
volto no tempo para te adorar
e vejo-te tão pequenino e lindo
que sinto vontade de orar, sorrindo,
como se fosse um canto de ninar.

É sublime saber-te omnipotente
Senhor dos mares, da terra e do céu
e ver-te assim tão frágil e dependente,
como se fosse um irmãozinho da gente
ou um anjinho que do céu desceu.

E eu venho assim sem um presente,
nada além da singeleza desta prece.
Mas onde poderia achar
algo digno, Senhor, de te ofertar,
que fosse meu e não te pertencesse?

Perdoa, pois, Senhor,  se no Teu dia
eu compareço assim de mãos vazias
e ainda me atrevo a uma petição.
Mas, Senhor; o meu desejo é santo:
queria, Senhor,  queria tanto
que Tu nascesses em cada coração.

Para que o mundo mau se transformasse
num prenúncio do céu, numa mansão de luz,
onde homens, mulheres e crianças
cantassem, num ritmo de esperança:
Hosana no céu, paz na terra - Natal de Jesus!...

(Myrtes Mathias - no livro - Poemas para meu Senhor)

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

O QUE É O NATAL? - Um poema de Sara Lourenço

Fonte da imagem: Awww.taringa.net
O QUE É O NATAL?

Um dia convencional
Em que toda a gente diz:
Hoje é dia de Natal,
No teu e no meu país!

Boas festas, felizNatal!
Coisas boas, muita luz!
Ninguém se lembra, afinal
Do Natal do meu Jesus!

Natal é festa de amor,
Do amor que Deus nos tem:
Mandou Seu Filho  ao mundo
E veio nascer em Belém!

A boa nova aos pastores,
Um anjo anunciou;
Encheu-se o céu de louvores
Que um coro de anjos cantou!

Puseram-se a caminho,
Caminhando sem parar;
Encontraram o  Menino
Que queriam adorar!

Esta mensagem de amor
Traz-nos paz ao coração;
Amemos, pois, ao Senhor
Na pessoa do nosso irmão!

(Sara Lourenço- no livro - Pinceladas)

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

É NATAL - Um poema de Cremilda Simões

Fonte da imagem: https://pluralesingulares.wordpress.com/

È NATAL

Que alegria é esta
Que nos sai do peito.
Que nos cai dos dedos
Abertos, ao dar?...

Que alegria é esta 
Que nos sai dos olhos
Com estrelas meninas
A rir... a brincar?...

Que alegria é esta,
Que alegria é esta,
Com um ar de festa
Hoje em cada lar?...
Tudo tão bonito...

Há no céu, na rua
Pedaços de luz
Que estão a brilhar.

Esta sinfonia
Musicalidade
Que no ar se espalha.
É realidade
No balir da ovelha
Ao cair da tarde.

O timbre a metal
Nesta noite azul
De anjos agrupados
A cantar...a cantar...

Recorda o Menino
Com um eme grande
Ao fazer - Natal.
**********************
Natal é esperança
Janelas abertas!
Natal é bonança.
É vaga que leva
As gentes libertas.

Natal é um silenciar de coração
São faces dobradas em adoração.

Natal...
É mistério que no fundo
Jesus desvendará
Pelo amor em que abraçou 
o mundo.

(Cremilda Simões - no livro - Poemas repartidos)

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

O MENINO DO COMBOIO - Um poema de Joed Venturini

Fonte da imagem: http://corujices.com/
O MENINO DO COMBOIO

O comboio corria veloz em passo ritmado, rumo ao Norte
Aqueles que dentro estavam se consideravam com sorte
É que lá fora o vento uivava feroz e cortava a respiração
Já dentro, o clima era gostoso devido à calefação


Uma mãe viajava com seus dois filhos no vagão principal
Formavam uma cena bonita, tocante, quase angelical
As crianças ouviam-na contar histórias com atenção dedicada
E a mãe se esforçava para manter a prole concentrada


