segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

JESUS - DEUS ENTRE NÓS


Encontrei  este  importante texto, no Blogue da Igreja Evangélica Baptista de Sete Rios - em Lisboa:
http://ieb-7rios.blogspot.pt/ - e achei-o muito oportuno para o tempo que estamos a viver. Daí, decidi trazê-lo,  a fim de partilhá-lo aqui, com os amigos.

E O VERBO SE FEZ CARNE, E HABITOU ENTRE NÓS, E VIMOS A SUA GLÓRIA , COMO A GLÓRIA  DO UNIGÉNITO DO PAI; CHEIO DE GRAÇA E DE VERDADE. ( EV. de S. João cap. 1:!4)

O Deus da Bíblia é o Deus que se revela, que se dá a conhecer às suas criaturas. Este facto é consistente com o ensino das Escrituras 
que afirma que Deus não pode ser conhecido com exatidão.
A mente humana é limitada; o entendimento humano está circunscrito àquilo que funciona dentro da realidade do espaço e do tempo. Tudo o que vá além desta realidade coloca sérias dificuldades de compreensão em relação ao mundo que nos rodeia.
Afortunadamente, o Criador do universo, o Deus de Abraão, de Isaque, de Jacó e de todos quantos depositam fé Nele, diga-se, confiança na pessoa e na obra realizada pelo Senhor Jesus, na cruz do Calvário, é um Deus que tem prazer em dar-se a conhecer às suas criaturas.
Na própria criação, Ele deixou marcas relevantes da sua existência e do seu poder criador. Como diz o salmista “os céus manifestam a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos” (Salmo 19:1); Paulo acrescenta que, apesar do aparente silêncio de Deus, a verdade é que Ele “não se deixou a si mesmo sem testemunho...” (Atos 14:17a). Diz ainda Paulo: “o que de Deus se pode conhecer, neles se manifesta, porque Deus lho manifestou. Porque as suas coisas visíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder, como a sua divindade, se entendem, e claramente se vêem, pelas coisas que foram criadas, para que eles fiquem inescusáveis” (Romanos 1:19,20).
O autor aos Hebreus afirma que “havendo Deus antigamente falado muitas vezes e de muitas maneiras aos pais, pelos profetas, a nós, nestes últimos dias, pelo Filho…” (Hebreus 1:1). 
Todas estas afirmações nos asseguram que Deus sempre se propôs revelar a sua pessoa e o seu poder por meio das suas obras maravilhosas.
Ao afirmar “a nós, falou-nos, neste últimos dias, pelo Filho”, ou melhor, “no Filho”, o autor aos Hebreus introduz o tema da “encarnação” do Filho de Deus.
João começa a narrativa do seu evangelho mostrando-nos a verdadeira natureza do Verbo de Deus. Ele “estava com Deus” e “era Deus” (João 1:1). Esse mesmo Verbo estava, também, no mundo (João 1: 10). Como foi isso  possível, João responde-nos com o versículo 14, numa afirmação enigmática e singular, que “o Verbo se fez carne, e habitou entre nós”.
Dirá A. D. Carson “como homem, a auto-expressão encarnada de Deus tornou Deus conhecido”.
Em Jesus, Deus deu-se a conhecer de um modo singular e sem paralelo ao longo da história. Quer dizer que o Senhor Jesus apareceu no mundo como a revelação mais perfeita da pessoa e do caráter do próprio Deus. Em Jesus, Deus revelou o seu ser de forma mais exaltada e definitiva, mais sublime. Deste modo, Jesus tornou visível o Deus invisível.
O verbo usado por João (no v. 18) significa “contar uma história” ou “fazer uma narrativa” (como em Lucas 24:35; Atos 10:8; 15:12,14). Neste sentido, podemos dizer que a encarnação do Senhor Jesus é aquele que “conta a verdadeira história de Deus”.
João acrescenta que o Verbo “habitou entre nós”, quer dizer, “fez a sua habitação no nosso meio” ou, melhor ainda, “montou a sua tenda” no meio de nós (do greg. skenôo, do termo skene que significa tenda. 
Na qualidade de testemunha fidedigna, João destaca o efeito desta cândida revelação quando afirma que, com a encarnação, e talvez com a transfiguração, ele (e os seus companheiros) viu a sua glória, o seu esplendor, o seu brilho, o seu peso divino. E essa glória era (e é) cheia de graça e de verdade, ou seja, de graciosidade que se revela pela verdade.
Assim como “a tenda de encontro” era o lugar onde o Senhor “falava com Moisés face a face, como quem fala com seu amigo” (Êxodo 33:1), assim também Jesus fez-se o ponto de encontro entre Deus e o homem, como aquele que confirma a promessa (e o desejo) de Deus de habitar no meio do seu povo (Ezequiel 37:27,28; Joel 3:17; Zacarias 2:10,14).
A verdade bíblica de que o Filho de Deus tenha deixado as suas mansões celestes, tornando-se “sem reputação” e não tirando vantagem daquilo que era, tendo tomado a forma de servo, para morrer numa  cruz, deve comover os nossos corações quando comemoramos o “natal” (Filipenses 2:5-8).
Só um amor tão grande faria com que o maravilhoso Conselheiro, o Deus forte, o Pai da eternidade e o Príncipe da paz viesse a este mundo, e habitasse entre nós, num ambiente de real convívio, fazendo-se semelhante a nós.
O nosso Deus é, de facto, maravilhoso. A Sua graça é incompreensivelmente maravilhosa. O seu nome é Emanuel; o Deus que monta o seu tabernáculo no meio de nós e se acampa connosco. Louvemos o seu Santo e bendito Nome! 
Soli Deo Gloria! 

