terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Desejos de um feliz natal

A todos os amigos que habitualmente por aqui passam desejo, de coração, um santo e feliz natal.
Que o Menino de Belém inunde de paz e alegria os vossos corações.
Carinhosamente,
Viviana (escrito pela neta Sara)

Nota: O problema técnico permanece.

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Esclarecimento

Boa tarde,

Por problemas técnicos a minha mãe, Viviana, não tem podido actualizar o Blog, não sabendo ainda quando poderá voltar a postar.

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

E não é que o melro veio!?


A noite de sábado para Domingo tinha sido "mal dormida", por o surgimento de uma crise de artrite .
O Domingo, amanheceu (como diria a minha mãe) radioso, cheio de luz e sol.
Com uma alegria enorme fomos á Casa de Oração cultuar e adorar o nosso bom Deus e Pai. Foi então que tive a grata surpresa do meu maninho Serafim (Pastor João Serafim Regueiras) fazer-nos uma visita e,  sentado ao meu lado, adorar  o Senhor e, cantar  os mesmos hinos da nossa infância, entoados vezes sem conta nos cultos domésticos.

Seguiu-se depois, um almoço em na casa do Zé, com o maninho Serafim e a família do meu filho Miguel.
Uma alegria imensa!

Cada um foi á sua vida e eu, regressei a minha casa, a dez minutos a pé, da casa do Zé.
Dei comida ao Gato Teco e fui sentar-me junto á janela  desta divisão onde me encontro e á qual chamamos de "quarto da Internet".Desta vez porém, não fiquei virada para a serra de Sintra, mas sim para a minha rua , mais propriamente olhando o telhado do prédio á frente do meu. Entendi que era um momento propício para elevar ao Senhor uma oração de acção de graças por as bençãos tão preciosas daquele dia de Domingo.

 Terminada a oração, decidi elevar os membros infeiores para um pouco de descanso e peguei numa mantinha de lã, obra e oferta da Dª Lourdes, a outra avó da minha neta Sara, e assim fiquei olhando o telhado do prédio da frente, na esperança de observar por ali algum passarinho, como um estorninho ou um tentilhão, que ali costuma pousar em cima da antena, no ponto mais alto, e por ali ficam a cantar e a saltitar.
Olhei, olhei, nem sombra de passarinhos... Em voz alta perguntei ao Senhor: Senhor, para onde foram os passarinhos que habitualmente ali pousam? Ah! Senhor...como eu gostava de ver ali um passarinho! Então, lembrei-me de um melro que chega nos últimos dias de Fevereiro, todos os anos...e por aqui vai ficando até aos fins de Setembro. Pensei: Há quanto tempo, Senhor, eu não vejo o melro! Como eu gostava de vê-lo chegar e pousar na antena!...Pensei no entanto:  estamos em Dezembro e nesta altura provávelmente ele já não vem.  O  gato Teco,  que tinha  saltado para o meu colo, e tinha-se aninhado, todo enroscadinho na manta quentinha,  dormia profundamente.
Fiquei em silêncio, descansando os olhos e a mente  e, de repente, quando abri os olhos, não é que o melro subindo do lado da empena do prédio...se foi empoleirar na antena, com a cabecinha bem levantada...a olhar para mim!?

Tinham decorrido cerca de cinco minutos,  quando o melro apareceu.
Eu não queria acreditar!  O meu Senhor quis alegrar-me e dar-me o prazer de voltar  a ver o melro que eu não via há tanto  tempo! Sorri para o céu... com as lágtrimas a quererem cair dos olhos e, com a voz embargada, disse ao meu Senhor, sorrindo:
Obrigada meu Pai ! Muito obrigada!
Tu és o Deus das coisas grandes, como também és o Deus das coisas pequenas!
Tu concedes- me bençãos extraordinárias...tal como os meus quatro filhos e quatro noras e nove netos!
Tu dás-me irmãos e familiares preciosos!
Tu dás-me irmãos na fé...que eu amo sem medida! Tu dás-me amigos, tantos amigos, que  me enriquecem e aquecem o meu coração!
Tu dás-me a luz do sol e o céu azul belíssimo, que me aconchegam, me aquecem e me enchem de alegria e paz!
Mas o mais maravilhoso de tudo, é que me amas tanto, a mim, a tua menina de cabelos brancos...que és capaz de, numa tarde de outono, enviares o melro preto de bico amarelo, para me satisfazer aquele meu desejo tão simplezinho, de o poder ver empoleirado na antena do prédio da frente!

Como não te hei-de eu amar de todo o meu coração, Senhor!?
Como não  hás -de ser  a melhor e a maior porção para mim,. nesta minha peregrinação terrena, por aqui!?

Qu todos te louvem!
Que todos te engrandeçam!
Que todos te amem!
Que todos possam deixar-te entrar nos seus corações e nas suas vidas, para todo o sempre!
Obrigada, por tudo meu Pai!

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Para a minha Mãe, com muito Amor


 A minha mãe.
Faz hoje cento e dois anos (10/12/1911) que em Bompland, Oberá, Missiones, Argentina, a minha avó  alemã, Olga  Shevartz, e o meu avô  Finlandês,  Alvar Ossian Bengelsdorff, receberam  directamente das mãos de Deus, o  Criador e Senhor da vida, uma menina, a quem  deram o nome de Jenny Uarda,  a primeira  de dez filhos: cinco rapazes e cinco meninas.
Com  vinte e cinco anos de idade a Jenny, casou com um português, José Baltazar Regueiras, um minhoto, emigrado, em 1927. Deus deu-lhe quatro filhos: A Esperança, a Viviana, Teresa e o João Serafim.

Que dizer da minha Mãe?

Uma mulher extraordinária! Lutadora, trabalhadora, empreendedora!
Uma mãe exemplar! Quanto cuidado, quanto amor, quanta entrega e dedicação!?
Uma crente fiel, que durante toda a sua vida se orientou pelos princípios do evangelho de Cristo, passando-os aos seus filhos e, sempre, até aos seus últimos dias de vida, testemunhou e partilhou com todos os que dela se abeiravam, o amor inegualável de Cristo. Não entrava ninguém na sua casa  sem ouivir a leitura da Palavra Sagrada, que permanecia junto de si, á mão de abrir e partilhar. A sua Biblia "gorda" de tanto manusear, toda marcadinha, com a sua bela caligrafia, lá permanece em cima da mesa da sala, pronta a ser aberta e lida por quem lá entrar. O seu hinário, tem dobradinhas as pontas das páginas, nos hinos seus preferidos, que ela com uma voz muito suave e meiga, tanto gostava de cantar!

Tanto que a mãe gostava de flores!

O seu jardim, lá está. As árvores que ela plantou estão enormes! Uma das últimas que ela  já não conseguiu plantar,  e pediu-me que o fizesse, é um pé de Lima- limão! Nesta altura do ano, está tão carregadinha de frutos, tão carregadinha,  que os ramos pendem para o chão! Creio que nunca produziu tanto com este ano! E, para maior beleza, simutâneamente, está cheio de flores brancas, perfumadíssimas, cujo cheiro se espalha por todo o espaço envolvente. Olho para á arvorezinha e penso: Como a mãe gostaria de a olhar, assim, tão bela!?
Os seus vasos com ciclames. estão todos por ali, a florir, cada um na sua côr. Tão lindos! O abacateiro, de que ela tanto se orgulhava, cresceu, cresceu, ultrapassou já o telhado da casa! O pé de rosa-de -santa Tetrezinha, que estava num vaso junto á janela do quarto dela, mas que não se estava a desenvolver como ela desejaria, e por isso um  dia disse-me: "Viviana, minha filha,  pegue naquele vaso e retire a planta e plante-a no canteiro abaixo do passeio, juntinho ao tronco do abacate. Ponha ela lá".
Eu fiz tal como ela disse e plantei a roseira junto do tronco. Rápidamente, começou a desenvolver-se e, hoje trepou por cima da ávore, está lá bem no alto toda florida de um tom de rosa suave, tão perfumada e tão linda que é uma maravilha olhar. Com este sol de outono e com a chuva que veio  reavivaram todas as plantas do jardim! Está tudo novamente florido como se tivesse chegado a primavera.
Ah! se a mãe estivesse cá, para ver!