A história em pauta era a do natal que se aproximava
As crianças sorviam as palavras com o cuidado que a mãe desejava
Nada perdiam de todos os pormenores da narração deliciosa
 E a contadora se esmerava nos detalhes, era mesmo caprichosa

Tão concentrados estavam, que nem chegaram a reparar
Num novo passageiro que lentamente se viera a aproximar
Era um menino de pele morena, olhos escuros, ar assustado
Mas que se achegava devagarzinho, claramente interessado

Então, num susto meio alarmante a filha mais nova o notou
Chegou-se à mãe um tanto apavorada e nela se aconchegou
O menino moreno esbugalhou os olhos e abaixou o rosto
Estava acostumado à rejeição, e a olhares de contragosto


Em sua face curtida do sol, do frio e do vento invernal
Apagou-se a luzinha que brilhara de modo pouco habitual
É que a cena daquela família à sua frente reunida
Parecia a resposta de uma prece tantas vezes oferecida

Mas o olhar assustado, a testa enrugada em desaprovação
Recordara o garoto de sua triste, amarga e injusta posição
Não deveria ter saído da terceira classe onde se escondera
Ele e o pai,que já dormia, vitima de mais uma bebedeira


Antes porém que o menino pudesse se afastar tristonho
A mãe recuperou o ânimo e o chamou com ar risonho
Não gostaria ele de se juntar ao grupo para ouvir continuar
A linda história que a pouco se estivera a contar?


E o menino acanhado, mas com novo alento se aproximou
Timidamente se foi sentando e logo com um sorriso se acomodou
A mãe mantinha a filha no colo e o filho à sua frente
Respirou fundo e voltou à história que não saíra da mente

A mulher então contou de uma noite bela há muito tempo atrás
Quando nasceu um neném que era príncipe de Deus e traria a paz
Falou de anjos, falou de estrelas, falou até de uma manjedoura
Onde o menino foi colocado e adorado numa devoção imorredoura

Naquele dia nascera em forma de gente o mais precioso amor
Que mais tarde venceria todo o mal, sofreria toda a dor
E messe ponto da história o menino fez ar de desentendido
Começou a cogitar no que ouvia e que não fazia sentido

Olhou a senhora com o ar mais honesto e puro que era possível
E sem medo de errar ou de fazer algo que fosse horrível
Perguntou sem pejo, sem malicia mas com autêntico fervor
Diga-me senhora, por gentileza, o que vem a ser isso de amor?

A mulher constrangida ficou quase sem acreditar
Que uma criança pudesse sobre algo tão sublime indagar
Não conhecera ele o inefável e doce do materno carinho?
Não tenho mãe, respondeu o garoto, suspirando baixinho

Confusa ficou a contadora de histórias e sem solução
Como explicar aquilo que só é possível sentir com o coração?
Então tocada no intimo pelos olhares indagadores da criança
Tomou-o nos braços e o beijou com ternura, o beijo da esperança

O menino tímido se encolheu ao sentir no rosto aquele calor
Fechou os olhos e sorriu como que para prolongar o torpor
Olhou a senhora sem conseguir falar, sem conseguir exprimir
Aquilo era algo bom demais para descrever, só dava mesmo para sentir

 Rompeu o ar então uma blasfêmia maldosa, um grito iracundo
E todos no vagão tremeram pois o ronco era maligno, profundo
Entrou no compartimento um homem maltrapilho, bêbado, feroz
Logo atrás o cobrador do comboio que o encontrara, seu algoz

Aquele fedelho é meu, gritou o malvado apontando o rapaz
O garoto instintivamente tentou fugir e foi agarrado por trás
Reunido ao progenitor desbocado logo levou uma bofetada
E nova enxurrada de palavrões brotou da boca suja e malcriada

