sábado, 18 de março de 2017

Coisinhas simples

Duas simples pinhas  de pinheiro manso, que encontrei  durante um passeio. Atrás, um "molhinho de junco", igual ao que tanto manuseei, quando bem jovem, trabalhei num tear. Parece-me ainda sentir o cheiro do enxofre com que o  amaciávamos e o branqueávamos, no tonel  de madeira, com um pratinho de enxofre a arder, lá no fundo...


 

2 comentários:

Fmaria Mesquita disse...

E são nessas coisinhas simples que encontramos significados da vida, que tão teimosamente descuramos. Pequeninas que nos enchem a alma. Sei o que sentiu Viviana. Adoro perder-me e achar-me no que é simples, sobretudo se elas nos trazem essências de nós, passados que nos construiram.

Viviana disse...

Querida Fernanda

Poetisa de alma bela...

Eu sei, eu sei como tão bem me entende. Sorrio ao pensar.

É tão bom encontrar alguém que consiga ler e sentir o que nos vai na alma...

Obrigada boa amiga

O meu fraterno abraço para si e para o estimado Eduardo.
Viviana