domingo, 31 de maio de 2015

Porque hoje é Domingo (341)


Como seguir a Jesus

Quando Jesus viu a multidão que o rodeava, deu ordens para passar à outra margem do lago.
Foi então que se aproximou  um doutor da lei e lhe disse: 
«Mestre, irei contigo para onde quer que fores.» Jesus porém declarou: «As raposas têm as suas tocas e as aves dos céus os seu ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde encostar a cabeça.»
Um dos discípulos pediu: «Senhor deixa-me ir primeiro fazer o enterro  ao meu pai.» Jesus disse-lhe: «Segue-me e deixa  que os mortos enterrem  os seus próprios mortos.»
    (Ev. de S. Mateus cap. 8:18 a 22)

sexta-feira, 29 de maio de 2015

Apresento um pouco da minha Mira-Sintra.

Uma vista da minha  Mira-Sintra, mesmo aqui "a dois passos" da minha casa. 
Repare-se no tom azul do céu; na limpeza - não se vê um papel no chão.
Alás, é o lugar mais limpo que conheço; nem Sintra - Vila - se iguala.
Ao fundo, à esquerda, pode ver-se a Casa da Cultura, onde acontecem eventos todos os fins de semana.
Atrás da Casa da Cultura fica este espaço.
Esta nuvem passou há dias  aqui diante da minha janela.

Um belo pôr-do-sol visto daqui desta janela.

 Uma árvore florida aqui ao pé de casa.
Flores à porta de casa aqui na minha rua.
Nota:

Todas as fotos foram tiradas por mim.

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Quanta alegria me deu, ouvir a Raínha Isabel II do Reino Unido pronunciar o nome de Deus.


                                       A Raínha Isabel II do Reino Unido com o príncipe Filipe, ontem. 


Ontem, casualmente, tive oportunidade de  assistir, via televisão,  ao tradicional  "Discurso da Raínha" na tomada de posse do recém -  eleito novo Governo do Reino Unido.
Foi uma cerimónia bonita, cheia de simbologia, na qual a Raínha recebeu, num pequeno livro, o Programa do Governo, o qual, pausadamente  apresentou, perante uma multidão de gente importante, que assistiu á cerimónia com um profundo respeito. Ao concluir a leitura, e dirigindo-se ao Primeiro Ministro, aos membros do governo e aos deputados eleitos, fixando-os, a Raínha disse:

"QUE DEUS ABENÇOE AS VOSSAS DETERMINAÇÕES":

Comovi-me.

Num mundo em que "não fica bem" falar no nome de Deus, e muito menos manifestar publicamente fé nEle, este gesto de fé da Raínha Isabel II, deu-me muita alegria.
Quem sabe, o nosso governo e os nossos deputados, ganhem coragem e sigam o exemplo da Rainha.
Quem me dera!


quarta-feira, 27 de maio de 2015

A Mãe - segundo Almeida Garret


A mãe é a mais bela obra de Deus.

Almeida Garret

terça-feira, 26 de maio de 2015

Um Alegre e Feliz Aniversário - Maninha Esperança

Fonte da imagem:http://pt.bigpoint.com/
Fonte da imagem: www.1zoom.me

A minha linda e doce maninha Esperança passa hoje o seu 77º aniversário.
Foi uma benção, sem medida, a confraternização á volta da mesa num  agradável restaurante na bela Sintra.
A Esperança estava  muito feliz!
Feliz e linda!
Contagiou todos com a sua alegria.
A certa altura do repasto olhando-me, disse:
"Ah! maninha!  Vê quanto Deus nos tem abençoado"
Parabéns, muitos Parabéns, maninha linda!
Que o Deus dos nossos pais  te abençoe, te guarde e te conceda uma vida longa e feliz.
E, obrigada, muito obrigada, por tanto carinho amor e cuidado para comigo.
O meu abraço


segunda-feira, 25 de maio de 2015

Uma quadra de "Folhas Mortas" - um poema de Pedro Homem de Melo

Lilazes  - Fonte da imagem: www.pond5.com 
Tantos lilazes! Tanta folha nova!
Tanta beleza! E só a vejo eu!
Tanto poeta a apodrecer na cova!
E tanta flor depois que ele morreu!

   (Pedro Homem de Melo - no livro Bodas Vermelhas)

Excerto de um poema dedicado a seu pai no dia em que este morreu.

domingo, 24 de maio de 2015

Porque hoje é Domingo - (340) - QUEM DEVEMOS ADORAR?