A mãe desesperada abraçava os filhos, como que para os proteger
Sofria pelo menino e já chorava de angustia sem saber o que fazer
Os dois clandestinos foram arrastados para fora do vagão
Seriam expulsos do comboio assim que chegassem à próxima estação

 Pela janela húmida sentados confortavelmente em seus lugares
A pequena família assistiu a tudo trocando tristes olhares
E foi desse lugar tranquilo e mesmo privilegiado
Que vira o menino os observar com ar desamparado

Então, num ato de coragem, bravura e extrema valentia
O garoto soltou-se do algoz, que na verdade não tinha nenhuma serventia
Contornou o cobrador do comboio que tapava a entrada
E disparou pelo vagão em verdadeira cavalgada

Em instantes estava junto à família que o abrigara
Ajoelhou-se aos pés da mulher que a historia lhe contara
Com olhar humilde e cheio de esperança soltou seu clamor
A Senhora pode me dar mais um pouco de amor?

A mulher chorando angustiada, no seio o apertou
Seu rosto sujo e triste com suas lágrimas molhou
Encheu sua face infantil de beijos doces, cheios de ternura
A cada novo beijo curando um pouco mais da amargura

Quando o cobrador veio o menino de seu esconderijo retirar
Já no seu rosto se podia perceber um novo brilhar
Aquele pequeno momento fora o suficiente para nele acender
A chama da esperança, uma expectativa especial e difícil de se perder

Enquanto o comboio se afastava lentamente da estação enregelada
A mãe pode ver o sorriso do garoto e sua mão levantada
Ele acenou uma despedida tímida mas calorosa
Deixando no coração dela uma lembrança forte, dolorosa.

Neste mundo difícil em que vivemos você e eu
Temos visto o estrago causado pelo pecado que prevaleceu
Sabemos de gente triste, desesperada, sem ânimo na vida
Que já perdeu a expectativa de recompensa da sua lida

Vemos rostos como daquele menino naquele trem
E muitas vezes evitamos olhar para estes que se aproximando vem
A dor é tamanha neste planeta que chamamos terra
Afinal são as marcas da pobreza, da corrupção, da guerra

Mas com esta história daquela véspera de natal
Descobrimos que há algo que se pode fazer afinal
Somos de Deus criaturas, criados à sua imagem em perfeição
Exatamente para refletir sua glória, carregar sua virtude no coração

E em momento nenhum chegaremos mais perto de perceber
A vida que Deus nos criou para usufruir e viver
Do que quando refletimos do Senhor o maior valor
Mostramos em gesto, palavra, ação, o seu amor

Então vivamos irmão, vivamos, mas em plenitude
Entendendo que viver requer de nós escolhas, atitude
Deixando um pouco de olhar apenas para nós mesmos e sem temor
Amar a vida, amar o próximo, ser confundidos com o Senhor!

(Joed Venturini  - no blogue - Poesiasecontosevangelicos.blogspot.pt/.

O autor, é pastor, em Lisboa; é médico, escritor e conferencista.

Nota Pessoal:

 O pastor, Dr. Joed Venturini,  autor do poema acima, é filho de missionários brasileiros que trabalharam muitos anos em Portugal. Tive o privilégio de os conhecer e de com eles alicerçar uma linda e doce amizade, principalmente com a mãe do autor, irmã Márcia Venturini.Ela fez uma obra relevante em Portugal, em várias áreas; saliento, no entanto, o seu trabalho com as crianças (Infantes do Rei) de quem por vários anos foi  líder nacional. E ainda, o muito que fez no meio feminino - União F.M.B.Portuguesa, nomeadamente em acampamentos evangélicos.
Conhecendo a Dª Márcia Venturini como eu a conheci, tão de perto, e tendo com ela estabelecido uma bela e sincera amizade, creio que  na história do menino do combóio, é ela a protagonista que conta a história de Natal. Estou a vê-la a agir assim...e, as crianças para quem lia, eram os seus filhos Joed e Lilia.
Esta pessoa linda e muito amada, já está no céu, com o Senhor há alguns anos.Partiu cedo...tenho dela imensa saudade, e gratas e doces recordações.Não consigo pensar nela sem me emocionar.A sua vida foi um exemplo e uma inspiração para mim.
Louvado e engrandecido seja o SENHOR!


segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Prece de Natal - Um poema de Graciete Pio


Fonte da imagem: http://www.internautascristaos.com.