Não está. Está num lugar bem melhor e muito mais bonito que o seu jardim florido!
Está junto do  seu Senhor a quem ela tanto amava e tanto procurava alegrar e servir!
Descansa dos seus trabalhos.

Ao pensar na minha mãe, os olhos marejam de lágrimas de saudade!
Porém o coração está em paz, calmo, tranquilo...e profundamente agradecido ao Pai por a mãe  extraordinária que Ele me Deu!
Obrigada, pai querido por eu ter nascido da Jenny, por ela ser a minha querida mãe.

Obrigada, mãe querida, por todo o amor, ternura, cuidado e exemplo com que me cuidou, com que me ajudou a ser a pessoa que sou. Muito, muito lhe devo.

Até logo

A gente encontra-se um dia destes

domingo, 8 de dezembro de 2013

Porque hoje é Domingo (276)




O jantar em Betânia

Ora, dali a dois dias era a páscoa e a festa dos pães ázimos; e os principais sacerdotes e os escribas andavam buscando como prender Jesus a traição, para o matarem.
Pois eles diziam: Não durante a festa, para que não haja tumulto entre o povo.
Estando ele em Betânia, reclinado à mesa em casa de Simão, o leproso, veio uma mulher que trazia um vaso de alabastro cheio de bálsamo de nardo puro, de grande preço; e, quebrando o vaso, derramou-lhe sobre a cabeça o bálsamo.
Mas alguns houve que em si mesmos se indignaram e disseram: Para que se fez este desperdício do bálsamo?
Pois podia ser vendido por mais de trezentos denários que se dariam aos pobres. E bramavam contra ela.
Jesus, porém, disse: Deixai-a; por que a molestais? Ela praticou uma boa ação para comigo.
Porquanto os pobres sempre os tendes convosco e, quando quiserdes, podeis fazer-lhes bem; a mim, porém, nem sempre me tendes.
ela fez o que pode; antecipou-se a ungir o meu corpo para a sepultura.
Em verdade vos digo que, em todo o mundo, onde quer que for pregado o evangelho, também o que ela fez será contado para memória sua.

(Ev. de S. Marcos cap. 14:1 a 9)

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Rosa "Compaixão"


                           Compassion Apricot Roses. Fonte da imagem:  http://www.mooseyscountrygarden.com  

Folheando um dos meus maravilhosos livros sobre Rosas - Todo Rosas, de Orietta Sala - reparei no nome de um rosa bonita, que logo me atraiu: Compassion Apricot Rose, ou na minha tradução:Rosa Compaixão. Como compaixão, é para mim uma palavra com um significado muito especial, pois foi usada muitas vezes por o meu Mestre e Senhor Jesus Cristo, e esta compaixão era bem visível nEle, quando por exemplo, estando Ele em Naím, com os seus discípulos e olhando, viuque passava um funeral onde uma mãe chorava o jovem filho único que era todo o seu amparo, pois que  era viuva, e naquele tempo as viúvas sem filhos que as ajudassem, ficavam mesmo sem qualquer apoio, logo, sustento. O Compassivo coração de Jesus abeirando-se do jovem falecido, ordenou-lhe que se levantasse...e ele levantou-se e foi por Jesus entregue á sua mãe.
Logo, todo aquele que se diz cristão, deverá, tal como o Mestre, ser compassivo. Isto é: com o amor de Deus que habita em si, amar "o outro", sentindo como sua, a sua dôr e o seu sofrimento, e ajudar.

Eu desconhecia, até hoje, que havia uma rosa de nome "Compaixão".
Valeu a pena folhear o meu livro!
Logo que possivel, irei dar uma volta pelos viveiros de flores, a ver se descubro a bela e significativa "Rosa Compaixão", para ter o prazer de a plantar no jardim da casa da aldeia, ao lado de muitas outras belas rosa que lá estão. 

Deixo aqui alguns dados que encontrei sobre esta rosa:

Compassion Apricot Rose

Tem um cheiro doce, e as pétalas são de côr rosa-salmão sombreadas de damasco. 
Cada rosa tem 36 pétalas.
No Reino Unido foi premiada dezenas de vezes.

         (http://www.mooseyscountrygarden.com)     

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Hoje pedi ao Pai por ti - Um Poema de Ana D'Araújo


Há pouco, sentada á mesa da cozinha, sòzinha, com o pão e o café com leite á minha frente,  olhei o céu azul através da janela e, dei graças ao Pai, pela noite de descanso, pelo dia luminoso e tranquilo que está aí para eu viver, por a paz, por o meu Salvador - o Senhor Jesus Cristo, e pelo imensurável amor de Deus por mim.
Depois, supliquei a benção, a protecção, a alegria, a coragem...para TODOS OS QUE ESTÃO NO MEU CORAÇÃO, onde estão incluidos os amigos que habitualmente por aqui passam.
Daí a instantes, ao entrar no blogger, os meus olhos bateram na postagem de minha amiga e irmã Vilma, do blogue - ( http://coisasdemim.blogspot.pt/), onde constava este belo e tocante poema,  de uma autora que eu não conheço (quero conhecer) que me tocou  e foi como um complemento aos momentos vividos antes, á mesa da cozinha.
Só podia fazer uma coisa: Trazê-lo comigo e ofertá-lo a todos os que estão no meu coração...como os amigos que hoje passarão por aqui.

Obrigada Vilma! Obrigada por o ter publicado e não se importar que eu o tenha trazido comigo, para aqui.

Hoje pedi ao Pai por ti

Hoje pedi ao Pai por ti. Pedi que te desse a calma de um riacho que corre Rumo ao destino de desaguar E que lavasse a tua alma com unguentos perfumados.
Pedi que o sol que brilha para mim,
Ilumine amanhã novamente o teu caminhar
E que a Lua que dorme para ti, brilhe aqui,
Como esperança do amor não vivido, mas desejado.

Pedi que o frio não gele a tua alma,
E não te leve os sonhos de um futuro de paz,
Onde deitarás em colo seguro
A embalar os teus sonhos em versos.

Pedi que os teus pés cansados,
Judiados pelas marcas da lida diária
Se tornem leves e andem ágeis
Ao encontro do descanso merecido.

Pedi também que o silêncio não te emudeça o coração,
Mas que acolha a emoção e a armazene
Pois um dia ouvirás os sinos
E lembrarás que toda a esperança perdida
foi só um vento que passou.

Hoje eu pedi ao Pai que a semente em ti plantada,
Não feneça com a madrugada
Mas que a esperança seja o adubo
A florescer em ti o amor viçoso e deslumbrante,
Que te levará seguro ao encontro do infinito


Hoje...pedi ao Pai por ti!

Poema de  Ana D'Araújo


( http://coisasdemim.blogspot.pt/)

Nota:

Estou a usar um novo computador e como não sou nenhuma especialista na área, há por aqui coisas para limar...como o tamanho dos espaços neste blogue. Como não há por aqui, agora, ninguém que me ajude...vai seguir assim...desculpem lá.