Então caí aos seus pés para adorá-lo, mas ele me disse:
"Não faça isso! Sou servo como você e como os seus irmãos
 que se mantêm fiéis ao testemunho de Jesus.
Adore a Deus!
O testemunho de Jesus é o espírito profecia". 
Apocalipse19:10

QUEM DEVEMOS ADORAR? 
Com bastante frequência tenho ouvido a expressão “eu adoro fulano”, ou eu “adoro este artista”, “adoro este quadro”, e por aí vai uma infinidade de adoração.

Creio que muitos falam sem pensar, assim como uma grande maioria dos que conhecem as Escrituras.

O texto que encima esta meditação apresenta o apóstolo João recebendo mensagem de um anjo, e maravilhado com tal aparição, cai a seus pés em atitude de adoração. Imediatamente o anjo esclarece que somente Deus deve ser adorado.

 Noutra ocasião, João também foi impedido de adorar um anjo: “Eu, João, sou aquele que ouviu e viu estas coisas. Tendo-as ouvido e visto, caí aos pés do anjo que me mostrou tudo aquilo para mim, para adorá-lo. Mas ele me disse: Não faça isso! Sou servo como você e seus irmãos, os profetas, e como os que guardam as palavras deste livro. Adore a Deus! (Apoc.22:8-9)

No monte da tentação Jesus também advertiu ao diabo: Jesus respondeu: "Está escrito: Adore o Senhor, o seu Deus e só a ele preste culto” (Lucas 4:8)

Através das páginas da Bíblia encontramos profetas, reis e sacerdotes adorando a Deus.

Tornou-se bastante comum o uso desta expressão infeliz, até dentro das igrejas evangélicas, e pior, na plataforma por pessoas que jamais deveriam usá-la.

Portanto, já é tempo de mudar este jeito de mostrar admiração. Seria melhor trocar a palavra adorar por amar. “Amei este quadro, este jantar, esta cidade, fulano de tal”. Vamos dirigir nossa adoração somente a Deus que se agradará sobremaneira.

Assim, nosso cântico será coerente: “Vamos adorar a Deus, vamos adorar a Deus. Vamos exaltar seu nome vamos adorar a Deus. Ele veio em minha vida num dia especial, trocou meu coração por outro sem igual, e essa é a razão porque eu canto assim: vamos adorar a Deus”! ·

Que assim seja
Pastor Orlando Arraz Maz - no blogue - http://arrazmaz.blogspot.pt/

sábado, 23 de maio de 2015

SE EU FOSSE A LIBERDADE - Célia M. Marques


SE EU FOSSE A LIBERDADE
 
Se eu fosse a  Liberdade
       dava um pouco de MIM
       a todos os  SERES  vivos
       para fazerem o BEM.
 
       Ás crianças,
               para brincarem.     
       Aos jovens para se amarem.
       Aos políticos para se compreenderem.
       Ás avezinhas, para voarem no alto dos céus.
 
Se eu fosse a LIBERDADE...
       gostava que os homens se unissem.
 
(Célia Maria Marques, 9º -H)
No livro - PALAVRAS DE PAZ
Uma experiência pedagógica pela paz
Esc.Sec. Santa Maris - Sintra 1987
Câmara Municipal de Sintra

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Quanto mais de perto seguirmos Cristo, mais parecidos com Ele nos tornaremos



«Quando Moisés desceu do Monte Sinai, após ter recebido de Deus os Dez Mandamentos, a Bíblia diz que a sua face brilhava intensamente por ele ter estado na presença do SENHOR (cf. Êxodo 34:29-35). Moisés teve, inclusive, de colocar um véu sobre o seu rosto, para que as pessoas, ao olharem para ele, não ficassem intimidadas.
A glória que o Espírito Santo dá ao crente que aceita Jesus Cristo como seu único e suficiente Salvador é ainda mais excelente e durável do que a glória que Moisés experimentou. Jesus Cristo disse: “quem me vê a mim, vê o Pai” (João 14:9). Jesus não só é o caminho para Deus, mas Ele é também a verdade de Deus e a vida de Deus (cf. João 14:6). 
Nas Boas Novas do Evangelho vemos a verdade a respeito de Cristo, e esta transforma-nos, moralmente, “de glória em glória”, na medida em que a compreendemos e aplicamos à prática das nossas vidas. Conhecendo Cristo e aprendendo sobre a Sua vida podemos melhor conhecer e entender quem é Deus, tornando-nos cada vez mais parecidos com Ele.
À medida que o nosso conhecimento de Cristo se aprofunda, o Seu Espírito Santo ajudar-nos-á a mudar o nosso carácter, num processo de contínua transformação, que nos ajudará a reflectir em nosso viver, ainda que palidamente, o carácter de Cristo. “Contemplando, como por espelho, a glória do Senhor, somos transformados, de glória em glória, na sua própria imagem, como pelo Senhor, o Espírito.” (2 Coríntios 3:18).
Assim quanto mais de perto seguirmos o Senhor Jesus Cristo, no nosso dia-a-dia, mais parecidos com Ele nos tornaremos, reflectindo cada vez mais a Sua glória e carácter, numa experiência progressiva, “até que todos cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, à perfeita varonilidade, à medida da estatura da plenitude de Cristo” (cf. Efésios 4:13).»
(beap)