PRECE  DE  NATAL

Noite suave e bela,
No céu brilha uma estrela...
Porquê beleza tal?
Porque esta é uma noite diferente,
Chama-se simplesmente
A noite de Natal!
Noite de magia,
Porém, do Sul ao Norte,
A par da beleza , da alegria
Há sofrimento e dor,
Tristeza e morte...
Uma lágrima teimosa à face desce
E silenciosamente em oração,
Fecho os meus olhos
Ergo as mãos em prece,
Deixando apenas falar o coração:
Senhor, multiplica meus presentes
P´ra que cheguem
P´rós velhinhos, p´rós doentes...
Faze,  ó Deus, que o calor das minhas brasas,
no meu modesto lar
Seja extensivo aos que não têm casas
Para do frio e chuva se abrigar...
Faze crescer os bolos e as filhós
Na boca dos famintos,
No estômago dos sós;
Que a tua graça, a Tua compaixão,
Se manifeste aos que  não têm pão
E vivem desesperados,
Em crual ansiedade,
Sem paz, sem salvação,
Sem liberdade...
Tem piedade, Senhor, 
Dos que lutam na guerra
Ausentes dos queridos,
Longe da sua terra;
Que a Tua paz se espalhe
Dos montes aos povoados
P´ra consolo dos tristes,
Nos lares enlutados...
As crianças,  Senhor, 
Orfãs de pai, de  mãe,
E ás que tendo pais 
Parece que os não têm,
Livra-as de todo o mal,
Guarda-as neste Natal!
Nesta hora sublime,
Nesta quadra sagrada,
Seja a Tua mensagem
Ouvida e praticada;
Que os homens na verdade,
Dêem as suas mãos
E, com simplicidade
Se amem como irmãos...
Quando em todas as almas 
Vibrar este Ideal
Então será Natal!

(Graciete Pio - no livro - Perfume do Céu)

Nota:
Tenciono , querendo - o Deus, publicar neste espaço,  poemas de Natal durante esta semana.

domingo, 18 de dezembro de 2016

Porque hoje é Domingo (419)


PREVISSÃO DO NASCIMENTO DE JESUS CRISTO

E, no sexto mês, (da gravidez de Isabel, prima de Maria, e mãe de João Baptista)  foi o anjo Gabriel enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré,  
A uma virgem desposada com um homem, cujo nome era José, da casa de Davi; e o nome da virgem era Maria.  
E, entrando o anjo aonde ela estava, disse: Salvé, agraciada; o Senhor é contigo; bendita és tu entre as mulheres.  
E, vendo-o ela, turbou-se muito com aquelas palavras, e considerava que saudação seria esta.   Disse-lhe, então, o anjo: Maria, näo temas, porque achaste graça diante de Deus.  
E eis que em teu ventre conceberás e darás à luz um filho, e por-lhe-ás o nome de Jesus.  
Este será grande, e será chamado filho do Altíssimo; e o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai;   E reinará eternamente na casa de Jacó, e o seu reino näo terá fim.
E disse Maria ao anjo: Como se fará isto, visto que não conheço homem algum?  
E, respondendo o anjo, disse-lhe: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus.  
E eis que também Isabel, tua prima, concebeu um filho em sua velhice; e é este o sexto mês para aquela que era chamada estéril;   
Porque para Deus nada é impossível.  
Disse então Maria: Eis aqui a serva do Senhor; cumpra-se em mim segundo a tua palavra. E o anjo ausentou-se dela.