Pr. Samuel Quimputo

domingo, 28 de dezembro de 2014

Porque hoje é Domingo - (323)


O verbo se fez carne

No princípio era  o Verbo, (Palavra) e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.
Ele estava no princípio com Deus.
Todas as coisas foram feitas por ele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez.
Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens;
E a  luz resplandece nas trevas, e as  trevas não a compreenderam.
Houve um homem, enviado  de Deus, cujo nome era João.
Este veio para testemunho, para que testificasse da luz.
Ali estava a luz verdadeira, que alumia a todo o homem que vem ao mundo.
Estava no mundo, e o mundo foi feito por ele, e o mundo não o conheceu.
Veio para o que era seu, e os seus não o receberam.
Mas a todos  quantos o receberam, deu-lhes poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome.
Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus.
E o Verbo  se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigénito do Pai, cheio de graça e  de verdade.

 ( Ev. de S.João cap. 1:1 a 14)

sábado, 27 de dezembro de 2014

O único meio de enriquecermos - George Howes

Fonte da imagem: http://www.rudecruz.com/

O único meio de enriquecermos

Tendo já passado da morte para a vida, vivendo na vida de Cristo, tendo recebido do  Seu Espírito somos deveras ricos, - ricos pelo conhecimento de Deus, pelas bênçãos espirituais e pela  esperança da glória; e temos  a palavra animadora: "O meu Deus, suprirá todas as vossas  neceissidades segundo as  Suas riquezas na glória em Cristo Jesus" (Ep. aos Fil. 4:19)...
  ...Tudo, pois  que necessitamos, quer  de bênção espiritual ou material, de forças espirituais ou físicas, tudo que é para o  nosso bem temo-lo em Cristo que outrora Se fez pobre e morreu por nós sobre a Cruz para que nós, assim,  enriquecessemos  n ´Ele. Bem  podemos lembrar aqui as palavras preciosas: " Aquele que nem mesmo a Seu  próprio Filho poupou, antes O entregou  por todos nós como nos não dará com Ele todas as coisas?"
  Como é triste que  tendo tão grandes bênçãos, tão altos privilégios, tão ricos recursos, e com  o Senhor pronto a encher-nos da  Sua própria plenitude, usamos tão pouco essa riqueza, e negligenciamos tanto as glórias de uma tão grande salvação! Quão poucos vivem no pleno bem das suas riquezas em Cristo! Bem podemos orar para que sejamos cheios do conhecimento da vontade do Senhor a nosso respeito, em toda a sabedoria e inteligência espiritual, para que desfrutemos na vida diária o bem dessas riquezas imensas que temos  n´Ele.

(George Howes - no livrinho Suas Riquezas nossas Riquezas - 1923)
 

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Oferenda da pastora ao Rei - um poema de Carlos Amaro


  Fonte da imagem:http://onovoblogdosforninhenses.blogspot.pt/
Oferenda da pastora ao Rei

Venho de além
De longas terras,
Por vosso bem;
Das altas serras,
Onde o meu gado
Tenho guardado
Mai-la nh´a mãe.

Cimos nevados,
Alumiados,
São lá nos céus
Tronos doirados,
Onde está Deus,
E virgens, anjos
Brancos arcanjos
São assentados.

E olham por mim
E olham por vós;
Com eles vim...
Viemos nós,
Cão e cajado,
Anho adorado,
Branco jasmim.

Estes bolinhos
Vimos trazer,
E estes queijinhos,
Por mais não ter:
Queijos d ´ovelhas,
Mel das abelhas,
 - Pois que há-de ser?

Bilha de leite,
Outra de azeite,
Estas amoras
Para as Senhoras
E um requeijão;
Manteiga fresquinha,
Uma galinha...
E o meu coração

(Carlos Amaro)

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Celebremos com alegria e gratidão o Natal de Cristo

Fonte da imagem: http://abrigodossabios-paulo.blogspot.pt/
"Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; e o principado está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso, Conselheiro, Deus forte, Pai da eternidade, Príncipe da paz."
   (Livro do profeta Isaías 9:6)

"Porque Deus amou o mundo, de tal maneira,  que deu o seu Filho unigénito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida Eterna.
   (Ev. de S. João 3:16)

Amigos

Podemos e devemos, alegrar-nos com as nossas famílias, saborear os pratos tradicionais deste dia, trocar prendas uns com os outros,  porém, se o Menino - Cristo não estiver no centro dos festejos e se não morar nos nossos corações, se Ele não for para nós  o nosso Salvador e Senhor (motivo porque veio) , então,  não estaremos celebrando o Natal, mas sim outra festa qualquer.

Ah! como  eu desejo que todos os amigos que por aqui passarem, celebrem com alegria e gratidão o verdadeiro e santo Natal de Cristo.

 O meu abraço fraterno  para cada um de vós

domingo, 21 de dezembro de 2014

Último Presente de Natal que a querida Mimi nos deixou

A doce Mimi

A querida Mimi - Maria Emília dos Santos Rodrigues -  minha  amiga , há 49 anos, e minha irmã em Cristo muito amada, foi chamada  por Deus ontem á tarde, para ir viver no Céu, daqui em diante.

Deixou-nos um presente de Natal no seu blogue -http://maria-elevive.blogspot.pt/-  que publico aqui neste humilde espaço,para que todos os amigos que por aqui passarem, tenham a bênção de dele usufruir.



DOMINGO, 14 DE DEZEMBRO DE 2014

Belém


Vem do Hebraico Beit Lahm e quer dizer “Casa do Pão”.


Este foi o nome de uma das mais antigas e pequenas cidades da Palestina.
 
Belém é citada na Bíblia, desde o livro de Gênesis (então chamada Efrata que significa “Terra Frutífera”), passando por Josué, Juízes, Rute, Samuel, Jó e Miquéias, até Mateus e Lucas.
Nela, Davi foi escolhido por Deus e ungido rei; Rute teve o seu lar; Raquel foi sepultada; Isaías nasceu; e, gerações depois, Maria deu à luz Jesus (Miquéias 5:2; Mateus 2:1; Lucas 2:4). 