 Pastor João Serafim Regueiras  - no blogue -http://jsr-igreja.blogspot.pt

quarta-feira, 20 de maio de 2015

O Tijolo - Michel Quoist




Construindo - Fonte da imagem: www.youtube.com

«O pedreiro deitava o tijolo na camada de cimento.
Manejando a pá  com segurança, lançava-lhe por cima outra camada.
E, sem lhe pedir opinião, punha  por cima outro tijolo.
As paredes cresciam a olhos vistos.
A casa ia elevar-se, alta  e sólida, para abrigar os homens.

Tenho pensado, Senhor, nesse pobre tijolo, enterrado, noite dentro, ao pé da grande casa.
Ninguém o vê, mas ele desempenha bem o seu papel e os outros  precisam dele.
Senhor, que importa que eu esteja no cimo da casa ou nos seus alicerces, contanto que eu seja fiel, bem no meu lugar, na tua construção».

(Michel Quoist - no livro - Poemas para Rezar - página 39)

terça-feira, 19 de maio de 2015

Um poema de Miguel Torga - III de Lamentação

O poeta português Miguel Torga
 III

O verdadeiro pão tem alegria!
Tem o saibo da terra e a luz do sol!
E é de todos!
E há-de acalmar a mão,
se é realmente o  pão
da pele dos ossos e do coração!

E depois dele há-de ficar no sangue
um desejo sem fim de amar a vida!
Mas amá-la na seiva, no mais fundo,
no mais branco do mundo,
lá onde ela se estrema, recolhida!

Há-de correr nas veias
uma onda de paz,
E as horas, depois,
longas e fundas como a azul do mar,
hão-de ser puras e de cada um.
A chorar,
a sorrir, 
cada qual há-de poder passar,
e chegar, 
se tinha verdadeiramente onde ir!

Pelas noites mais vastas e discretas,
quando se gera orvalho e nascem flores,
 - Os rouxinóis que fazem, Senhor Homem?
Comem?
 - Não: cantam os seus amores!

(Miguel Torga - no livro Poesia  Completa I - Lamentação III - 1943)

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Estudante de Abrantes volta a sagrar-se campeão mundial de calculo mental

o Jovem João Silva Bento - Primeiro classificado  
 É o segundo ano consecutivo que João Silva Bento, de 13 anos, vence o SuperTmátc.

«João Silva Bento, 13 anos, estudante do 7.º ano na Escola Secundária Manuel Fernandes, em Abrantes, sagrou-se campeão mundial de cálculo mental pelo segundo ano consecutivo, tendo obtido o recorde mundial da prova deste ano.
Num ano em que Portugal ficou em primeiro lugar na geral do SuperTmatic — concurso de cálculo mental com jogo de cartas destinado ao treino das operações básicas da matemática —, e com vários estudantes lusos a conquistarem posições cimeiras nos diversos escalões etários, João Bento conquistou o 1.º lugar no seu escalão e o melhor tempo mundial, com um tempo de resolução de 33,66 segundos às 15 equações que lhe foram apresentadas.
"Estou muito feliz porque consegui o meu objectivo, que era o de melhorar o tempo do ano passado, e reduzi esse tempo de resposta de 42,5 para os 33,6. Foi muito bom e foi mesmo o melhor tempo mundial, de entre todos os participantes da edição deste ano", disse nesta terça-feira à agência Lusa o jovem estudante da escola secundária de Abrantes, resultado que atribuiu ao "trabalho e ao treino".

João Bento, residente em Alferrarede, no concelho de Abrantes, teve um tempo médio de resposta às 15 perguntas de dois segundos e 22 milésimos de segundo, totalizando 33,6 segundos, recorde mundial em todos os escalões da competição. O segundo classificado do seu escalão ficou a uma distância de 12 segundos, tendo obtido o tempo de 46,2 segundos. O décimo classificado, um britânico, demorou 51,37 segundos a resolver mentalmente os problemas matemáticos apresentados no concurso.
"A vitória do ano passado deu-me estímulo para fazer mais exercícios e treinei mais para esta edição do que para a do ano passado. Mas 12 segundos de diferença é muito tempo, sim", destacou João Bento.
A notícia foi confirmada na noite de segunda-feira, 11 de Maio, no site da Eudactica, uma editora de materiais didácticos dedicados a estimular a agilidade mental e o desenvolvimento cognitivo, de acordo com a própria empresa.
A organizadora do evento mundial disponibilizou na sua página na Internet a classificação parcial da competição, tendo divulgado a classificação dos primeiros 20 países no concurso SuperTmatik 2014/2015, e a classificação dos dez melhores alunos de cada escalão.