(Ev. de S. Lucas cap. 1: 26 a 38) 

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Quando o vento dobrou todo o Salgueiro - Um poema de Pedro Homem de Mello

Pedro Homem de Mello - Poeta, Professor e Folclorista português.

QUANDO O VENTO DOBROU TODO O SALGUEIRO

Quando o vento dobrou todo o salgueiro
E as folhas caíram sobre o tanque
Disseste-me em segredo:
-  A vida é como as folhas!

Depois, à nossa frente,
Um pássaro cortou com o seu voo azul
Os caminhos do vento.
E tu disseste ainda:
 - O amor é como as aves...

Mas quando aquele pássaro, ferido
Já não sei porque bala,
Veio cair no tanque,
Mais negros e mais fundos os teus olhos
Prenderam-se aos meus!
E não disseste nada...

  (Pedro Homem de Mello - no livro - SEGREDO  -1953)

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Que tenham um Natal muito abençoado


Que tenham um Natal muito abençoado.

Os amigos que já  conhecem "O Menino de Belém", que são gratos pela sua vinda, e que já aceitaram o seu Amor,  o seu imenso Amor, demonstrado na Cruz do Calvário,  que se alegrem! Que cantem louvores!

Os que ainda  estão fora do grupo, dos "redimidos pelo Senhor",  aproveitem este Natal para o convidarem a vir fazer morada no seu coração,  a ficar com eles para sempre!
Esta é a mais importante decisão da vida, creiam.

Para todos, desejo um Natal muito abençoado.

Dedico-vos, ofereço-vos, com muito amor e muita alegria, o postal acima.
Recebi-o ontem, da minha querida amiga e irmã em Cristo, Margarida de Barros, secretária da Convenção Baptista Portuguesa.
Com permissão, estou a enviá-lo aos amigos que por aqui passarem
Acho-o lindo!
Muito belo!

Parabéns à jovem Raquel Oliveira, da Igreja Baptista do Cacém,  sua autora.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

AMOR - Sadu Sundar Singh

Esta jovem, conheceu o amor de Deus,  arrependeu-se,   e obedeceu.

AMOR

Deus é fonte do amor. A força da gravitação que conserva os mundos no espaço é a manifestação material daquela força espiritual de gravitação, que é o amor e cuja fonte é Deus. O íman atrai o aço, não pelo facto de ser metal valioso, mas porque o aço tem capacidade de corresponder à atracção. Não atrai o ouro. Este pode ser mais precioso que aquele, porém não é sensível à atracção. Deus atrai os pecadores, até mesmo  os piores, contanto que se arrependam e sejam sensíveis à graça divina; mas não pode estender  o seu carinho aos que confiam na sua própria justiça e aqueles que rejeitam o seu amor.

(Sadu  Sundar Singh - no  livro - Realidade e Religião)

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Apresentando a Bíblia em verso (14) Uma obra de Eduardo Henriques Moreira

 Apresentação do menino Jesus no Templo. Fonte da imagem : https://imagensbiblicas.wordpress.com/:

Continuação

Completos os oito dias
foi Jesus circuncidado;
ao Templo, em Jerusalém
foi por Maria levado.

Cheio do Espírito Santo
Simeão, profeta velho,
tomou nos braços Jesus:
sentiu nele o Evangelho.

Também Ana, uma anciã
que lá no Templo morava,
nessa hora tão feliz
ao povo profetizava.

Mas sentindo o rei Herodes
que o trono a tremer começa,
aos meninos de belém
mandou cortar a cabeça.

José tivera o aviso
daquele péssimo fito;
ele, Maria e o Menino
fugiram para o Egipto.

E quando morreu Herodes
o anjo avisou José
que, saindo do Egipto
foi viver em Nazaré.

Quando tinha doze anos
foi Jesus com sua Mãe
a Jerusalém, à festa,
e José ia também.