 
Voltemos ao significado: “Belém” - palavra que vem do Hebraico Beit Lahm e quer dizer “Casa do Pão”.
Bem apropriado Jesus ter nascido em Belém, não? Lembram-se que Ele ficou conhecido como “Pão da Vida”?
 
“E Jesus lhes disse: Eu sou o pão da vida; aquele que vem a mim não terá fome.” – João 6:35a
 
Aproveitando esta época em que celebramos o nascimento do Salvador, vamos até Ele, cientes de receber a satisfação espiritual completa.
 
Feliz Natal!

DOMINGO, 7 DE DEZEMBRO DE 2014

É por Mim...

Natal… eu gosto e pronto, gosto mesmo!
Em primeiro lugar, gosto por mim própria. Pois, quem seria eu (e cada um de vocês) se Cristo não tivesse nascido? Como poderia Ele morrer pelos meus (nossos) pecados?
É por mim, porque Ele me amou de forma singular e me resgatou da perdição que eu amo tanto o Natal e festejo alegremente o nascimento de Cristo.
 
 
“Mas Ele foi ferido por causa das nossas transgressões e moído por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre Ele e pelas suas pisaduras fomos sarados.” Isaías 53:5
 
Então, toda a minha gratidão a Deus por esta quadra e muita, muita, festa. Quero gozar de tudo a que tenho direito, partilhar a emoção espiritual aos outros e com outros, desejar que o amor e a paz não sejam meros rótulos ou chavões e lembrar-me de:
 
ü  Não profanar as celebrações;
ü  Presentear, sem transformar a época num mercado de interesses;
ü  Comer aquelas coisinhas gostosas, sem estragar ou cair no exagero;
ü  Acender velas, como símbolo de vida;
ü  Imaginar o toque dos sinos em exaltação;
ü  Cantar louvores
ü  Interceder pelos desfavorecidos e ser solidária;
ü  Falar a almas sem Deus sobre a salvação;
ü  E, claro está, ter Cristo presente na festa.
 
Para vocês, feliz Natal! Que possam ter a alegria de o viver em plenitude e receber bênçãos transbordantes de fé, perseverança, esperança, amor e paz.


sábado, 20 de dezembro de 2014

De um irmão que ficou, para um irmão que partiu para a Eternidade

Fonte da imagem: http://pelos-caminhos-de-deus.blogspot.pt/
ESCRITO E FALADO NAQUELE DIA
   (sem interesse)

A NÃO SER PARA ALGUNS

"O meu irmão Daniel partiu.
É uma  das realidades da vida não surpresa

Estamos perante uma situação não descartável.

A vida é só o que pode ser, embora lhe possamos e devamos dar uma ajuda.

O Daniel foi o meu primeiro companheiro, talvez o meu primeiro écran de televisão, o meu  primeiro desenho animado que eu olharia curioso.

Quando cheguei, ele  tinha quase dois anos. Certamente teria achado alguma estranheza quando eu chorava ( não tenho a certeza se eu chorava) ...e depois quando eu tentei e consegui tocar-lhe a cara deve  ter achado alguma graça, sorrindo, e dito coisas divertidas que eu não lembro. É obrigatório.

Tivemos uma aprendizagem conjunta do que era gostar de gente. Do sentimento de gostar, eu com meses, ele com pouco mais de 2 anos. Connosco divertiam-se os pais  e a mana Lídia.

Ele era meu gémeo ( apesar de 2 anos de diferença), à moda dos gémeos mais gémeos, que quando dói a um dói ao outro, quando se alegra um se alegra o outro, mesmo à distância e sem falarmos.
Tínha-mos "chips" telepáticos.

Quando se atingem os oitenta e dois no caso dele, e se passou por todos os títulos duma família, alegre e conscientemente: filho, irmão, sobrinho, primo, neto,  namorado, marido, genro, pai, tio, sogro, tio - avô,  e avô, quase  não há direito moral, ético,  e até estético, sobre o percurso de vida de alguém, de existirem queixas, lamentos, mesmo na ida embora para outro patamar.

Amou e foi amado dum modo intenso, distribuindo e recebendo amores e humores, embrulhados em sorrisos".

Nota:

Escreveu Tito Machado  para o seu irmão  Pastor Daniel Machado, no dia em que  este  bom homem de Deus, partiu para a Eternidade.
Publico com  permissão.

Há uma segunda parte que, publicarei, querendo Deus, num outro dia,

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Pinhal do Rei - um poema de Afonso Lopes Vieira

Pinhal de Leiria. Foto tirada na zona de Vieira de Leiria pelo fotógrafo - Carlos Pedrosa


PINHAL DO REI

Catedral verde e sussurrante, aonde
a luz se ameiga e se esconde
e onde ecoando a cantar
se alonga e se prolonga a longa voz do mar,
ditoso o Lavrador que a seu contento
por suas mãos semeou este jardim;

ditoso o Poeta que lançou ao vento
esta canção sem fim...

Ai flores, ai flores do Pinhal louvado,
que vedes no mar?
Ai flores, ai flores do Pinhal louvado,
são as caravelas, teu corpo cortado,
é lo verde pino no mar a boiar,

Pinhal de heróicas árvores tão belas
foi teu corpo e da tua alma também
que nasceram as nossas caravelas
ansiosas de todo o Além;
foste tu  que lhes deste a tua carne em flor
e sobre os mares andaste  navegando,
rodeando a Terra e olhando os novos  astros,
oh gótico Pinhal navegando,
em naus erguida levando
tua alma em flor na ponta  alta dos mastros!...