A competição relativa aos Campeonatos SuperTmatik, que decorrem anualmente e online, envolveu no ano passado 36.725 finalistas de 61 nacionalidades diferentes, tendo o estudante português, João Bento, conquistado o 1.º lugar no seu escalão, com um tempo de resolução de 42,5 segundos às 15 equações que lhe foram apresentadas.
"O João Bento tem uma velocidade cálculo mental inacreditável, desde pequeno que demonstrava ter esta capacidade, que é inata", disse à Lusa o pai de João Bento, Jorge Bento, tendo observado que o seu filho "é um aluno mediano, um pouco nervoso, mas muito metódico".
"Obter o recorde da prova em todos os escalões e dar 12 segundos de avanço ao segundo classificado do seu escalão é revelador do seu potencial. Este ano trabalhou mais, preparou-se melhor, e obteve este resultado fantástico. É inacreditável e estou muito satisfeito, por ele, mas ao mesmo tempo algo apreensivo, porque não sei quem o possa ajudar a ir mais além", contou.
"É um caso muito sério e acho que preciso de ajuda, de ir à procura de alguém que o possa direccionar para ele poder continuar a evoluir", disse ainda o pai do jovem campeão do cálculo mental.
A vitória no ano passado deu a João Bento um troféu de cristal e a possibilidade de jantar com o Presidente da República, Cavaco Silva, a convite deste. "O jantar foi bom. Se me convidar, vou outra vez", antecipou o campeão».
( http://www.publico.pt/)

Nota:

Confesso que esta notícia  deixou-me batante alegre e um tanto vaidosa.
"O nosso João de  Portugal  nossa Pátria" - foi o melhor a nível mundial!
Se pudesse dava-lhe um grande abraço.
Como não posso, mando-lhe por aqui.
Muitos Parabéns, João!
Estou contigo.

domingo, 17 de maio de 2015

Porque hoje é Domingo (339)

«O que busca o bem busca favor, mas o que procura o mal, esse lhe sobrevirá.
Aquele que confia nas suas riquezas cairá,  mas os justos reverdecerão como a folhagem.
O que perturba a sua casa herdará o vento, e o tolo será servo do sábio de coração.
O fruto do justo é árvore de vida, e o que ganha almas sábio é.
    (Livro de Provérbios cap.11:27 a 30)

sábado, 16 de maio de 2015

Mensageiros da Boas Novas - Pastor Samuel Quimputo

 
«É incontestável o ensino bíblico da auto-suficiência de Deus. A sua vontade é soberana e será inevitavelmente realizada. No fim de tudo, o Seu plano de salvação será executado com toda a precisão e justiça (Isaías 43:13; 46:9,10).
Porém, algo de maravilhoso nos é revelado nas Escrituras e que se prende com o facto de este mesmo Deus, soberano e auto-suficiente, cuja existência não depende de outro ser, ser também aquele que, com o seu amor e beneplácito, resolve realizar a sua vontade, manifestar a sua providência e executar os seus planos redentores, usando as suas criaturas (anjos e homens) na concretização dos seus planos.
No caso dos seres humanos, esta  verdade é reveladora da bondade e da complacência do grande Deus que se deleita em usar criaturas tão fracas e inconstantes como nós, e connosco graciosamente coopera,  na realização da sua vontade.
Como Rei e Salvador, por excelência,  Deus continua a redimir homens e mulheres, tirando-os do poder das trevas e transportando-os “para o reino do seu Filho amado” (Colossenses 1:13). E, ao fazê-lo, convidando pecadores alienados e rebeldes a arrependerem-se da sua impiedade, Ele usa aqueles que já experimentaram a graça salvadora, e que se renderam a Cristo, como seus servos, a fim de proclamaram a mensagem da salvação.
O ministério de anunciar o Reino de Deus é o empreendimento mais nobre que Ele concedeu a todos aqueles que foram lavados pelo imaculado sangue do Senhor Jesus. É um legado missionário que nos foi deixado pelo próprio Deus, ao enviar o Seu Filho à terra, na semelhança da nossa carne, a fim de que, pelo seu sacrifício, fôssemos redimidos.