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Sublime e precioso AMOR FILIAL

O Pedro
Qual é o filho, pai de família, que ao elaborar o seu calendário de férias, reserva sempre  o dia dois de Dezembro, dia do aniversário da sua mãe, para "ir ter com ela", para estar ao seu lado e com ela passar o dia, "fazendo mais de duzentos quilómetros", 100 para lado) ?

É o meu lindo e muito amado filho Pedro!

Obrigada, meu filho!

Não imaginas qiuanto bem me vai fazer a tua presença ao meu lado, hoje...
Boa viagem...Que  Deus te traga em bem.

Um beijo
   mãe

  

domingo, 1 de dezembro de 2013

Porque hoje é Domingo (275)

 
 
 
Púlpito da Casa de Oração da Terceira Igreja Evangélica Baptista de Lisboa.
 
E peço isto: que o vosso amor cresça mais e mais em ciência e em todo o conhecimento,
Para que aproveis as coisas excelentes, para que sejais sinceros, e sem escándalo algum até ao dia de Cristo;
Cheios dos frutos de justiça, que são por Jesus Cristo, para glória e louvor de Deus.
E quero, irmãos, que saibais que as coisas que me aconteceram contribuíram para maior proveito do evangelho;
De maneira que as minhas prisões em Cristo foram manifestas por toda a guarda pretoriana, e por todos os demais lugares;
E muitos dos irmãos no Senhor, tomando ânimo com as minhas prisões, ousam falar a palavra mais confiadamente, sem temor.
Verdade é que também alguns pregam a Cristo por inveja e porfia, mas outros de boa vontade;
Uns, na verdade, anunciam a Cristo por contenção, não puramente, julgando acrescentar aflição às minhas prisões.
Mas outros, por amor, sabendo que fui posto para defesa do evangelho.
Mas que importa? Contanto que Cristo seja anunciado de toda a maneira, ou com fingimento ou em verdade, nisto me regozijo, e me regozijarei ainda.
orque sei que disto me resultará salvação, pela vossa oração e pelo socorro do Espírito de Jesus Cristo,
Segundo a minha intensa expectação e esperança, de que em nada serei confundido; antes, com toda a confiança, Cristo será, tanto agora como sempre, engrandecido no meu corpo, seja pela vida, seja pela morte.
Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho. 
 
Epístola de S. Paulo aos Filipenses cap, 1:9 a 21)

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Um Poema de Edmond Holmes

Tordo 
   Como o tordo no Inverno, quando os céus
   estão tristes e sombrios e nuas estão as árvores,
   que canta sem desânimo, até despontarem 
   das suas melodias perfumes primaveris
   que flutuam no ar gelado - 
também no meu coração, quando o gélido hálito
da tristeza é desolador, amargo, e dura é a sua frieza,
      desponta, desafiando o desespero e a morte,
      uma áurea fonte de  canto triunfante.
Continua a cantar, gentil cantor, até virem as violetas
   e soprarem os ventos do sul, continua, ave profética!
   Oh, se os meus lábios, que para sempre emudeceram,
   pudessem cantar o que o meu triste coração escutou,
        os momentos mais negros da minha vida
        seriam dominados por canções de alegria,
   o frio mais negro da vida transformar se-ia em Primavera.

       (Edmond Holmes - Poeta Irlandês - 1850/1936)
No livro - A Alegria de viver com a Natureza - de Edith Holden

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Peregrinos

Do blogue do meu bom amigo Paulo Costa -http://abrigodossabios-paulo.blogspot.pt/  - trouxe este texto, que me tocou, a fim de o partilhar aqui com os amigos.

Peregrinos











 


«(...) Seduz-nos tanto o futuro programado e garantido, como se tudo dependesse de nós. E vamos dizendo: «mais vale um pássaro na mão do que dois a voar». O que não nos damos conta é que, ao não aceitar a provisoriedade própria da vida, nos fechamos à possibilidade do novo, do revelado, do inesperado. Cercamos a vida nos limites dos próprios «celeiros» que vamos construindo.(...)

Viver implica um grande desapego face à própria vida. Só se vive intensamente quando se está consciente que a qualquer momento podemos partir. Não podemos esquecer a nossa condição de peregrinos; e estes não constroem «celeiros», levam apenas uma pequena mochila com o mais essencial para a viagem».


Carlos Maria Antunes, «Só o Pobre se faz Pão»


(No Blogue -  http://abrigodossabios-paulo.blogspot.pt/)

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Voz da Esperança para o Povo - Um Poema de Gióia Júnior

Vaso com Papoilas vermelhas - Van Gogue



















Voz da Esperança para o Povo

Canto o Evangelho Novo,
o Evangelho de Cristo verdadeiro
para o Brasil e para o mundo inteiro...
Ouça-me com surpresa o preconceito velho.
Trago a voz da Esperança para o povo,
pois o povo precisa do Evangelho.

Canto o Evangelho nobre,
religião Verdadeira, Eficaz, Interior,
do Soberano Cristo, humilde e pobre,
que padeceu na cruz por meu amor...

A multidão descalça
que a miséria tristíssima consome
está cansada da doutrina falsa,
demagogia hipócrita e sem termo,
que diz "amai-vos", e não mata a fome,
que fala em caridade, e não socorre o enfermo...

Canto o Evangelho de Jesus Humano
que acalma o meu tormento e abranda a minha dor,
Evangelho sem luxo e sem vaidade,
que não fica somente na cidade,
mas vai também ao bairro suburbano
e destribui prodigamente o amor...

Evangelho Fartura, Evangelho Atitude,
não esse caricato Evangelho de Altar,
que, prometendo  - mente - e oferecendo - ilude...
Pois que alimento de justiça e de virtude
pode ele acaso dar?!

Canto o Evangelho sem espalhafatos,
sem badalos de sino e repiques dobres,
em que fala mais alto a voz dos actos,
sem pomposos rituais desnecessários...
Evangelho dos ricos e dos pobres,
dos poderosos e dos operários...

Canto o Evangelho Novo,
O Evangelho de Cristo verdadeiro
para o Brasil  e para o mundo inteiro...
Ouça-me com surpresa o preconceito velho:
Trago a voz da Esperança para o povo,
pois o povo precisa do Evangelho.

(Gióia Júnior - no livro - Orações do Cotidiano)

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

A minha Sentida Homenagem e Gratidão ao militar da GNR Bruno Chaínho que deu a sua vida para salvar duas outras vidas.


Ao ler esta notícia, que me tocou profundamente, entendi, que o mínimo que eu, cidadã deste país, poderia fazer, era Homenagear aqui, neste espaço, este homem jovem e corajoso que enfrentou a morte, sem vacilar, para salvar dois seres humanos que corriam sério risco de vida.

Que pena...ter morrido tão jovem!
Naturalmente que tinha sonhos e projectos no seu horizonte de vida!

Quão doloroso terá sido para a sua mãe e  para a sua família!

Por tudo isto, presto a minha Homenagem  sentida e manifesto a minha profunda gratidão ao jovem militar da GNR - Bruno Chaínho.

Oro, para que o Deus de Amor e de Misericórdia, console e encoraje a sua mãe e todos os seus famiiares.

Obrigada! Muito obrigada, Bruno Chaínho.

Pinhal Novo: militar da GNR deu a vida para salvar mulher e filha de dono do restaurante

O militar da GNR Bruno Chainho, morto na noite de sábado num restaurante no Pinhal Novo, deu a vida ao salvar a mãe e a filha de Germano Veloso, um dos reféns feitos pelo sequestrador, indica esta segunda-feira o Jornal de Notícias (JN).