Ai flores, ai flores do Pinhal florido,
que vedes no mar?
Ai flores, ai flores do Pinhal  florido,
que grande saudade, que longo gemido
ondeia nos ramos, suspira no ar.

Afonso Lopes Vieira

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Os Cactos - Rosa que chegaram pelo correio

Num embrulho muito bem feitínho, estes dois cactos - rosa,  viajaram da Figueira da Foz a Mira-Sintra. pelo correio.

Certamente os amigos farão a pergunta:
E quem se lembraria de tal?

Pois bem, eu digo-vos: Foi a minha boa e simpática amiga Dilita, do blogue Rendas de Birras  - (- http://rendadebirras.blogspot.pt/)

Num saquinho de plástico, ainda com alguma terra nas raízes, acomodados com um pedacinho de papel, para não se magoarem, chegaram assim, fresquinhos, como se tivessem sido acabados de apanhar.
Mas porquê? Porque é que a Dilita os enviou?
Eu explico:

A semana passada, ela publicou no seu blogue uma foto de um cato - rosa , igual a estes, que ela tinha colhido num pequeno canteiro que encontrou casualmente. Eu, visitei o seu blogue e "dei de caras"...com uma plantinha que eu conheço muito bem, pois a minha mãe, há muitos anos,  plantou no jardim da casa da aldeia, um  "pézinho" que alguém lhe ofereceu. Desenvolveu-se, criou "muitos filhotes" que acabaram formando uma grande moita. Quando a mãe partiu para a eternidade e a casa ficou mais sózinha, a planta começou a desaparecer, a desaparecer, até que a levaram toda. Entretanto comecei a ver  essas plantinhas nos jardins da vizinhança.

Deixei um comentário acerca deste acontecimento no blogue da Dilita, e ela,  daí a uns dias, através de um e-mail perguntou se eu não me importava de lhe enviar o meu endereço, coisa que fiz com muito gosto.

 Hoje, estávamos os quatro a almoçar,  eu, o Jorge, o Zé e Sara e chegou o correio. O Jorge que o recebeu,  trazendo na mão um enbrulho, disse-me: "É para ti, e a  remetente é um pessoa chamada Adília,  e vem da Figueira da Foz. Aí, eu caí em mim e lembrei-me do pedido do endereço. Claro que estava curiosíssima em saber o que vinha dentro. Tirei o papel do embrulho e reparei que dentro estava um embalagem  aonde eu li:  "O  Calcio é necessário para a manutenção  dos ossos normais". Aí, pensei: Não me digam que a Dilita me está a mandar cálcio para os meus "problemas de andar", que ela conhece. Emocionei-me, até, um pouco. Só quando. ao abrir a embalagem ( que era de leite mimosa) que vinha fechada com muita fita adesiva bem forte. é que reparei que havia  uns papelinhos amachucados, como que, a proteger algo. Eis senão, quando,  me chega ao nariz  o cheiro a terra - que eu conheço muito bem. Comecei a tirar o que estava dentro com muito jeitinho e,  surgem então os cactos - rosa, muito bem embrulhadinhos e fresquinhos , parecendo terem sido acabados de apanhar. Senti um nó na garganta! Comovi-me! Então a minha amiga Dilita tinha-se dado ao trabalho de ir colher os cactos - rosa, preparar com tanto cuidado a embalagem e, ir despachá-la ao correio!?

Pensei, e disse para os meus:

É preciso ser muito amiga para fazer isto!

Amiga Dilita

Muito obrigada!
Irei plantá-los no local de onde levaram os outros, e cuidar muito bem deles. E é  claro  que cada vez que cuidar deles ou para eles olhar...lembrar-me-ei da gentil e simpática Dilita.
Se a minha mãe, lá do céu, vir...acho que se alegrará por haver novamente Cactos - Rosa no seu jardim.


segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Obrigada por as Orações a favor do Fernando Cabi.

Fonte da imagem:www.imagenporfavor.com. 
Agradeço, de todo o coração, as vossas preces a favor do Irmão Fernando Cabi.
Pela misericórdia e bondade do Senhor, ele encontra-se melhor,  no entanto, o seu estado de saúde  ainda é considerado muito grave. Sofreu uma intoxicação por Monóxido de Carbono e ficou entre a vida e a morte. Um sinal de que se encontra melhor é que hoje mesmo foi transferido para um outro Hospital, mais perto da sua residência. 
Peço, que por favor continuem a orar com muita fé, e muito amor cristão, para que  o querido Fernando possa recuperar  a sua saúde logo que possível.

Irei dando notícias.
Obrigada, muito obrigada.
Que o bom Deus vos recompense e abençoe.

domingo, 14 de dezembro de 2014

Porque hoje é Domingo (322)


Justificados, pois, pela fé, temos paz  com Deus, por meio de nosso Senhor Jesus Cristo.  
por quem obtivemos também nosso acesso pela fé a esta graça, na qual estamos firmes, e gloriemo-nos na esperança da glória de Deus.   
E não somente isso, mas também gloriemo-nos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a perseverança,   
e a perseverança a experiência, e a experiência a esperança;   
e a esperança não desaponta, porquanto o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado.   
Pois, quando ainda éramos fracos, Cristo morreu a seu tempo pelos ímpios.   
Porque dificilmente haverá quem morra por um justo; pois poderá ser que pelo homem bondoso alguém ouse morrer.   
Mas Deus dá prova do seu amor para conosco, em que, quando éramos ainda pecadores, Cristo morreu por nós.   
Logo muito mais, sendo agora justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira.   
Porque se nós, quando éramos inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida.   
E não somente isso, mas também nos gloriamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, pelo qual agora temos recebido a reconciliação.
 ( Ep. de S. Paulo aos Romanos cap.5:1 a 11)

sábado, 13 de dezembro de 2014

O AMOR MAIOR - O AMOR DE DEUS POR MIM!