Maravilhado com  tamanho privilégio, Isaías proclama a bem-aventurança daquele cujos pés se prontificam a anunciar a mensagem da salvação. Os seus pés são considerados “formosos” porque:
- anunciam as boas novas, isto é, boas notícias, o evangelho que revela o poder salvador de Deus (Romanos 1: 16; 1 Coríntios 1:18);
- proclamam a paz com Deus que garante a nossa segurança e nos faz experimentar a paz de Deus;
- anunciam o bem que emana do Pai das luzes, a fonte de toda a bênção e de toda a boa dádiva, cujo coração é bondoso e cheio de misericórdia (Tiago 1:17);
- proclamam a salvação eterna que nos vem pelo Amado, que se deu a si mesmo para ser o nosso representante, substituto e também o nosso suficiente Salvador, por meio de quem fomos perdoados, reconciliados com Deus e feitos ministros da reconciliação (2 Coríntios 5:18,19).
Todo o empenho missionário daqueles que já foram alcançados pela maravilhosa graça de Deus tem como objetivo primordial a proclamação do reino (isto é, do governo) universal de Deus, onde Cristo é entronizado e conclamado Rei.
Fazer missões, portanto, é assumir a função de cooperador de Deus no anúncio das boas-novas da salvação e do domínio do nosso bom Pai.
O apóstolo Paulo afirmou que “a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Cristo” (Romanos 10:17); o que significa que a Palavra de Deus é o meio instrumental, por excelência, na proclamação do evangelho da graça.
Que os nossos pés se apressem na proclamação das Boas-Novas da salvação».

 Soli Deo Gloria! 

 Pastor Samuel Quimputo - Igreja Evangélica Baptista de Sete-Rios - Lisboa

sexta-feira, 15 de maio de 2015

DO GRANDE LIVRO DO AMOR


Querida, amo-te
por seres linda,
pela arte com que pintas, bordas
e rimas,
mas, acima de tudo, porque vês,
nos nossos corações,
segredos por desvendar
e em que confiar,
parando o tempo.

(TOM MCGATH - 1940)

No grande Livro do  AMOR  de  Hellen Exley

quinta-feira, 14 de maio de 2015

Ilhas Fraser - Queensland - Austrália - Se puder vá até lá

Ilhas Fraser - Queensland - Austrália . Fonte da imagem:  www.queroviajarmais.com

 Do livro - 1001 Maravilhas Naturais - que deveria ver antes de morrer - da autoria de Michael Bright, e a mim oferecido, como presente valioso, pelo meu filho João Marcos, seleccionei  este lugar paradisíaco em Queensland - na Austrália, para partilhar aqui com os amigos.
Alguns dados sobre a Ilha Fraser:

125km de comprimento e 12 de largura
Área:1660 metros quadrados
Localização:
Ao largo da Costa da Baía Hervey, 300 km a norte de Brisbane.

A  ilha Fraser é o maior sistema de ilhas de areia e dunas costeiras do mundo. A sua formação remonta á última Idade do Gelo quando os ventos persistentes transportavam para Norte vastas quantidades de areia  do Norte da Nova Gales do Sul e a depositavam ao longo da costa de Queensland. O frágil ecossistema consiste numa luxuriante floresta tropical, crescendo em areia pura - o único lugar do mundo onde este fenómeno se verifica. Uma espécie vegetal que pode ser encontrada é o raro feto angiopteridófito, um dos maiores do mundo...
... Dingos  e valabis vivem nesta ilha e 200 espécies de aves em florestas de eucalipto junto aos regatos cristalinos e praias desertas com areal branco. É possível observar  baleias da baía de Hervey. A ilha Fraser foi descoberta e apelidada  quando Eliza Fraser  se encontrava prestes a dar à  luz, a bordo do navio "Sterling Castle", no dia 13 de Março de 1836. A embarcação embateu na Grande Barreira de Coral e, apesar de Eliza se ter conseguido salvar do afogamento, foi posteriormente capturada por aborígenes, sendo mais tarde salva.
(GM)

quarta-feira, 13 de maio de 2015

A roseira bela no pequeno jardim da casa velha.