O militar da GNR, de 27 anos e há dois anos na Guarda, colocou-se na linha de fogo de Mihael Codja, de 58 anos, após puxar para fora do restaurante "Refúgio", a mulher e a filha de Gaspar Veloso, mantido refém dentro do estabelecimento, juntamente com o filho.

O antigo militar moldavo das forças de elite da URSS, veterano da guerra do Afeganistão, ter-se-á apercebido das acções de Chainho e disparou vários tiros, acabando por matar o militar da GNR.

Segundo o jornal, cerca das 23:00, a filha do dono do estabelecimento tinha conseguido ligar de forma dissimulada para o 112, deixando o telemóvel ligado para que os serviços de emergência pudessem ouvir o que se estava a passar.

O proprietário do restaurante revelou no domingo que Mihael Codja tinha trabalhado numas obras no seu estabelecimento, ao serviço de um empreiteiro.

Na fatídica noite de sábado, o moldavo foi jantar ao restaurante e, no final da refeição, exigiu a Gaspar Veloso 50 mil euros, exibindo as armas e granadas que trazia.

De acordo com o testemunho do dono do restaurante, Codja disse que o dinheiro seria «para se tratar de uma doença que tinha a ver com glóbulos brancos».

O moldavo teria perdido o emprego, a casa, morando num automóvel, e tinha sido abandona pela mulher e filha.

   ( http://diariodigital.sapo.pt)

domingo, 24 de novembro de 2013

Porque hoje é Domingo (274)

Igreja Ev. Baptista das Boas - Novas na Amadora
Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim.
Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito; vou preparar-vos lugar.
E, se eu for e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos tomarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também.
E para onde eu vou vós conheceis o caminho.
Disse-lhe Tomé: Senhor, não sabemos para onde vais; e como podemos saber o caminho?
Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.
Se vós me conhecêsseis a mim, também conheceríeis a meu Pai; e já desde agora o conheceis, e o tendes visto.
Disse-lhe Felipe: Senhor, mostra-nos o Pai, e isso nos basta.
Respondeu-lhe Jesus: Há tanto tempo que estou convosco, e ainda não me conheces, Felipe? Quem me viu a mim, viu o Pai; como dizes tu: Mostra-nos o Pai?
Não crês tu que eu estou no Pai, e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo, não as digo por mim mesmo; mas o Pai, que permanece em mim, é quem faz as suas obras.
Crede-me que eu estou no Pai, e que o Pai está em mim; crede ao menos por causa das mesmas obras.
Em verdade, em verdade vos digo: Aquele que crê em mim, esse também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas; porque eu vou para o Pai;
e tudo quanto pedirdes em meu nome, eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho.
Se me pedirdes alguma coisa em meu nome, eu a farei.
Se me amardes, guardareis os meus mandamentos.
E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Ajudador, para que fique convosco para sempre.
a saber, o Espírito da verdade, o qual o mundo não pode receber; porque não o vê nem o conhece; mas vós o conheceis, porque ele habita convosco, e estará Não vos deixarei órfãos; voltarei a vós.
Ainda um pouco, e o mundo não me verá mais; mas vós me vereis, porque eu vivo, e vós vivereis.

(Ev de S. João cap. 14:1 a 20)

sábado, 23 de novembro de 2013

Portugueses estão a desenvolver uma Vacina contra a Malária

http://www.publico.pt
Cientistas  portugueses estão a desenvolver uma Vacina contra a Malária.

Um financiamento de 902 mil Euros da Fundação Gattes irá  permitir a uma equipa internacional, liderada por  um laboratório português, continuar a testar uma potencial vacina com parasita transgénico, que já deu resultados preliminares positivos.

Uma vacina contra a malária está a ser concebida por portugueses desde 2010. Na altura, Miguel Prudêncio, investigador e líder de uma equipa no Instituto de Medicina Molecular (IMM), em Lisboa, recebeu 100 mil dólares da Fundação Bill & Melinda Gates depois de concorrer a um financiamento de Fase I do programa Grand Challenges Explorations. Agora, passados três anos, o investigador volta a ser premiado pela fundação, desta vez com 902 mil euros, para continuar o projecto. Se tudo correr bem, daqui a dois anos começarão os primeiros ensaios clínicos em humanos para testar uma candidata a vacina, cuja ideia nasceu em Portugal.


O conceito de Miguel Prudêncio é simples. É preciso um parasita da malária de roedores, que não causa a doença em humanos, mas interage o suficiente com o sistema imunitário para provocar a imunização. Depois, é preciso inserir um gene do parasita humano no parasita de roedores, para criar uma imunização dirigida à malária humana. A ideia funcionou. O novo financiamento da fase II vai servir agora para fazer as últimas experiências preliminares, desenvolver um método de produção in vitro do parasita de roedores e vai ajudar a fazer a aplicação do pedido para a realização de ensaios em humanos na Holanda. Miguel Prudêncio está esperançoso, mas o investigador sabe que ainda há muitos desafios para ultrapassar, ou não fosse esta uma doença muito
 complexa...


 ...Nas últimas décadas, foram feitas várias tentativas para produzir uma vacina. A de Manuel Elkin Patarroyo, um patologista colombiano, muito referida na década de 1990, revelou-se ineficaz. Ao todo, 27 vacinas chegaram aos ensaios clínicos em humanos. A RTS, S/AS01, da GlaxoSmithKline, que utiliza parte da proteína circunsporozoito para provocar a imunidade, está na fase III (estudos comparativos para demonstrar a segurança, eficácia e benefício terapêutico). Mas os resultados não são animadores, a vacina dá imunidade a menos de metade das pessoas. O projecto de Miguel Prudêncio será um de muitos que ainda estão na fase prévia de experimentação no laboratório.

“Queríamos fazer os ensaios em Portugal”, diz Miguel Prudêncio. “Mas não há precedentes deste tipo de ensaios cá e a fundação já conhece esta universidade, tem confiança e diz que assim será mais rápido.”

Por cá, vão ser feitos mais alguns ensaios pré-clínicos e irá ser aprimorada uma técnica para criar o Plasmodium berghei in vitro, sem necessitar dos mosquitos. Só nesta espécie é que se demonstrou que a técnica é possível, o que facilitaria muito, no futuro, a produção de uma vacina. A equipa está em contacto com a cientista que desenvolveu a técnica. É um “grande desafio”, diz-nos Miguel Prudêncio, que garante que a produção de uma vacina demorará bem mais de dez anos – se tudo correr bem. “Temos todas as razões para acreditar que os resultados experimentais vão ser os que estamos à espera.”
(http://www.publico.pt)

Nota:

Estou em crer que os cientistas portugueses terão a competência e a persistência necessárias para concluir este audacioso  e importante projecto humanitário que salvará milhões de vidas por esse mundo fora.
Que o Deus de amor e de toda a sabedoria, assim os ajude.

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Um Pensamento de Billy Graham

 "È maravilhoso ser cristão, mas não é maravilhoso ser apenas religioso. A religião é o ópio dos povos, afirmam os comunistas.Não assim, se a religião é Cristo! Na cruz Ele recusou tomar um entorpecente que lhe foi oferecido".

    (Billy Graham)

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Reflorestar com Medronheiros - Uma singular iniciativa de três jovens mulheres

As jovens empreendedoras assinando o protocolo.

A Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso apresentou um projeto pioneiro no norte do país, que procura incentivar a plantação de uma espécie autóctone, o medronheiro, com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento da economia local e para a prevenção de incêndios florestais. Esta apresentação decorreu na manhã do dia 20 de Novembro, nos Paços do Concelho.
Na mesma oportunidade, realizou-se a assinatura de um protocolo de cedência de terreno (por 15 anos) entre a Câmara Municipal, representada pela Vice-Presidente, e duas jovens empreendedoras para a plantação com aquela espécie autóctone de uma área superior a dois hectares, nas imediações do Castelo de Lanhoso, o que assinalou de uma forma simbólica o arranque deste mesmo projeto. Com esta plantação de 1400 exemplares, consegue-se aumentar a biodiversidade daquele espaço.

“Trata-se de um reaproveitamento florestal, em que predominava o eucalipto e o pinheiro, mas de forma desordenada. Trata-se também de apoiar mais uma iniciativa empreendedora com recurso à floresta, o que permite atuar em diversas vertentes: na defesa da floresta, na prevenção da erosão, na prevenção de incêndios. É uma forma de apoiar o desenvolvimento de uma espécie autóctone, é um apoio ao desenvolvimento socioeconómico do concelho e, como sempre, a Câmara Municipal está disponível à criação de empresas no concelho, que proporcionem o seu desenvolvimento e a sua promoção. Desejo-vos os maiores sucessos”, referiu a Vice-Presidente da Autarquia, Gabriela Fonseca.

O Vereador da Proteção Civil também interveio. “Vamos deixar de ter incêndios naquele local para passarmos a ter uma espécie florestal, que, para além de vir fortalecer e contribuir para a dinâmica da economia do concelho, vai contribuir também para essa vertente de ordenamento florestal e de combate a incêndios”, salientou Armando Fernandes, relembrando que “este é um projeto pioneiro” e assegurando que a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, através do seu Gabinete Técnico Florestal, está disponível para apoiar este e outros projetos que surjam “até para que, mesmo nesta área, possamos aqui ter escala”.
As jovens produtoras partilharam os seus objetivos. “Agradecemos à Câmara por nos dar esta oportunidade, que é algo inovador”, referiu Cecília Geraldo, considerando que pode ser uma mais valia para o concelho “e é isso que nós procuramos. Ser inovadoras com um fruto que é pouco conhecido cá em Portugal. É algo que é nosso e temos de fazer avançar a produção portuguesa”. 


Fomentar as espécies florestais autóctones; potenciar o aproveitamento florestal; diversificar e aproveitar a multifuncionalidade da floresta; criar e dinamizar a economia e produtos locais; promover o ordenamento florestal e a diminuição de incêndios florestais; e apoiar o empreendedorismo são os principais objetivos deste projeto da Câmara Municipal, apresentados pela responsável pelo Gabinete Técnico Florestal, Manuela Freitas.
De lembrar que são diversas as potencialidades do medronheiro e do medronho: pode ser consumido como fruto, para curtimento de peles, para fins medicinais, na produção de doces e compotas, na produção de aguardente, vinagre e mel e mesmo para a produção de madeira. 

A apresentação deste projeto integrou as comemorações do Dia da Floresta Autóctone, que ainda apresentam, no dia 25 de Novembro, a realização de sementeiras de espécies locais, no Centro de Interpretação do Carvalho de Calvos.

Através do ordenamento florestal, é ainda intenção fazer olhar para a nossa floresta como fonte inesgotável de recursos, que, para além de proporcionarem rendimento, contribuem ainda para a proteção da floresta e para melhoria de qualidade ambiental.  

«Retirado de www.mun-planhoso.pt »

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Acalma meu passo, Senhor



ACALMA MEU PASSO, SENHOR
 
Acalma  meu passo, Senhor!
Desacelera as batidas do meu coração,
acalmando minha mente.
Diminua meu ritmo apressado
com uma visão da eternidade do tempo.
Em meio às confusões do dia a dia,
dê-me a tranqüilidade das montanhas.
Retira a tensão dos meus músculos e nervos
com a música tranqüilizante dos rios de águas constantes
que vivem em minhas lembranças.
Ajuda-me a conhecer
o poder mágico e reparador do sono.
Ensina-me a arte de tirar pequenas férias:
reduzir o meu ritmo para contemplar uma flor,
papear com um amigo,
 afagar uma criança,
 ler um poema,
ouvir uma música preferida.
Acalma meu passo, Senhor,
para que eu possa perceber
no meio do incessante labor cotidiano
 dos ruídos, lutas, alegrias,
 cansaços ou desalentos,
 a Tua presença constante no meu coração.
 Acalma meu passo, Senhor,
para que eu possa entoar
o cântico da esperança,
 sorrir para o meu próximo
 e calar-me para escutar a Tua voz.
Acalma meu passo, Senhor,
e inspira-me a enterrar minhas raízes
no solo dos valores duradouros da vida,
para que eu possa crescer
até as estrelas do meu destino maior.
Obrigado Senhor, pelo dia de hoje,
pela família que me deste,
meu trabalho e sobretudo
pela Tua presença em minha vida.
 Obrigado, Pai!
És meu refúgio permanente,
único caminho que me permite encontrar a paz



segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Os meus Hinos queridos (6)



 Adoniram Judson Gordon
Ontem, Domingo, Dia do Senhor, como sempre faço desde criança, fui á Casa de Oração. Durante toda a semana espero ansiosa por este dia, pois tenho um prazer, uma alegria imensa em  adorar, cultuar, louvar o Deus Eterno, e ouvir e guardar no meu coração, a sua Palavra.Também é uma festa estar com os meus irmãos em Cristo, e abraçá-los com muito carinho.
Na abertura da Escola Bíblica Dominical - que antecede o Culto - o irmão dirigente deu oportunidade á congregação para escolher um hino de louvor.
Abri o meu hinário e os meus olhos cairam sobre um hino que considero lindíssimo, e que canto desde criança pequena, nos cultos domésticos e na Casa de Oração.

Aqui, o trancrevo:

AMOR GLORIOSO -   Número 37 do Hinário- Cantor Cristão


Buscou-me com ternura Jesus o bom Pastor;
Achou-me na miséria Salvou-me com amor
No céu cantaram de alegria os anjos, sim em harmonia

[coro]

Oh! que amor glorioso! Preço tão grandioso,
Que Jesus por mim na cruz pagou;
Inaudita graça me mostrou!


Ferido abandonado, Jesus me socorreu;
E segredou-me achei-te; De agora em diante és meu.
Tão meiga voz jamais ouvi; prazer maior jamais senti.

Jesus mostrou-me as chagas que em meu lugar sofreu,
Coroa mas de espinhos, a cruz que padeceu
Que poderia em mim achar, pra tais afrontas suportar?

Minha alma embevecida, Seu rosto a contemplar,
Recorda as muitas bênçãos do Seu amor sem par
Louvor e glória e adoração tributa-Lhe meu coração!

Enquanto as horas passam, eu tenho gôzo e paz
E aguardo o meu bom Mestre, que tão feliz me faz;
Jesus a mim virá buscar e então prá sempre irei gozar.

Adoniram Judson Gordon (1836-1895)


Quem foi o seu autor - Adoniram Judson Gordon

Adoniram Judson Gordon ou simplesmente A. J. Gordon foi um dos mais influentes ministros de sua geração. Fundou o Gordon College, um dos pioneiros no ensino para o ministério feminino, um ocupação que até hoje encontra obstáculos no meio religioso.

Gordon editou dois livros de hinos, a fim de enriquecer a música congregacional em Clarendon Street Church. É autor de hinos religiosos reconhecidos em seu meio.

Foi influenciado por John Nelson Darby, e possivelmente foi o mentor que mais influenciou o ministério de E. W. Kenyon, que trocou o agnosticismo pela fé.

Nasceu em New Hampshire em 13 abril de 1836, faleceu em 2 de fevereiro de 1895).