"Obrigada, Pai! Obrigada porque quando estou atravessando o vale da sombra da morte, Tu não me abandonas... estás ali do meu lado cuidando de cada pedacinho do meu coração. Quando minhas pernas já não suportam mais sustentar o meu corpo cansado... Tu me carregas em Teus braços sussurrando em meu ouvido: 'Filha não temas, não desfaleças, pois estou aqui contigo! Eu te amo como ninguém jamais amou! Confie em Mim! Lá adiante, tenho preparado coisas boas para ti.' E é, então, que me torno forte, corajosa e capaz de enfrentar as batalhas ou guerras que se apresentarem diante de mim."

(No blogue - http://solascriptura-tt.org/)


quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Poema do mar e da serra - Branquinho da Fonseca

Mar da Ericeira
















Poema do mar e da serra

Ó mar de que não sei nada
nem vejo que desvendar,
és só a mais larga estrada
para ir e  voltar

Eu sou lá dos montes
que medem o céu,
sou das frias serras onde primeiro o sol nasceu
e onde os rios ainda são apenas fontes.

Contigo, falo ó mar,
se a lua vem do céu passear no mundo,
tornando-te  a planície do luar
sem ecos, nem mistérios de profundo.

Mas só lá sou da terra e a terra é minha,,
só lá  eu sou do céu e o céu para mim,
ó serra aonde  há   tal serenidade
que nada tem começo
nem fim.

  (Branquinho da Fonseca)

Serra do Buçaco

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Faz hoje cento e três anos que nasceu a minha doce Mãe

Assim era a minha Mãe

10  - 12 - 1911 - 10 - 12- 2014 = 103 anos

Filha mais velha  de Alvar Ocean Bengelsdorff (Finlandês) e de Olga Schwartz (Alemã)

Nasceu em Bompland - Missiones - Argentina
Casou com um português  do Minho - José Baltazar Regueiras - emigrado-  do qual teve cinco filhos, a saber: Olga  - que  voltou para Deus , pequenina - bébé.
Esperança (a maninha), Viviana, João Serafim e Teresa Néli.
Tem sete netos e dez bisnetos.

A minha Mãe, foi uma mulher extraordinária! Uma lutadora!
Enfrentou lutas, contrariedades, dificuldades,  trabalhos, separação dos seus pais e irmãos (a quem nunca mais viu)  por um Oceano Atlântico .
Crente fiel, amava e reverenciava o Deus - Eterno.
Nas suas casas (teve várias) sempre se pregou o Evangelho de Cristo. Primeiro  juntamente com o meu Pai e depois dele partir para a morada Eterna, ela sòzinha. Faziam-se Cultos, dirigidos por pastores e missionários convidados. Convidavam-se os vizinhos e a sala ficava cheia.
Na última casa - a casa da aldeia - também se promoviam reuniões evangelísticas para crianças. 
Eram dirigidas pelo querido irmão Pastor Jorge Ligeiro,  então, jovem,  e hoje, pastor da Igreja Baptista de Tomar. Nesta última casa, as pessoas interessadas eram tantas, que já não cabiam na sala.  Alugou-se uma casa  e foi então  organizada a Missão Baptista de Maceira - Pero - Pinheiro.
A mãe continuou a testificar do amor de Cristo.
Passava muito tempo, sózinha - o Pai partiu cedo  - 1975 - e ela tinha uma Bíblia e um Hinário sempre junto de si, e qualquer vizinho ou visita que chegasse, não saía sem tomar um cházinho, comer um biscoito, ouvir uma leitura Bíblica e participar de uma oração.
Era assim, a minha Mãe.
Há doze anos, com noventa e um anos de vida, na posse de todas as suas faculdades mentais (lembrava-se de tudo . datas de nascimento dos familiares  da Argentina, etc.) deixou-nos.
Descansa agora no céu, sua morada eterna, onde um dia nos iremos encontrar. É uma questão de tempo.
Os quatro filhos, os sete netos e os dez bisnetos, seguem todos  o caminho que a avó Nena e o avô  Regueiras  nos  desafiaram a seguir: O caminho  do Evangelho de Cristo.

Neste dia, que faz cento e três anos que a minha doce mãe nasceu, há no meu coração uma enorme, enorme GRATIDÃO!
Não há dia nenhum em que nas minhas  orações eu não agradeça ao Deus de Amor e Bondade, pelo Pai e pela Mãe que ele preparou para mim.
O Pai e a Mãe, só não estão comigo fisicamente, porquanto o seu espírito  está permanentemente comigo.
Obrigada  Senhor Muito Obrigada!
Por o Pai e a Mãe que me deste.

Eles ajudaram-me a ser muito feliz!

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Uma carta escrita pelo Pastor João Rosa de Oliveira, para ser lida no seu funeral


Muito estimados irmãos e queridos amigos:

Ao escrever-vos estas palavras, eu ainda não estou no Céu. Como gostaria de me dirigir a vós, de lá, mas isso não não vai ser possível, como disse Jesus: "Os mortos não se comunicam mais com os vivos",
Lucas16:26.
Tive muita alegria em viver todos os meus anos na terra, mas também sempre esperava  pela certeza de vir para o Céu...
...Não sei como será o nosso encontro no Céu, mas uma certeza tenho. É que estaremos todos na presença de Deus, pela obra que Ele fez por  nosso Senhor e Salvador  Jesus Cristo, e que nós aceitámos como única possibilidade de perdão, justificação e salvação.
...Muito obrigado a todos...Deus será sempre misericordioso também para convosco.
Buscai-o na sua Palavra...
Guardai os seus mandamentos...
Sejam firmes e constantes, sempre abundantes no vosso envolvimento e fidelidade diante do compromisso tomado para com Ele na vossa conversão.

ESTOU MUITO FELIZ!

