domingo, 26 de fevereiro de 2017

Porque hoje é Domingo (429)


A ARCA DA ALIANÇA É LEVADA PARA JERUSALÉM

"David construiu para si  casa na cidade de David e preparou  um lugar para lá  levantar uma tenda, que abrigasse a arca da aliança. E deu a seguinte ordem: «Só os levitas  podem transportar a arca do Senhor, pois foi a eles  que o Senhor escolheu para  transportarem   a arca e estarem sempre ao seu serviço». Mandou reunir todo o povo de Israel em Jerusalém, a fim de colocar a arca no lugar que lhe tinha destinado...
...Os levitas transportaram-na com varas que colocaram  aos  ombros conforme as instruções que tinha dado Moisés por ordem do Senhor. David disse ainda aos chefes dos levitas que escolhessem dentre os membros da tribo alguns para cantarem em voz alta e para tocarem liras, harpas e címbalos,  em sinal de grande alegria...
...David , os anciãos  de Israel e os chefes militares foram com alegria retirar a arca da casa de Obed - Edon...
...Todo o povo de Israel acompanhava a arca da aliança do Senhor entre gritos de alegria e ao som de trombetas, de cornetins, de címbalos, de liras e de harpas...
...Colocaram a arca  da aliança na tenda  que David tinha levantado para esse fim e ofereceram a Deus holocaustos e sacrifícios de comunhão. Quando David terminou  a oferta desses sacrifícios, abençoou o povo, em nome do Senhor,  e fez distribuir a todos os israelitas, a homens e mulheres, um pão, uma torta de tâmaras e outra de passas."

 (I livro de Crónicas cap. 15)

       Na Bíblia para Todos

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

In Memorian - Pastor Dr. Agostinho Farinha Isidoro

Pastor Dr. Agostinho Farinha Isidoro.

 Pastor Dr. Agostinho Farinha Isidoro - 1919 - 2017

UMA VIDA INSPIRADORA

O pastor Dr. Agostinho Farinha Isidoro nasceu a 9 de Outubro de 1919 e terminou a sua abençoada carreira no dia 17 de Fevereiro de 2017.

Com as suas raízes no Alentejo, nascido na aldeia da Mata, concelho do Crato, de família humilde, desde cedo demonstrou um desejo enorme de descobrir novos horizontes, bem diferentes dos da sua aldeia.
De guardador de ovelhas a marçano, conseguiu com a sua tenacidade, inteligência e perseverança concluir as suas  3 licenciaturas:

- Teologia, pelo Seminário Teológico Baptista  do Porto
- Ciências Biológicas, pela Faculdade de  Ciências  da Universidade do Porto.
- Medicina, pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.

Foi naturalista do Instituto de Antropologia Dr. Mendes Correia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, bolseiro do Instituto  de alta culura e da Fundação Calouste Gulbenkian com cerca de 40 trabalhos publicados.
Desempenhou com grande paixão e dedicação a sua função  de médico na cidade de Matosinhos.
Foi Pastor durante 52 anos da Igreja Baptista de Matosinhos, testemunhando sempre a sua fé a todos  com quem se relacionava.. Actualmente, era membro activo da Igreja Baptista de Santo Tirso onde foi sempre acarinhado até aos últimos dias da sua vida.

A sua longa vida foi dedicada ao estudo, ao trabalho e ao Serviço do Senhor. Parte o homem, fica  o seu exemplo.

(No boletim da Igreja  Baptista  de Santo Tirso - Culto Fúnebre -  Realizado no Tabernáculo Baptista - Porto)

Nota pessoal:

Estou  profundamente  grata  a Deus,  por a vida deste grande e esforçado servo  do Senhor.
Nunca estive com ele, nunca o ouvi pregar a Palavra Sagrada, mas tenho por ele  uma admiração   e um respeito enormes.  Oiço falar nele há dezenas de anos e, sempre para dizer o bem.
Foi ele,  que levou o Jorge Leal, meu marido, a Cristo, Evangelizou-o, baptizou-o e creio que foi o "causador" de o levar a decidir-se  para o santo ministério da Palavra -  Pastor - pregador e ganhador de almas para Cristo.