 Rosas antigas Fonte da imagem: dorasantoro.blogspot.com
Ontem, aproveitando as férias do filho Zé, e o dia magnifico de verão, fomos passear para um lugar paradisíaco, perto de Colares- Sintra
À beira do caminho, por trás de uma àrvore muito bela, cujas folhas eram da côr do ouro,  em plena Primavera, de cujos galhos pendiam ramos de flores de um branco-creme, muito perfumadas, estava uma casa antiga, fechada e abandonada já há muito tempo, com um pequeno terraço onde ainda se mantem firme um banco de jardim, como que à espera que a dona da casa nele se venha sentar  para  lá de cima, contemplar a paisagem deslumbrante. Abaixo do terraço um  pequeno canteiro, onde teimosamente, persistentemente, uma roseira, oferece a quem passa  como eu, uma espécie de rosas antigas, muito enroladinhas sobre si próprias, de um tom de rosa-claro.
 Mais uma vez, constatei uma grande realidade que já há  muito descobri por mim própria: As pessoas passam, as casa degradam-se com o tempo, mas as flores, essa obra divina, tão tocante e bela, continuam a surgir em cada Primavera, persistentemente, mantendo sempre a sua mágica beleza.
Dá que pensar.

terça-feira, 12 de maio de 2015

MÃE

MÃE

O mais duro dilema da mãe
está em que ela deseja ter
sempre o seu filho ao seu lado
enquanto sabe
ser parte da sua missão
preparar o filho
para se separar dela.
 
(Bachilide)

Nota pessoal:
Eu que o diga...
Já "levantaram voo"
os quatro.

segunda-feira, 11 de maio de 2015

PARA O BEM COMUM DA FAMÍLIA - Pastor Samuel Quimputo


«Um dos aspetos mais marcantes e singulares da espiritualidade cristã é a verdade de que todos os que foram regenerados pelo Espírito divino e que receberam a nova vida como dádiva do bom Deus recebem uma nova identidade e são integrados na nova família, onde encontram novos irmãos, novos amigos,  enfim, um novo espaço de partilha de cuidados e de afetos.
O extraordinário em tudo isto é o  facto de, nesse novo ambiente de vida e de culto, se destacarem mais os aspetos que os membros desta nova família desfrutam em comum: o mesmo Deus e Pai, o mesmo Espírito santificador, o mesmo Senhor e Salvador, o mesmo evangelho, a mesma fé, a mesma esperança.
Na experiência da nova vida em comum, as diferenças não são, nem anuladas, nem ignoradas; contudo, as semelhanças e tudo aquilo que os membros da família partilham em comum são destacados e sobrevalorizados. Tudo o que ganhava relevo, no que diz respeito aos padrões do mundo, como a diferença de classes, de género, de nacionalidade, é suplantado por um espírito de  comunhão, de respeito mútuo e de aceitação, onde todos são encarados como irmãos, santos e amados do Deus da graça.
Infelizmente, existe no âmago da personalidade humana uma apetência e um desejo doentio de sobrevalorizar mais as diferenças do que aquilo que se partilha em comum.
Pelo contrário, a Bíblia estabelece uma única divisão entre os humanos: aqueles que amam e temem ao Senhor, por um lado, e os impenitentes (ou ímpios),  que desprezam a graça, por outro.
Desafortunadamente, mesmo no ambiente da própria Igreja, a nova família de Deus, a tendência para destacar o que é diferente continua a estar presente. Muitas vezes, os interesses e as inclinações pessoais egoístas colocam obstáculos que impedem o usufruto dos benefícios comuns que nos foram outorgados pela maravilhosa graça de Deus.

Não é por acaso que o apóstolo Paulo, ao escrever aos coríntios, os exorta (com rogos) a concordarem no seu modo de falar, isto é, que procurassem ter um discurso consensual. De igual modo, desencorajou-os de forma a não semear um ambiente de dissensões e de rixas, que só produzem estagnação espiritual e esterilidade evangelística.
Em vez de promoverem egos exaltados e divisões, os coríntios são incentivados a desenvolver um espírito de unidade mental, que não ignora as diferenças, mas que procura convergir os interesses pessoais para o bem comum de toda a família de fé.
Todo o esforço para promover o equilíbrio no relacionamento de cada membro da família cristã com os demais irmãos é prova de maturidade espiritual, reveladora do caráter cristão que promove a paz entre os santos (2 Coríntios 13:11).
Partindo de uma das metáforas prediletas do apóstolo Paulo, com a qual compara a Igreja a um corpo vivo, podemos afirmar, sem reserva, que, embora ele distinga os membros do corpo uns dos outros quanto ao cumprimento das suas funções, o que o apóstolo procura destacar é a interdependência existente entre os mesmos e a sua relação com a “cabeça”, que é Cristo (1 Coríntios 12: 12, 20, 25; Romanos 12:5,6).
Resta-nos, portanto, escolher o caminho indicado pelo Senhor, e seguido pelos apóstolos, que contribui para o crescimento de cada membro, para a edificação da igreja, como um todo, e para a promoção do bem comum de toda a família de fé.»

Soli Deo Gloria! 