Vinham já todos de volta,
numa alegre companhia,
quando a falta se notou
do filhinho de Maria.

Procurando-o na cidade
com um susto dos maiores,
foram achar - quem diria
o Menino entre Doutores.

Aqueles sábio, que tinham
da Lei um profundo ensino,
estavam maravilhados
com os ditos do Menino

Dos anos da sua infância
não se escreveu nada mais.
Só sabemos que viveu
obediente a seus pais.

Sendo certo  que José
seu pai era, pra os Judeus.
Em verdade, Ele é o Filho
Eterno, do Eterno Deus.

Passaram-se muitos anos
até que apareceu João
baptizando arrependidos
que o buscavam, no Jordão.

(No livro - A Bíblia em verso - Uma obra do pastor Eduardo Henriques Moreira)

Querendo-o Deus,  continua na próxima  semana.

domingo, 11 de dezembro de 2016

Porque hoje é Domingo (418)


E tomou o Senhor Deus o homem, e o pôs no jardim do Eden para o lavrar e cuidar.
E ordenou o Senhor Deus ao homem dizendo:
De toda a árvore do jardim comerás livremente. Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal,  dela não comerás; porque no dia  em que dela comerdes certamente morrerás.

Ora, a serpente era  mais astuta que todas as alimárias do campo que o Senhor Deus tinha feito. E esta disse à mulher: É assim que Deus disse: Não comerás de toda a árvore do jardim?
E disse a mulher à serpente: Do fruto das árvores do jardim comeremos. Mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Não comerás dele nem nele tocareis para que não morrais.

Então a serpente disse à mulher: Certamente não morrereis.Porque Deus sabe que no dia  em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal.

E viu a mulher que aquela àrvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento; tomou  do seu fruto e comeu, e deu também ao seu marido, e ele comeu com  ela.

E ouviram a voz do Senhor Deus, que passeava pelo jardim pela viração do dia; e esconderam-se Adão e sua mulher da presença do Senhor Deus  entre as árvores do jardim.

E Deus disse à serpente:  Porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.

O Senhor Deus, pois, o  lançou fora do Jardim do Éden, para lavrar a terra  de que fora formado.

 (Livro de Génesis  cap.2:15 a 17; cap.3:1 a 6;  8, 15, 23)

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Obrigada Senhor, por me teres feito Enfermeira!

FEZ ONTEM, 52ANOS

o8/12/1964 

Recebendo o Diploma das mãos do Dr. Coriolano Ferreira - Director Geral dos Hospitais.
 
Ao centro, recebendo o emblema, da Senhora Enfermeira Geral - Franco Henriques.   
E em baixo o grupo das diplomadas. 
Eu sou a terceira à esquerda, na fila de trás ( a mais alta)

Ah! mas como o Senhor me usou!´Realizei-me, completamente e absolutamente  como enfermeira.

A minha gratidão é eterna, para com o meu Deus e Pai.
SOLI DEO GLORI

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Ainda, as Mães

Dwight David Ike Eisenhower - 34º Presidente dos Estados Unidos da América. Fonte da imagem:http://kdfrases.com/ 

Ainda, as Mães

"QUAL DELES"?

A mãe de Dwight  D. Eisenhower,
ao perguntarem-lhe se estava orgulhosa do seu filho.

(No livro  - Palavras de amor sobre  MÃES)

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Do livro - Leomil - de António de Sèves