Seu pai, John Calvin Gordon, foi um diácono Batista. Sua mãe, Sally Robinson Gordon, mais tarde foi descrito por Gordon como "uma ministra cuja família (de doze crianças) foi sua paróquia".

Seu nome é uma homenagem ao primeiro missionário americano enviado à Birmânia, Adoniram Judson, e tinha concluído, naquele período, uma recente tradução da Bíblia para o birmanês.
 (Wiquipédia)

Sob a liderança de Gordon a Clarendon Street Church foi descrita como "uma das mais espirituais e agressivas na América”.

Ele se tornou um orador favorecido durante o evangelismo de Dwight L. Moody nas convenções de Northfield. Moody construiu a suas tendas temporárias para pregação, durante suas convenções, do outro lado da rua da igreja pastoreada por Gordon.

domingo, 17 de novembro de 2013

Porque hoje é Domingo (273)







   








João Baptista

Princípio do evangelho de Jesus Cristo, Filho de Deus.   
Conforme está escrito no profeta Isaías: Eis que envio ante a tua face o meu mensageiro, que há de preparar o teu caminho;   
voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas;   
assim apareceu João, o Batista, no deserto, pregando o batismo de arrependimento para remissão dos pecados.   
E saíam a ter com ele toda a terra da Judéia, e todos os moradores de Jerusalém; e eram por ele batizados no rio Jordão, confessando os seus pecados.   
Ora, João usava uma veste de pêlos de camelo, e um cinto de couro em torno de seus lombos, e comia gafanhotos e mel silvestre.   
E pregava, dizendo: Após mim vem aquele que é mais poderoso do que eu, de quem não sou digno de, inclinando-me, desatar a correia das alparcas.   
Eu vos batizei em água; ele, porém, vos batizará no Espírito Santo.   
E aconteceu naqueles dias que veio Jesus de Nazaré da Galiléia, e foi batizado por João no Jordão.   
E logo, quando saía da água, viu os céus se abrirem, e o Espírito, qual pomba, a descer sobre ele;   
e ouviu-se dos céus esta voz: Tu és meu Filho amado; em ti me comprazo.   
Imediatamente o Espírito o impeliu para o deserto.   
E esteve no deserto quarenta dias sentado tentado por Satanás; estava entre as feras, e os anjos o serviam.

   (Ev. de S. Marcos cap. 1:1 a 13)

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

DEPRIMIDO?



Deprimido?

Não estás deprimido, estás distraído.
Distraído em relação à vida que te preenche, distraído em relação à vida que te rodeia, golfinhos, bosques, mares, montanhas, rios.
Não caias como caiu teu irmão que sofre por um único ser humano, quando existem cinco mil e seiscentos milhões no mundo. Além de tudo, não é assim tão ruim viver só. Eu fico bem, decidindo a cada instante o que desejo fazer, e graças à solidão conheço-me. O que é fundamental para viver.
Não faças o que fez teu pai, que se sente velho porque tem setenta anos, e esquece que Moisés comandou o Êxodo aos oitenta e Rubinstein interpretava Chopin com uma maestria sem igual aos noventa, para citar apenas dois casos conhecidos.

Não estás deprimido, estás distraído.
Por isso acreditas que perdeste algo, o que é impossível, porque tudo te foi dado. Não fizeste um só cabelo de tua cabeça, portanto não és dono de coisa alguma. Além disso, a vida não te tira coisas: te liberta de coisas, alivia-te para que possas voar mais alto, para que alcances a plenitude.
Do útero ao túmulo, vivemos numa escola; por isso, o que chamas de problemas são apenas lições. Não perdeste coisa alguma: aquele que morre apenas está adiantado em relação a nós, porque todos vamos na mesma direção.
E não esqueças, que o melhor dele, o amor, continua vivo em teu coração.
Não existe a morte, apenas a mudança.
E do outro lado te esperam pessoas maravilhosas: Gandhi, o Arcanjo Miguel, Whitman, São Agostinho, Madre Teresa, teu avô e minha mãe, que acreditava que a pobreza está mais próxima do amor, porque o dinheiro nos distrai com coisas demais, e nos machuca, porque nos torna desconfiados.
Faz apenas o que amas e serás feliz. Aquele que faz o que ama, está benditamente condenado ao sucesso, que chegará quando for a hora, porque o que deve ser será, e chegará de forma natural.
Não faças coisa alguma por obrigação ou por compromisso, apenas por amor.
Então terás plenitude, e nessa plenitude tudo é possível sem esforço, porque és movido pela força natural da vida. A mesma que me ergueu quando caiu o avião que levava minha mulher e minha filha;
a mesma que me manteve vivo quando os médicos me deram três ou quatro meses de vida.
Deus te tornou responsável por um ser humano, que és tu. Deves trazer felicidade e liberdade para ti mesmo.
E só então poderás compartilhar a vida verdadeira com todos os outros.
Lembra-te: "Amarás ao próximo como a ti mesmo".
Reconcilia-te contigo, coloca-te frente ao espelho e pensa que esta criatura que vês, é uma obra de Deus, e decide neste exato momento ser feliz, porque a felicidade é uma aquisição.
Aliás, a felicidade não é um direito, mas um dever; porque se não fores feliz, estarás levando amargura para todos os teus vizinhos.
Um único homem que não possuiu talento ou valor para viver, mandou matar seis milhões de judeus, seus irmãos.
Existem tantas coisas para experimentar, e a nossa passagem pela terra é tão curta, que sofrer é uma perda de tempo.
Podemos experimentar a neve no inverno e as flores na primavera, o chocolate de Perusa, a baguette francesa, os tacos mexicanos, o vinho chileno, os mares e os rios, o futebol dos brasileiros, As Mil e Uma Noites, a Divina Comédia, Quixote, Pedro Páramo, os boleros de Manzanero e as poesias de Whitman; a música de Mahler, Mozart, Chopin, Beethoven; as pinturas de Caravaggio, Rembrandt, Velázquez, Picasso e Tamayo, entre tantas maravilhas.
E se estás com câncer ou AIDS, podem acontecer duas coisas, e ambas são positivas:
se a doença ganha, te liberta do corpo que é cheio de processos (tenho fome, tenho frio, tenho sono, tenho vontades, tenho razão, tenho dúvidas)
Se tu vences, serás mais humilde, mais agradecido... portanto, facilmente feliz, livre do enorme peso da culpa, da responsabilidade e da vaidade,
disposto a viver cada instante profundamente, como deve ser.

Não estás deprimido, estás desocupado.
Ajuda a criança que precisa de ti, essa criança que será sócia do teu filho. Ajuda os velhos e os jovens te ajudarão quando for tua vez.
Aliás, o serviço prestado é uma forma segura de ser feliz, como é gostar da natureza e cuidar dela para aqueles que virão.
Dá sem medida, e receberás sem medida.
Ama até que te tornes o ser amado; mais ainda converte-te no próprio Amor.
E não te deixes enganar por alguns homicidas e suicidas.
O bem é maioria, mas não se percebe porque é silencioso.
Uma bomba faz mais barulho que uma caricia, porém, para cada bomba que destrói há milhões de carícias que alimentam a vida.
Facundo Cabral

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

O Cristão e o Mundo


Fonte da imagem:www.martynlloyd-jones.com  

Para que haja vitória é preciso haver luta. A vida cristã vitoriosa é vitoriosa  porque enfrenta lutas; enfrenta-as triunfalmente. Sem lutas não há vitórias; sem obstáculos não há ascenção.
Uma das barreiras vencidas pela vida cristã triunfante é o mundo. Felizmente, não há inimigos invencíveis para o crente fiel. O Apóstolo Paulo ensina-nos que Deus  permite provações na vida  do cristão, mas juntamente com a prova, comunica-lhe poder para vencê-la.(I Ep. de S. Paulo aos Cor. cap.1o:31) Quem está com Deus em Cristo é que participa desta capacidade que de Deus provém, como Jesus adverte:"...sem mim, nada podeis fazer". Ev. de S. João cap. 15:5) O Apóstolo João afirma que o mundo é vencido pelo homem cuja confiança repousa em Cristo Jesus. (I Ep. de S. João cap.5:4 e 5)

O mundo deve ser encarado como adversário do cristão.