Louvado seja o nosso bom Deus.
João Rosa de Oliveira

(Publicada no Jornal - O Semeador Baptista)

Nota:
Assisti, comovida,  à leitura desta carta no Templo da Igreja Baptista de Queluz, no  Culto Fúnebre.
Foi  apresentada e lida pelo Samuel Machado, sobrinho do pastor João Rosa de Oliveira.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Pedido urgente de Oração - a favor do irmão Fernando Cabi

Uma vez mais, venho solicitar, aos amigos que habitualmente por aqui passam,  e que crêm no poder da Oração intercessória, o favor de interceder junto do Pai, de amor e bondade, pelo querido irmão  - o jovem Fernando Cabi, que  é membro da Igreja Evangélica Baptista das Boas- Novas, na Amadora, onde eu sou membro também.. Este jovem  encontra-se internado desde ontem à noite, na Unidade de Cuidados intensivos Cirúrgicos, no Hospital de S. Francisco Xavier  em Lisboa.
A sua situação de saúde é de grande gravidade.
O Fernando é casado com a querida Quinta Sanca, e é pai da Isabel e da Madalena.

O Senhor diz-nos para orarmos uns pelos outros.
Diz-nos também para orarmos sem cessar.
E ainda, que a oração de um justo (crente) pode muito em seus efeitos.

O Fernando e a Quinta - guineenses - são para mim como filhos e eu para eles como mãe.
Pelo que , o meu coração está "apertadinho."

Vamos todos orar com muita fé, para que o Senhor  tenha misericórdia do seu filhinho Fernando.
Obrigada, de coração 
Viviana

domingo, 7 de dezembro de 2014

Porque hoje é Domingo (321)

Para sempre , ó Senhor, a tua palavra permanece no céu.
A tua fidelidade estende-se de geração a geração; tu firmaste a terra e firme permanece.
Conforme o que ordenaste, tudo se mantém até hoje; porque todas as coisas te obedecem.
Se a   tua lei não fora toda a minha recreação, há muito que teria perecido na minha angústia.
Nunca me esquecerei dos teus preceitos; pois por eles me tens vivificado
Sou teu, salva-me; pois tenho buscado os teus preceitos.

   (Livro dos Salmos 119:89 a 94)

           Bíblia Sagrada

sábado, 6 de dezembro de 2014

O CAMPEÃO - Ao João Rosa de Oliveira -(In memorium)

O amado e querido Pastor - João Rosa de Oliveira
O CAMPEÃO

Ao João Rosa de Oliveira
(In memorium)

Quando as folhas caem neste nosso Outono
Chora a floresta, cantam os ribeiros
E o roncar da moto com dois companheiros
De Lapela a Pias leva o santo abono...

Onde foste amigo, que por meus carreiros
Já não mais te vejo em meu assento mono?
Chuvas do teu canto, são bênçãos do trono
Onde enfim chegaste p´ra além dos pinheiros...

Seguindo o teu Mestre, que é o nosso Jesus
Deixei-te em Viana, depois em Queluz
Mas bem sei que nunca, ninguém te viu só!

Campeão de Sintra e do I,P.O.
Nem as  folhas mortas, nem o próprio  pó
Calarão teu canto de alegria e Luz!...

(Silas Pego
    Poeta
Braga, 14.11.10)

Nota:

Se quiser saber mais sobre o Pastor João Rosa de Oliveira  leia aqui.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Uma Paz vestida de Branco


Uma Paz Vestida de Branco

    Nós, as crianças de todo o mundo, pedimos a quem encontrar a paz que se manifeste. Gostaríamos que ajudassem a restituir a paz ao mundo. A paz que nós queremos é uma paz vestida de branco e não uma paz fingida, que por dentro é suja e cheia de mentira e de ódio. A situação do mundo é muito má. Temos que encontrar a paz de que toda a gente fala, mas que ninguém conhece. E porquê? Não será porque vocês, homens,  não se esforçam por isso?!
    Homens, vamos todos procurar a paz  porque ela é necessária  para a construção de um mundo melhor.

    (Emi Lara, 9º - F)
No livro - Palavras de Paz
Uma experiência pedagógica pela paz
Es. Sec. de Santa Maria - Sintra - 1987

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Viajar - Um poema de Alves Redol

Fomte da imagem: www.areah.com.br

Viajar

Viajar é correr mundo,
voar mais alto que os pássaros
ou pisar o chão da Terra
ou as ondas do  Mar Alto...
É ver bichos
de muitas cores e feitios,
montanhas,
rios,
e ribeiros
e pessoas
e lugares...
Conhecer e descobrir,
inventar e duvidar,
sabendo cada vez mais,
sem nunca pensar que basta
o mundo que se conhece.
E alargá-lo com amor
dentro de nós e dos outros.

(Alves Redol)


Alguns dados sobre Alves Redol


António Alves Redol (Vila Franca de Xira - 29 de Dezembro de 1911 - Lisboa 29 de Novembro de 1969) foi um escritor  considerado como um dos  expoentes máximos do neo - realismo português.

Nota:

Na minha juventude li muitos dos seus livros.

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

O meu coração transborda de Gratidão, para com o Pai - Deus - Criador, pelos meus 74 anos!

Eis um presente lindo . recebido da querida Sandrinha - do Brasil
 Faz hoje 74 anos, que o Deus - Criador, colocou nos braços da Nena e do Chê,  meus amados e saudosos pais, uma menina, a quem deram o nome de Viviana.
Sei que, como crentes fiéis em Cristo Jesus, me entregaram aos cuidados do Senhor desde o início da minha formação,  e por mim oraram...sempre, sempre, enquanto estiveram connosco fisicamente.
Penso, que ainda hoje, quando a "Vivianinha" deles, já é avó de nove netos, eles, caso possam, ainda continuarão  a interceder por mim, lá no céu onde agora moram.
   