Do livro - Leomil

«A caruge levantára. Só alvos rolos de névoas enchiam o leito dos corgos. Ainda fazia sieiro - e largas faixas de geada inteiriçavam os cultivos, ao redor da sombra dos muros. Mas, livre do basto negrume que o havia impecido, com a alegria que as aves trazem ao sair da água - e as faz espanejar, erguer vôo e partir a chilrear - o Sol já batia as azas, sózinho por todo o céu -  e sacudia sobre a terra um grande chuveiro de luz.
Azuis e azuis tão leves como liláses delidos subiam dos vapores dos códos, a cambear com os brancos das nevoas que rareavam.Os mais bravios maninhos e alpendurados calhaus perdiam a sua bruteza. E, com o oiro desmaiado que da luz do sol caía, e o azul desses azuis e a alvura fofa das nevoas - ribeiras e montes pareciam visões dum doce quebranto das moirinhas encantadas, que ao abrigo das penhas , nos vales de tenro arvorêdo, fiam  em rocas  d´oiro, os seus cuidados d´amor, eternamente meninas!»

  (António de Sèves - no livro Leomil - 1921)

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Apresentando a Bíblia em verso (13) Uma obra de Eduardo Henriques Moreira


Continuação

Era Augusto imperador
do forte povo de Roma
quando saiu uma ordem
dada em seu real diploma:

Que todo o Império Romano,
conquistado em fortes guerras,
desse o nome ao manifesto,
cada qual em suas terras.

Vai José, o carpinteiro,
para a vila de Belém,
e Maria, sus esposa,
foi forçada a ir também.

O carpinteiro José
do rei David descendia
tendo o direito judaico
de ascender a monarquia.

Mas à chegada a Belém
cumpria-se a profecia.
Nem lugar houve para eles
na modesta hospedaria!

No presépio da estalagem
a família se albergou.
Na mangedoura o Menino
ao nascer se reclinou.

Uns pastores que no campo
vigiavam seu rebanho
ficaram estarrecidos
pela luz de um brilho estranho.

Mas os anjos apareceram
na luz que brilhava ali,
dizendo: «Nasceu-vos o Cristo
na cidade de David.»

Ensina aos magos a estrela
que no Oriente surgiu:
nascera um Rei diferente
de todos que o mundo viu.

Não tem palavras o astro
para falar de salvação,
mas a fé lhes desperto
no ansioso coração.

Lá vêm eles de caminho
olhando a estrela nos céus,
buscando em Jerusalém
o novo Rei dos judeus.

Dizem sábios no Sinédrio
que havia em Jerusalém
ter de nacer o Messias
da vilota de Belém.

Arde no peito dos magos
um entuisiasmo intenso
indo adorar o Menino,
dando-lhe oiro, mirra e incenso.

(No livro - A Bíblia em verso - Uma obra do pastor Eduardo Henriques Moreira)

Querendo - o Deus, continua na próxima semana

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

O poema que ontem me dedicaram - Perder e Ganhar



PERDER E GANHAR

Não percas esse brilho em teu olhar.
Essa fonte de luz, de claridade
Que os outros é capaz de encantar
E atrair com elos de amizade.

Nãp percas esse teu sorriso lindo
Que, de menina, sempre conheci,
Que distribui contentamento infindo
E nos faz sentir bem ao pé de ti!

Não percas essa tua simpatia
Que dá força, coragem  alegria,
E doce bem-estar a outros traz...

Não percas de Jesus os Seus ensinos
Que a Deus levam adultos e meninos
E segurança eterna ganharás!


(Autora: Graciete Pio - minha companheira dos Bancos da Igreja,  de menina)

Dedicada a mim, por a querida irmã - Maria do Carmo Silvestre,  na  "minha" Igreja,  pela celebração dos meus 76 anos

Gostei muito!
OBRIGADA
  

domingo, 4 de dezembro de 2016

Porque hoje é Domingo (417)


«No princípio criou Deus os céus e a terra.

E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.
E Deus os abençoou, e disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra, e sujeitai-a;  e dominai sobre os peixes do mar e sobre as aves do céu, e sobre todo o animal que se move sobre a terra.