 Ao Senhor toda a Glória!
Ao Senhor todo o Louvor!
Ao Senhor toda a Adoração

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Uma curiosidade literária de 1781

O Poeta português - Jozé Daniel Rodrigues da Costa

Na nossa biblioteca cá de casa, estão "escondidos" verdadeiros tesouros.
Teremos cerca de 4 mil volumes.
Nos últimos dias, o Jorge, meu marido, decidiu, diariamente dar algum tempo para colocar um pouco de ordem naquelas estantes.  Como ao fim de cerca de 60 anos, que nos conhecemos, ele sabe bem as minhas preferências e gostos literários,  assim sendo, ao passarem-lhe pelas mãos e pelos olhos  os livros, vai seleccionando os que entende que eu apreciarei  e entrega-mos.
Pois bem, nesta última semana tenho-me deliciado com esta leitura. 
Hoje, de manhã cedo, peguei num pequeno livro de quinze páginas e comecei a folheá-lo.
Do que li, seleccionei dois pequenos versos,  que achei muito curiosos e interessantes, e daí, decidi partilhá-los aqui com os amigos:

     "O Sacro Tejo em lágrimas banhado,
Tinha os olhos no chão, e soluçando;
A fonte, o rio, os campos, e o montado,
Foraõ feu  jufto choro acompanhando;
Só fe ouviraõ terniffimos gemidos,
Os mais Fauidozos ais  internecidos.

....

   Vamos cuidar do gado, e da cultura;
Que o tempo, bom Jozino, nos convida;
Pois devemos cuidar da vida dura,
Defta noffa cançada , e trifte vida. "

Nota pessoal: o F  lia-se S

 O autor, Jozé Daniel Rodrigues da Costa, nasceu nas Colmeias, (uma aldeiazinha da região de Leiria que eu conheço, desde a minha infância) em 31 /12/1757 - e morreu em Lisboa em 07/10/1832)

O livro em questão tem apenas 15 páginas e tem como título : 
SAUDADES DOS PASTORES.
ECLOGA,
Em que falam Risseu, e Jozino
na sensível morte
da AUGUSTÍSSIMA E SOBERANA SENHORA
D. MARIANNA VICTORIA
Rainha, e Mãe de Portugal, sucedida no infaufto dia 15, de Janeiro de 1781.

Nota:

Trata-se da Rainha consorte do Rei D. José  I

 (Wikipédia)
 

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Por Portugal a dentro - Castelo de Arouce - Lousã

O encantador Castelo de Arouce - Lousã. Fonte da imagem: umpassodecadaveznoprimeirociclo.blogspot.p

A lenda da Princesa Peralta e o rei Arunce.


 «Conta a história ter sido o Castelo da Lousã mandado construir pelo Rei de Conímbriga chamado Arunce.
Este castelo constituiria assim um local de refúgio que, embrenhado na floresta, confundia os ataques inimigos.
É perante uma invasão a Conímbriga, então porto de mar, praticado pelo Príncipe Lausus, que o Rei Arunce se vê obrigado a fugir para a atalaia da Lousã, levando consigo a sua filha Peralta e todas as suas riquezas.
Contudo, no momento da fuga, a Princesa Peralta e o Príncipe Lausus terão trocado olhares que os deixou enamorados.
O ímpeto de Lausus leva-o a ir em busca da sua amada, percorrendo as serranias da região.
O velho monarca, sabendo das intenções do seu inimigo, resolve ir ao encontro de Lausus, deixando Peralta e as riquezas fechadas no Castelo da Lousã.
Este encontro militar acaba contudo por se tornar fatídico para Arunce e Lausus…
Não havendo ninguém conhecedor do refúgio da Princesa, conta a lenda que ainda hoje, de quando em vez, se ouve o soluçar apaixonado da jovem Peralta, aguardando pelo seu Príncipe.
Em memória dessa história, Lausus terá dado origem ao nome da vila da Lousã, inicialmente Lausana, enquanto que o rio envolvente ao Castelo terá ficado com o nome de Arunce e posteriormente evoluído para Arouce.»



