sexta-feira, 8 de junho de 2012

Um poema de José Luis Peixoto

                                            Fonte da imagem: http://comunidade.sol.pt


 NA HORA DE PÔR A MESA ÉRAMOS CINCO
 
 
“na hora de pôr a mesa, éramos cinco:
o meu pai, a minha mãe, as minhas irmãs
e eu. depois, a minha irmã mais velha
casou-se. depois, a minha irmã mais nova
casou-se. depois, o meu pai morreu. hoje,
na hora de pôr a mesa, somos cinco,
menos a minha irmã mais velha que está
na casa dela, menos a minha irmã mais
nova que está na casa dela, menos o meu
pai, menos a minha mãe viúva. cada um
deles é um lugar vazio nesta mesa onde
como sozinho. mas irão estar sempre aqui.
na hora de pôr a mesa, seremos sempre cinco.
enquanto um de nós estiver vivo, seremos
sempre cinco.
 
(José Luis Peixoto)


t

4 comentários:

esperança disse...

Tem um bom dia, minha irmã muito querida.
Não poço comentar este poema, porque o que escreveu o poeta, é o que me vai na alma todos os dias da minha vida, só que em vez de cinco, somos seis, já faltam dois, mas estão sempre presentes.
Que tu minha irmã, que todos nós desfrutemos este dia, com alegria imensa!!!... de ainda o poder desfrutar.

dilita disse...

Querida Viviana

Este poema é lindo e triste,e em poucas palavras mostra-nos que geralmente a certa altura da vida ficamos sós. Estarão sempre connosco, mas o vazio é constante e faz doer.
Mas é a vida com nascer e morrer, comum a todos nós mortais, falta habituarmo-nos, pois nem todos conseguem.Como o meu marido repete muitas vezes "isto está bem feito!"
Beijinhos.
Dilita.

manuel marques disse...

Um poema lindo.

Beijo e bom fim de semana.

Maria disse...

Muito lindo! Já conhecia o poema e é sempre um prazer relê-lo.
O bom da ideia é que aqueles que amamos, mesmo longe, estão sempre connosco.
Bom fim-de-semana.