E disse Deus: Eis que vos tenho dado toda a erva que dê semente  que está sobre a face de toda a terra; e toda a árvore,  em que há  fruto que dê semente, ser - vos - à para mantimento. E a todo o animal da terra, e a toda a ave dos céus, e a todo o reptil da terra, em que há alma vivente, toda aerva verde será para mantimento; e assim foi. E viu Deus  tudo quanto tinha feito, e eis que era muito bom; e foi a tarde e a manhã do dia primeiro.»

    (Na Bíblia Sagrada - livro de Génesis cap.1: 1, 27 a 31)

sábado, 3 de dezembro de 2016

EBENEZER - Até aqui me ajudou o Senhor

O Arco - íris visitou-me anteontem. Ficou viradinho para mim, diante desta minha janela.   
EBENEZER

 - Até aqui me ajudou o Senhor - 

Já vai longo o meu caminho.
Já  vou cá  diante, na curva da vida.
Não me sinto cansada, nem me falta "a energia" para continuar. 
Quanto mais vivo, mais gosto de viver.
Consoante os cabelos  embranquecem,  e as marcas do tempo vão surgindo no rosto...
parece que "mais apetitosa" é a caminhada.
Completaram-se ontem - 2 de Dezembro -  76 anos, sobre a minha chegada à  vida.
Olho para o caminho percorrido e  parece-me um sonho.
Reflicto sobre a riqueza e os tesouros preciosos que possuo e,
espanto-me como os fui conquistando, como os fui  granjeando, passo a passo,
dia -a - dia, prosseguindo, não perdendo tempo a olhar para trás.

E dou por mim a pensar:

Meu Deus!
Quanta coisa fiz...
Com quanta alegria e entusiasmo!
Dando-me inteira, o melhor de mim, aos outros.
Sem cansaço nem fadiga, sem indecisões ou paragens...
Sempre em frente!

E agora, que já vou cá adiante, e muitas coisas mudaram consoante o tempo passa por nós... e a vida tem as suas fases, naturalmente, como dizia a minha saudosa mãe: "Tudo tem o seu tempo",
me espanta, e me  interrogo, como tudo isso fluiu, como todo se encadeou e sucedeu, duma forma tão natural e tão espontânea.

Ah! é que eu tenho um segredo, uma explicação:

Sei que desde o primeiro momento,  do inicio da minha já longa vida, o Deus - Criador está comigo. Nascendo eu, de dois crentes fiéis, que tinham o Senhor como seu guia e Salvador, sei que  me  entregaram aos cuidados ternos e amorosos do Pai. Sei que acompanharam o meu desenvolvimento, em oração.
Sei também, que enquanto viveram, não passou  um só dia sem que me colocassem nos braços e aos cuidados do Senhor.
Sou levada a pensar, que ainda hoje, lá no céu onde habitam,  intercedem por mim.

 Ensinaram-me a conhecer e a amar a Deus.
Todos os dias, a Palavra Sagrada de Deus, era lida e explicada pelo pai ou pela mãe, nos cultos domésticos. Louvávamos o Senhor cantando lindos e inesquecíveis hinos do Cantor Cristão. Ainda hoje os sei de memória.

Daí, de tudo que atrás fica, bem cedo, conheci  Deus e aprendi a amá-lo, a segui-lo e a servi-lo.
Foi  a herança maior que os meus queridos pais me deixaram.
Para eles, assim como para mim, Deus é a melhor porção da nossa vida.
Como é bom caminhar de mão dada com ele!
Como é bom ter a certeza que ele nos ama, nos quer muito bem, nos encoraja, nos anima, nos alegra e nos faz verdadeiramente felizes!

Daí, a minha alegria e gosto de viver.

Como os meus pais fizeram comigo e com os meus irmãos, eu procurei fazer com os filhos e netos com que o Senhor enriqueceu a minha vida. 
Todos eles, conhecem e amam a Deus e   vão no caminho certo.

Então, eu digo , com a alma profundamente agradecida:

EBENEZER!

ATÉ AQUI ME AJUDOU O SENHOR!

SOLI DEO GLORI