Não os seres humanos propriamente, mas a presente ordem de coisas  e circunstâncias em que o mal dá sempre voz de presença.
Há referências bíblicas, muito claras, ao assunto. Se o mundo é vencido pelo cristão, como diz o texto que nos serve de base, é porque merece ser combatido; se deve ser combatido é porque é  adversário. O Apóstolo João aconselha-nos: "Nã ameis o mundo", e oferece-nos um contraste entre  o cunho mau e passageiro deste mundo e a duração eterna daquele que faz a vontade de Deus: "Ora, o mundo passa, bem como a sua concupiscência: aquele, porém, que faz a vontade de Deus permanece eternamente". (I Ep. de S. João cap.2:15 a 17). Paulo refere-se  ao mundo chamando-o de "perverso"  e nos recomenda imperativamente:"E não vos conformeis  com este nundo, mas transformai-vos  pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa , agradável e perfeita vontade de Deus". (Ep. de S. Paulo aps Gálatas cap.1:14; Ep. de S. Paulo aos Romanos cap.12:1)

"ESTA, A VITÓRIA QUE VENCE O MUNDO: A NOSSA FÈ"

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Ainda que Tu estejas aí - Um poema de José Luis Peixoto


ainda que tu estejas aí e tu estejas aí e eu esteja aqui estaremos sempre no mesmo sítio se fecharmos os olhos serás sempre tu e tu que me ensinarás a
nadar seremos sempre nós sob
o sol morno de julho e o véu ténue do nosso silêncio será sempre o
teu e o teu e o meu sorriso a cair



e a gritar de alegria ao mergulhar na água ao procurar um abraço que não precisa de ser dado serão sempre os teus e os teus e os meus cabelos molhados na respiração suave das parreiras sempre as tuas
e as tuas e as minhas mãos que não precisam de se dar para se sentir ainda que tu estejas aí e tu estejas aí e eu esteja aqui estaremos sempre juntos nesta tarde de sol de julho

a nadarmos sob o planar sereno dos pombos no tanque pouco fundo da nossa horta sempre no tanque fresco da horta que construíram para nós
para que na vida pudéssemos ser mana e mana e mano sempre.


   José Luis Peixoto

terça-feira, 12 de novembro de 2013

De Mendigo a Engravatado



Jim Wolf, antes e depois. Fonte da imagem: (http://beleza.terra.com.br) 
Aconteceu estes dias nos Estados Unidos da América

De mendigo  a engravatado: veja a transformação de um ex-morador de rua

Após deixar o exército, jim Wolf teve que lidar com a dependência do álcool e foi morar nas ruas

Jim Wolf, um ex-morador de rua dos Estados Unidos, aceitou passar por uma transformação no visual em prol de um novo estilo de vida. Veterano de guerra, ele foi parar nas ruas após deixar o exército, viver situações difíceis e sofrer com o alcoolismo. As informações são do The Gloss.

Depois de anos nessa condição, ele aceitou a mudança oferecida pela Dégagé Ministres, uma organização sem fins lucrativos que ajuda e dá abrigo para pessoas que lidam com pobreza, abuso, dependência e desemprego no país. O processo foi gravado e virou um vídeo em timelapse.

De acordo com a instituição “não há uma diferença significativa na probabilidade de sucesso de uma pessoa desde que ela tenha alguém para caminhar ao lado durante uma crise ou transição”.

Cortou e tingiu o cabelo, fez a barba, foi maquiado,  e trocou a roupa que usava por um fato elegante. Segundo a ONG, Wolf decidiu pela primeira vez entrar para o Alcoólatras Anônimos e agora tem seu próprio lugar para morar.
 (http://beleza.terra.com.br)

Nota:

Era muito bom, que outras instituições: desportivas, artistícas, sociais,  recreativas, etc. etc, copiassem o exemplo desta ONG, pois no meu ver,  não têm que ser apenas as instituições sociais ou de beneficência, a resolver  todos os inúmeros casos tristes, para mim, tristíssimos,...dos que não têm um tecto e têm que viver na rua, mas, qualquer um - O PRÒXIMO" - no dizer do Mestre do Amor, o Senhor Jesus Cristo -  poderá e deverá, estender a mão e abrir o coração para aqueles que vivem em condições sub-humanas.
Tanta gente com tanto dinheiro!
Tanta gente a mal- gastar!
Tanto luxo, tanta ostentação!
Ainda este ano, num Portugal em crise profunda, com tantos e tantos a sofrer carências graves...aumentaram exponencialmente os multimilionários!

 "O AMOR AO DINHEIRO É A RAÍZ DE TODA A ESPÉCIE DE  MALES" -

I Ep. de S. Paulo a Timóteo cap.6:10) - Na Bíblia Sagrada

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Mãe do coração

Duas flores lindas. Foto da minha nora - Anabela Leal
Encontrei este texto no blogue da minha querida amiga e irmã em Cristo - Vilma - http://coisasdemim.blogspot.pt/ - e gostei tanto dele que não resisti a trazê-lo comigo para o "repartir" com os meus amigos aqui:

Mãe do coração

Não tivemos um bom começo.
Eu tinha 11 anos e achava que mais nenhuma mulher poderia ocupar o lugar da minha mãe junto ao meu pai.
Por isso, o início da nossa relação foi deveras complicada, com os conflitos próprios entre uma adolescente e uma madrasta.
Se já com a mãe as coisas são difíceis, imagina uma madrasta!
E na altura sim, eu pensava nela como minha madrasta no termo pior a que a palavra alude, pois pensava sempre nas histórias de fada, em que as madrastas eram os piores seres dos contos: bruxas e feiticeiras tenebrosas!

Passaram alguns anos até eu a começar ver com outro olhar.
A vida, a maturidade e mais tarde, a própria maternidade, mudaram tudo.
Passei a admirá-la, pela mulher que é.
Uma mulher sensível, sempre pronta a ajudar quem precisa.
Uma mãe dedicada, mãe galinha, mãe presente.
Uma esposa amorosa e apaixonada.
Avó 5 estrelas!
Uma mulher cuja fé me levou a desejar aproximar e a conhecer Deus.
Com ela aprendi a saber divertir-me e a ter bom humor. Aprendi a cozinhar, a organizar um lar e a ser uma mulherzinha.
Parte da pessoa que sou, a ela o devo.