Pastor Samuel Quimputo  - Igreja Evangélica. Baptista de Sete - Rios - Lisboa

domingo, 10 de maio de 2015

Porque hoje é Domingo (338) - Mães - Iguais em todos os tempos


MÃES  - IGUAIS EM TODOS OS TEMPOS

«Então  se aproximou dele a mãe dos filhos de Zebedeu, com seus filhos, adorando - o,  e fazendo-lhe um pedido.
E ele disse-lhe: Que queres? Ela respondeu: concede que estes  meus dois filhos se assentem, uma tua direita e outro à tua esquerda, no teu reino». ( Ev. de S. Mateus cap. 20:20 e 21)

O evangelista São Mateus relata em seu evangelho uma ocasião em que dois discípulos, acompanhados de sua mãe, se aproximaram de Jesus, e fizeram um pedido. Tratava-se de uma mulher piedosa e reverente, pois se prostrou diante de Jesus. Seu nome seria Salomé, irmã de Maria, conforme muitos pensam, e assim seria tia de Jesus.
Seu pedido foi inusitado: que seus filhos se assentassem um de cada lado no seu reino. 
Embora revestida de total ignorância no que pedia, devemos reconhecer nela boas qualidades: queria o melhor lugar para seus filhos – perto de Jesus; cria nele sem reservas na certeza de que teria um reino; cria que ele triunfaria sobre seus adversários e que seu governo seria reto. É interessante notar que enquanto pedia uma posição digna para seus filhos, um lugar de honra, o ladrão na cruz pedia um lugar no paraíso.
Nossos pedidos, muitas vezes, revelam o egoísmo que existe dentro de nós, e nossa total incapacidade em orar. Devemos ser gratos ao Espírito Santo que ”intercede por nós com gemidos inexprimíveis”. (Rom.8:26).
O pedido dessa mãe, embora fora de contexto, tem sido criticado, pois revela sua ambição e pretensão desejando um lugar de honra para seus filhos. Entretanto, nos esquecemos de exaltar sua fé no Senhor Jesus e a certeza inabalável que ele teria um reino, assim como o ladrão na cruz que também cria em Cristo e desejava estar com ele no paraíso.
Que nossas orações, embora deficientes, muitas vezes ambiciosas, sejam revestidas da sinceridade desta nobre mulher, crendo sem reservas na pessoa do Senhor Jesus, e no governo do seu reino, onde um dia se assentará para julgar com equidade e justiça. Que imitemos sua fé.
Que assim seja
Pastor Orlando Arraz Maz -  http://arrazmaz.blogspot.pt/

Nota:

Hoje, segundo Domingo de Maio, de acordo com uma tradição de mais de cem anos, iniciada numa Igreja Baptista no Estados Unidos da América - por Ana Jarvis - uma jovem que ficara sem a sua mãe, celebramos nas igrejas Baptistas, a nível mundial,  o DIA DAS MÃES.
Daí, publicar este texto.
 

sábado, 9 de maio de 2015

Era assim a senhora Rosa - Ilse losa

 
      A escritora portuguesa  Ilse   losa
Era assim a senhora Rosa

A senhora Rosa e o seu filho Luís tiveram de deixar, para sempre,  a sua casinha de aldeia.
Foi num destes dias de Primavera em que, no dizer da senhora Rosa, o tempo  estava «macio como seda». Aliás, ela nunca dizia : «Está bom rempo»  ou está «mau tempo», mas sim: «O tempo está a vir brandinho»  quando, pela manhã,  o Sol espreitava, tímido, entre as nuvens, ou:  «O tempo desabafa» quando chovia a potes. E sempre que dizia  «O tempo está macio como seda», isso significava que não havia calor a mais, a claridade da luz não feria os olhos e a aragem soprava leve como o fru-fru das sedas. 
E quando as  árvores de fruto se cobriam abundantemente de flores brancas e rosas, ela avisava: «Estão noivas!» E depois, quando se vergavam sob o peso dos frutos ainda verdes, interrogava: «Como é que estas pobres árvores vão aguentar com tanta filharada?»
Era assim a senhora Rosa, mãe de Luís.