Muitas vezes, como aconteceu hoje de manhã cedo, na minha prece matinal, concluo que não tenho que admirar-me com tantas e tão preciosas bençãos, que desde pequenina recebo, pois  sendo Deus Fiel,  ouvindo, e respondendo ás orações, é  natural que eu tenha sido e continue sendo, tão abençoada.

Continuo a afirmar, com toda a convicção, que acho a vida uma aventura maravilhosa e, consoante o tempo passa e avança, e eu progrido na minha caminhada  - já vou lá à frente, na curva da estrada. muito longe - cada vez gosto mais de viver!

Desafio os filhos e os netos, os restantes familiares, e os amigos preciosos com que Deus me brindou, a decidirem com toda a determinação a aceitar Cristo como seu Salvador e Senhor, e a convidá-lo a vir com eles habitar, caminhando de mão dada pela estrada  da vida , sem temer mal algum, porque por experiência própria, posso afirmar que esta será a decisão mais sábia que farão na vida.

Hoje, para mim, este dia do meu 74º aniversário é, mais do que qualquer  outra coisa, um dia de Acção de Graças - ou seja, de GRATIDÃO!  De uma enorme GRATIDÃO, por o dom da vida  e por a direcção  e o  encaminhamento que o Pai de amor, a ela imprimiu.

A Ele, e para Ele, toda a Glória!
Todo o Louvor!
E toda a Adoração!

Pelos séculos dos séculos, amén

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Que lindo! Que exemplo! Enriqueceu, voltou á aldeia natal e construiu casa para todos


Xiong Shuihua nasceu numa pequena aldeia no sul da China. Hoje tem 54 anos e enriqueceu até não saber o que fazer ao dinheiro. Por isso, "voltou às raízes" e construiu casas para toda a gente.
Um multimilionário chinês regressou à aldeia onde nasceu e ofereceu casas às 72 famílias que lá moravam

A vida pode correr sempre bem. Há quem diga que é uma questão de perspetiva. Há os de sorriso seletivo, que oscilam a felicidade consoante os euros que têm, ou não, na carteira. E, depois, há quem, de repente, se veja com muito, que não saiba o que fazer a esse amontoado e que, nessa altura, decida virar-se para as raízes. Foi isso que fez Xiong Shuihua.
O próprio nome é uma pista. Xiong é chinês, nascido e criado em Xiongkeng, uma pequena aldeia perdida no sul do país. Tanto no primeiro como no mais recente dos seus 54 anos, a aldeia era sobretudo composta por casas de madeira, estradas enlameadas e pouco mais. Mas neste pouco mais de meio século de vida, aconteceu algo ao senhor Shuihua: enriqueceu. E não foi pouco.
Não se sabe bem quanto. Pelo menos o Daily Mail, que contou a história. Mas foi de tal forma suficiente, e de sobra, que levou Xiong a confessar que “fez mais dinheiro do que aquele com o qual sabia o que fazer”. Portanto, resolveu, lá está, regressar à base. “Nunca me esqueci das minhas raízes”, lembrou o cidadão chinês.
Xiong Shuihua acumulou milhões de euros com negócios na indústria da construção, antes de lucrar também com a produção e comércio de aço. E usou parte deles para regressar à sua aldeia e oferecer apartamentos às 72 famílias que lá moravam. Sem lhes pedir algo em troca.
E mais: para 18 dessas famílias, Xiong até construiu moradios de luxo. Porquê? Alegadamente, por terem sido “especialmente simpáticas” com ele ao longo dos anos. Quando, por fim, o empresário se mudou de volta para Xiongkeng, prometeu providenciar três refeições por dia às pessoas mais idosas. “Sempre paguei as minhas dívidas e queria garantir que as pessoas que ajudaram a minha família, e a mim, quando era mais novo, fossem recompensadas”, sublinhou o chinês.
(http://observador.pt/)

domingo, 30 de novembro de 2014

Porque Hoje é Domingo (320)


E David tomou o seu cajado na mão,e escolheu para si cinco seixos do ribeiro, e pô-los no alforge, de pastor que trazia, a saber, no surrão, e lançou mão da sua funda, e foi-se chegando ao filisteu.. E, olhando o filisteu, e vendo a David, o desprezou,  porquanto era mancebo,  ruivo,  e de gentil aspecto
Disse mais o filisteu a David: Sou eu algum cão, para tu vires a mim com paus? E o filisteu amaldiçoou a David, pelos seus deuses....
...David, porém  disse ao filisteu: Tu vens a mim com espada, e com lança, e com escudo; porém eu venho a ti em nome do Senhor dos Exércitos, o Deus dos Exércitos de Israel, a quem tens afrontado....
...E David meteu a mão no alforge e tomou dali uma pedra, e com a funda lhe atirou, e feriu o filisteu na testa, e a pedra se lhe encravou na testa, e caiu  sobre o seu rosto em terra.
Assim David prevaleceu contra o filisteu com uma funda e com uma pedra, e feriu o filisteu, e o matou, sem que David tivesse uma espada na mão.
 ( I Livro de Samuel 17:40, 42,43, 45, 49, e 50)

Ainda:

Da Revista  das Lições da Escola Bíblica Dominical:

"Pouco depois de ter sido designado como futuro rei de Israel, David enfrentou Golias, o gigante filisteu, num dos combates mais difíceis da sua vida.Contra todas as expectativas, David derrubou Golias. O Deus de David é o nosso Deus. Por isso, também nós podemos vencer os adversários que nos assaltam no caminho, por  maiores que eles pareçam. Podem ser pessoas, que querem fazer-nos mal ou afastar-nos do bom caminho; podem ser problemas como a falta de saúde, as dificuldades económicas ou o desemprego; podem ser tentações persistentes. Quantas vezes olhamos para as adversidades que temos pela frente e elas nos  parecem intransponíveis? A atitude do jovem David perante o gigante Golias permitiu transformar uma quase certa derrota numa grande vitória.