Sei que este milagre também se deve a Deus, que faz tudo novo em nós!
Neste dia, em que completa mais um ano de vida, sou imensamente grata a Ele por a ter colocado no meu caminho.
Ela é linda, tem um coração maravilhoso e eu amo-a muito:

Obrigada, minha mãe do coração!!!
Parabéns!!!
Nota minha:
A Vilma tem razão, mesmo muita razão!
Conheço, e sou amiga, da pessoa  de quem ela fala.
Sorrio,  só de recordar o seu rosto e o seu sorriso.
Tenho por ela uma consideração e um carinho imensos.
Que bom, que a Vilma escreveu este texto...

domingo, 10 de novembro de 2013

Porque hoje é Domingo (272)




 Zaqueu, o publicano

Tendo Jesus entrado em Jericó, ia atravessando a cidade. 
Havia ali um homem chamado Zaqueu, o qual era chefe de publicanos e era rico.   
Este procurava ver quem era Jesus, e não podia, por causa da multidão, porque era de pequena estatura.   
E correndo adiante, subiu a um sicômoro a fim de vê-lo, porque havia de passar por ali.   
Quando Jesus chegou àquele lugar, olhou para cima e disse-lhe: Zaqueu, desce depressa; porque importa que eu fique hoje em tua casa.   
Desceu, pois, a toda a pressa, e o recebeu com alegria.   
Ao verem isso, todos murmuravam, dizendo: Entrou para ser hóspede de um homem pecador.   
Zaqueu, porém, levantando-se, disse ao Senhor: Eis aqui, Senhor, dou aos pobres metade dos meus bens; e se em alguma coisa tenho defraudado alguém, eu lho restituo quadruplicado.   
Disse-lhe Jesus: Hoje veio a salvação a esta casa, porquanto também este é filho de Abraão. 
  (Ev. de S. Lucas cap. 19:1 a 9) 

sábado, 9 de novembro de 2013

Seja Feliz por Viver


 Seja Feliz por Viver

Que  a sua presença,
seja sempre um sopro de ar puro
para o ambiente em que estiver.

Que a sua pessoa seja digna de confiança,
mas com um toque de criatividade.
Disponível, mas sem esquecer-se de si.

Incansável pelo ideal,
mas satisfeita com a vida.
Ligada aos amigos,
mas capaz de pensar distante.

Não conte os anos que já viveu,
mas ame a vida simplesmente.
Ocupe-se intensamente no que faz,
sem pensar no que poderia ter feito.

E se um dia já não puder seguir
fisicamente o ritmo habitual,
descubra mil outras coisas para fazer,
outros mundos para explorar
e pessoas para amar, mantendo a paz 
e o entusiasmo no espírito.

Assim, muitos buscarão a sua amizade,
pela sua alegria contagiante,
pela sua inspiração que sugere,
e, sobretudo pelo exemplo que proporciona
de uma vida plenamente realizada.

(autor desconhecido)

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

O Granito e a Vida


Um bloco de belo granito. Fonte da imagem: www.ulbra.br
"A vida é como um fragmento de sólido granito e o poder da força de vontade é o cinzel que burila esse granito".

        (Johannes Peter Schmitt)


Nota:

Informo os amigos que estive dois dias ausente deste espaço, por avaria do computador.

terça-feira, 5 de novembro de 2013

DESABAFO


Jardim do Èden- Fonte da imagem: www.irmaos.net 
Ainda, do blogue  - Pensamentos para um Viver Feliz - http://arrazmaz.blogspot.pt - do meu irmão e amigo Orlando Arraz Maz - trouxe este texto, que gostei muito de ler, para partilhar aqui com os amigos.

  DESABAFO

Desculpem-me o desabafo.
Estou cansado de ver tanta coisa ruim e de morar nesta terra.
Vejo caos por toda a parte, desde a cidade grande até a pequena.
É gente matando em pleno estádio de futebol, atirando lança-foguete, tendo o adversário  de time como inimigo de guerra.
Vejo pais que estupram filhas e meninos violentados por religiosos.
Vejo políticos recebendo propina que descaradamente agradecem a Deus por ela.
Vejo mães descartando seus filhos recém-nascidos em latas de lixo, caçambas ou lixões.

Vejo crianças que chegaram para as aulas, alegres, sorridentes, e logo em seguida executadas. O sorriso que esboçavam foi apagado para sempre.
Estou cansado mesmo.
Tenho saudades da terra dos meus antepassados, que por um tempo gozaram das suas delícias.
Aliás, não era bem uma terra, mas era conhecida como um jardim, um lugar encantador.
Os campos floresciam, as árvores davam frutos saborosos, e a terra era regada pelo orvalho que caia mansamente sobre ela.
O céu era limpo, sem nuvens escuras, e  milhares de estrelas vistas a olho nu, brilhavam num firmamento de uma beleza extraordinária.
A água dos rios era cristalina, sem poluição, e eles a bebiam com as mãos em forma de conchas.
Neste aprazível lugar meus antepassados eram felizes. Viviam sem medos, sem sustos, dormiam bem, sem qualquer doença, lágrimas ou tristezas.
Caminhavam por entre lindas árvores e comiam seus frutos. No meio do jardim o Criador plantou uma árvore especial extremamente maravilhosa, e deu-lhe o nome de árvore da vida.  Bem ao seu lado plantou outra árvore, não menos bela chamada árvore do conhecimento do bem e do mal. Esta era a única árvore cujos frutos não podiam ser saboreados. Era ordem do Criador.
E o melhor de tudo, o Criador tomava forma humana, e todo o cair da tarde vinha visitar meus antepassados. E havia uma comunhão plena entre eles, uma conversa de olho no olho, sem medo de acusações ou mal entendidos.
Até que um dia, uma fatalidade aconteceu naquele jardim de delícias. Uma serpente apareceu para meus primeiros pais, falando normalmente com eles, mostrando-se amiga,  os quais nem sequer  se assustaram, o que me leva a crer que era algo normal entre eles.
Uma conversa  até certo ponto interessante, ou melhor, uma sugestão de que eles poderiam ser iguais ao Criador, quais deuses poderosos.  E rapidamente caíram nesse conto. Desobedeceram  as ordens do Criador, saborearam o fruto da árvore proibida, e logo depois   foram expulsos daquele lindo jardim. E aí começou um caminho de miséria e de dor.
Entre meus antepassados  instalou-se um clima bastante carregado,  e iniciou-se uma série de acusações entre ambos. Um atribuía culpa ao outro, uma coisa horrível.
E Deus, o Criador, tomou algumas providências:  fez   vestidos de pele de animal para ambos, substituindo pelo vestido de folhas que trajavam,  tão precário e inútil; depois deu-lhes a conhecer a sentença que viria a transformar suas vidas em grande sofrimento que até então desconheciam: a  expulsão  daquele lindo jardim. E mais: para evitar a retomada da posse do jardim, Deus colocou querubins, e uma espada flamejante que se volvia por todos os lados, para guardar o caminho da árvore da vida.
Fora do jardim a vida se tornou difícil. Entre tantos dissabores, o pior aconteceu: não tardou uma desavença entre os dois filhos dos meus antepassados,  que resultou em   morte, o primeiro  assassinato. E através dos anos mais tragédias aconteceram, até chegar a meus angustiantes dias.

Quem não sonha   morar em um jardim de delícias como aquele ? 
Pois bem, embora  minhas lembranças daquele jardim sejam saudosas, e sofra como muitos as consequências da desobediência dos meus antepassados, minha esperança é que um dia aquele jardim será restaurado, e habitado por mim e por todos os que confiaram e lavaram suas vestes no sangue do Cordeiro. E será infinitamente melhor,  pois Jesus, a luz do mundo, brilhará para sempre, sem necessitar da luz do sol.
E lá não terei mais tristes lembranças.
Que assim seja
Orlando Arraz Maz

 http://arrazmaz.blogspot.pt

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Do Grande Livro do Amor (9)


Fonte da imagem: www.soompi.com.br -

É este o verdadeiro amor,
quando acreditamos
que só nós podemos amar,
que nunca ninguém antes
de nós assim amou
e que nuca mais alguém
há-de amar,
da mesma forma,
depois de nós.

  Goethe (1749 - 1832)