(Ilse losa - no Boletim  Cultural da Fundação Calouste Gulbenkian
Serviço de Bibliotecas Itinerantes e fixas - 1990)
 

  Sobre Ilse Losa:
Ilse Lieblich Losa (Nasceu em Melle - Buer - Alemanha, a 20 de Março de 1913 e faleceu no Porto, a 6 de Janeiro de 2006).
Foi uma escritora portuguesa de origem judaica.

sexta-feira, 8 de maio de 2015

Que vivam felizes - Sebastião da Gama

Sebastião da Gama . Fonte: pf2000.essg.pt
 Que vivam felizes

«O que eu quero principalmente é que vivam felizes.»
Não lhes disse talvez estas palavras, mas foi isto o que eu quis dizer. No sumário, pus assim: «Conversa amena com os rapazes».
 E pedi, mais que tudo, uma coisa que eu costumo pedir aos meus alunos: Lealdade. Lealdade para comigo e lealdade  de cada um para outro. Lealdade que não se limita a não enganar o professor ou o companheiro: Lealdade activa, que nos leva, por exemplo, a contar abertamente os nossos pontos fracos ou a rir quando temos vontade (e então rir mesmo, porque não é lealdade deixar então de rir) ou a não ajudar falsamente o companheiro.
       «Não sou, junto de vós,  mais do que um camarada um bocadinho mais velho. Sei coisas que vocês não sabem, do mesmo modo que vocês  sabem coisas que eu não sei ou já esqueci. Estou aqui para ensinar umas e aprender outras.Ensinar, não, falar delas.
Aqui e o pátio e na rua e no vapor e no comboio e no jardim e onde quer que nos encontremos.»
          Não acabei sem lhes fazer notar qu «a aula é nossa». Que a todos  cabe o direito de falar, desde que fale um de cada vez e não corte a palavra ao que está com ela.

Sebastião da Gama
No Boletim cultural  - Fundação Calouste Gulbenkian
Serviço de Bibliotecas Itenerantes e Fixas - Dezembro de 1990

Nota:
 Para quem esteja interessado, aqui deixo alguma informação sobre este  homem notável, que eu tanto admiro - Sebastião da Gama:

Sebastião Artur Cardoso da Gama (Vila Nogueira de Azeitão, 10 de abril de 1924Lisboa, 7 de fevereiro de 1952) foi um poeta e professor português,
Sebastião da Gama licenciou-se em Filologia Românica, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa1 , em 1947.
Foi professor em Lisboa, na Escola Industrial e Comercial Veiga Beirão, em Setúbal, na Escola Industrial e Comercial (atual Escola Secundária Sebastião da Gama) e, em Estremoz, na Escola Industrial e Comercial local.
Colaborou nas revistas Mundo Literário 2 (1946-1948), Árvore e Távola Redonda.
A sua obra encontra-se ligada à Serra da Arrábida, onde vivia e que tomou por motivo poético de primeiro plano (desde logo no seu livro de estreia, Serra-Mãe, de 1945), e à sua tragédia pessoal, motivada pela doença que o vitimou precocemente, a tuberculose.
Uma carta sua, enviada em Agosto de 1947, para várias personalidades, a pedir a defesa da Serra da Arrábida, constituiu a motivação para a criação da LPN Liga para a Protecção da Natureza, em 1948, a primeira associação ecologista portuguesa.3
O seu Diário, editado postumamente, em 1958, é um interessantíssimo testemunho da sua experiência como docente e uma valiosa reflexão sobre o ensino.
As Juntas de Freguesia de São Lourenço e de São Simão, instituíram, com o seu nome, um Prémio Nacional de Poesia. No dia 1 de Junho de 1999, foi inaugurado em Vila Nogueira de Azeitão, o Museu Sebastião da Gama, destinado a preservar a memória e a obra do Poeta da Arrábida, como era também conhecido.
Faleceu vitima de tuberculose renal, de que sofria desde adolescente.
Fonte:
( http://pt.wikipedia.org/wiki/Sebasti%C3%A3o_da_Gama)

quinta-feira, 7 de maio de 2015

LINHA DO HORIZONTE - Fernando Pessoa

 
Linha do Horizonte - Fonte da imagem: www.casalmisterio.com

Apanhei quatro livros da estante, aqui ao lado, a fim de seleccionar  algo interessante e bonito  para partilhar aqui com os amigos. Abri o  primeiro que me veio à mão  e dei com os olhos nesta preciosidade, escrita por Fernando Pessoa:

HORIZONTE

Ó mar anterior a nós, teus medos
Tinham coral e praias  e arvoredos.
Desvendadas a noite e a cerração,
As tormentas passadas e o mystério,
Abria em flor o Longe, e o Sul siderio
Splendia sobre as naus da iniciação.

Linha severa da longínqua costa -
Quando a nau se aproxima ergue-se a encosta
Em árvores onde o Longe nada tinha;
Mais perto, abre-se a terra em sons e cores;
E, no desembarcar, ha aves, flores,
Onde era só, de longe a abstrata linha.

O sonho é ver as formas invisíveis
Da distancia imprecisa, e, com sensíveis
Movimentos da esprança e da vontade,
A árvore, a praia, a flor, a ave, a fonte -
Os beijos merecidos da  Verdade.

(Fernando Pessoa -  no livro - A mensagem)