   (Pedro David Regueiras Leal -  na Revista da E.B.D.
da Associação de Igrejas Baptistas Portuguesas - 30 de Novembro de 2014

sábado, 29 de novembro de 2014

VALORES - Precisam-se, em Portugal


"O importante da educação não é o conhecimento dos factos, mas dos valores". 
( Dean William )

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Que tal Colaborarmos com Deus no Cuidado ás "Aves do Céu"?

"Olhai para as aves do céu, que não semeiam, nem ceifam, nem ajuntam em celeiros, e vosso Pai celestial as alimenta". (Ev. de S. Mateus 6:26)

Sim, sem dúvida, Ele as alimenta.
Não tenho conhecimento de alguma ter morrido de fome,  no entanto, tenho uma sugestão a fazer:

Como, com a chegada do Outono,  que trouxe condições atmosféricas adversas, basta ter presente o dia de ontem na região de Lisboa (e não só) todas as sementinhas, frutos e bagas do campo, desapareceram, voltando, em princípio,  só na Primavera e Verão. Isto, para dizer que as avezinhas têm agora muito menos  hipóteses de encontrar alimento por aí.
Aqui, entramos nós, os humanos, pois podemos de uma forma bastante simples e barata, ajudá-los na sua alimentação. O que vos vou sugerir, eu faço-o o ano inteiro, mas empenho-me mais no Outono e Inverno. É o seguinte: Aproveito, e guardo, num saquinho de plástico, todas as migalhinhas que ficam no cesto do pão ou em cima da mesa das refeições. Se sobrar pão, o que eu evito a todo o custo, para não o desperdiçar, junto-o ás migalhinhas no saco, e quando saio por aí, quer seja aqui em Mira-Sintra ou na aldeia de Maceira, procuro um lugar apropriado e ofereço "o petisco ás aves do céu".
Ah!  mas nós sentimo-nos muito bem quando fazemos isso!

Ainda sugiro outra coisa:

Porque não falar com os nossos vizinhos do prédio, a fim de connosco colaborarem e, escolher um dos vizinhos para recolher por os andares as migalhinhas e ele próprio as ir oferecer aos passarinhos!?
Pode ser que haja um que esteja mais disponível ou que gosta mais de fazê-lo.

Amigos
A sugestão aqui fica.  A decisão de a aceitar ou não, é vossa.
Eu alegrar-me -ia muito se colaborássemos todos com Deus, no cuidado de alimentar "as aves do Céu".

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Festival da Melhor Batata Doce do mundo - a Lyra - de Aljezur - Algarve


A melhor batata doce do mundo - Lyra -  de Aljezur - Algarve
"Este evento celebra a melhor batata-doce do mundo, produto de características únicas com indicação geográfica protegida ”variedade Lyra”, genuinidade que lhe é conferida pelo trabalho árduo de todos os produtores, homens e mulheres que constituem a Associação de Produtores de Batata-doce de Aljezur.

O certame visa igualmente honrar todos os que se dedicam a esta atividade agrícola bem como todo o sector agroalimentar a ela ligado, como forma de incentivo e reconhecimento do seu trabalho.

Poderá encontrar vários restaurantes e tasquinhas onde serão servidas as receitas mais típicas e as novas propostas culinárias, sempre conjugadas com esta batata-doce de sabor único e impar.

As Doceiras de Aljezur trarão até este festival as mais requintadas tentações de bolos, pasteis, tortas e outras formas de saciar os apetites dos mais gulosos e dos mais curiosos em perceber como são únicas estas tentações feitas de forma sábia e tradicional, pelas nossas “embaixadoras” da doçaria local.

Resultado de uma parceria estabelecida há vários anos entre o Município de Aljezur e a Associação de Produtores de Batata Doce de Aljezur com o principal intuito de valorizar a produção agrícola deste produto secular e de sabor e características únicas, muito devido ao solo e ao clima que a zona demarcada apresenta para a produção da mesma, o festival regista ano após ano maior afluência de visitantes, facto que nos orgulha e distingue enquanto Aljezurenses."

  (http://festival-batatadoce.cm-aljezur.pt/)

Algumas notas complementares sobre a Batata Doce  de Aljezur

"A Batata doce de Aljezur é uma raiz adventícia que por tuberculização se torna carnuda. É uma batata piriforme alongada, de cor púrpura ou castanho-avermelhada e polpa amarela. No calibre, varia entre os 8,5 cm x 4,0 cm e os 16,5 cm x 7,1 cm, e no peso, entre os 50 g e os 450 g. De acordo com estudos efectuados nos laboratórios da Direcção Regional de Agricultura do Algarve, tem 65% a 67% de humidade; 1,3% a 1,5% de açúcares redutores; 1,8% a 3,7% de açúcares totais; 11,2% a 12,9% de amido.
Qualidades nutritivas: uma batata-doce de tamanho médio proporciona o dobro da quantidade de vitamina A e um terço da vitamina C de que necessitamos diariamente; é uma importante fonte de ferro e potássio e é rica em antioxidantes. Além disso, possui um elevado valor energético, por ser muito rica em hidratos de carbono complexos e açúcares.

Zona de Origem: A zona de produção encontra-se naturalmente circunscrita ao concelho de Aljezur com cerca 220 hectares e as freguesias de litorais do concelho de Odemira (S. Teotónio, S. Salvador, Zambujeira do Mar, Longueira-Almograve e Vila Nova de Milfontes) com cerca de 200 hectares, ou seja, Costa Vicentina e Sudoeste Alentejano, sendo que é nas várzeas de Aljezur e de Odeceixe e na charneca do Rogil que se produz em maior abundância."

     (http://www.lifecooler.com/)