 Nota: Encontrei este interessante trabalho, feito por crianças e seus professores, no blogue:
umpassodecadaveznoprimeirociclo.blogspot.pt

PARABÉNS!

Está muito lindo!

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

COLHE QUEM SEMEIA ~Pastor Dr. João António Marques

O semeador semeando. Fonte da imagem:https://insightscristaos.com/


COLHE QUEM SEMEIA
«Primeiramente, e como está implícito nas palavras do apóstolo - COLHE QUEM SEMEIA .
Esta é uma lei baseada num princípio a que os filósofos chamam determinismo. Há aqui uma relação de causa  e efeito. A causa é a sementeira, o efeito é a colheita. A terra foi preparada por Deus para produzir, tal como  lemos em Génesis: «Ordenou Deus: produza a terra. (...)». Assim, ela está preparada para retibuir ao homem, multiplicado, o que ele lhe lança no seio. A semente lançada à terra brota;  cai  num meio preparado para isso;  tem as condições indispensáveis para a germinação da pequena semente de onde se formará a pequena planta ou árvore frondosa. Assim faz a terra, segundo a lei de Deus. É por isso que o homem pode  encontrar incessantemente nela aquilo que precisa para a sua alimentação. Ele sabe que, lançando à terra as sementes, pode colhê-las multiplicadas e, deste modo, ter tudo o que necessita para a sua manutenção.
A linguagem de Paulo tem aplicação a todos os aspectos da vida do ser humano.. Para qualquer um deles que nos viremos, aí encontraremos a verdade da afirmação: aquilo que fizermos, ser- nos -á,  sempre, retribuído. Lei a que ninguém pode fugir, verdade  indiscutível, Paulo usa-a , com toda a segurança, visando principalmente o lado espiritual da vida do homem.
Há pois necessidade de semear, se queremos colher. A expressão na sua forma negativa, é igualmente verdadeira: quem não semeia, também não colhe. Portanto, se queremos colher frutos, obter resultados,  em qualquer aspecto da vida, temos de semear. Se não semearmos, não colheremos. É certo, que ás vezes, há quem colha sem nunca ter semeado. Colhem o que é alheio, legitimamente ou não. Seja como for, foi necessário,  primeiro semear. Há absoluta necessidade de semear, sempre,  porque se não semearmos, nunca colheremos."

(Pastor Dr. João António Marques - no livro - "Olhai para os Lírios do Campo")

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Ainda, as Mães

A beleza de uma gaivota voando. Fonte da imagem: .bcnplagas.com/gaviotas.html


"A MINHA MÃE QUERIA QUE EU FOSSE AS SUAS ASAS.
PARA VOAR COMO ELA NUNCA TEVE CORAGEM
PARA FAZER. AMO - A POR ISSO.
AMO O FACTO DE ELA TER QUERIDO DAR Á LUZ
AS SUAS PRÓPRIAS  ASAS."

(Erica Jong,  n. 1942)
      

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Porque hoje é Domingo (428)


«O Senhor é justo e compassivo,
o nosso Deus é misericordioso.
O senhor protege os indefesos;
quando eu estava sem forças, ele livrou-me.
Ò minha alma,  tem confiança,
pois o Senhor foi bom para ti.
Ele livrou-me da morte;
Parou as minhas lágrimas e impediu a minha queda.
Por isso, andarei na presença do Senhor.
no mundo dos vivos.»

(Salmo 116:5 a 9)

 Na Bíblia para Todos