quinta-feira, 29 de abril de 2010

Antes e depois da "ti Pinta" (tia Pinta) partir


A minha amiga ti Pinta, olhando para mim
Veja-se a brancura.
Até os vasos estão pintados e as flores de plástico lavadas.


Antes dela partir era assim.


Agora...uma rosa esperando por ela, como sempre.


Um belíssimo botão de rosa perfumado.


A verdura luxuriante da roseira.


Os belos brincos de princesa, aguardam que ela venha vê-los.


A janelinha da cozinha ainda com a cortina.


Não é a mesma cancela. As ervas a invadir.




O tanque onde lavava, engolido pela erva da fortuna.


Diante da porta de entrada. O alguidar da roupa.


Algumas das suas roupas.


Os seus vasos amontoados.


É este o aspecto agora.

A ti Pinta era uma das minhas amigas da aldeia de Maceira - Pero Pinheiro.
Aldeia essa onde os meus viveram durante mais de cinquenta anos.
Ela vivia numa casa muito antiga. Uma casa caracteristicamente saloia, que ficava á beira de um caminho, muito perto da casa dos meus pais.Tinha um pequeno murinho junto á porta de entrada, que formava um pequeno pátio, com uma cancela de madeira pintada de verde. Tinha um pequeno mas sempre bem cuidado jardinzinho onde chamava a atenção principalmente uma linda e rara roseira de folhas verde-escuras e grandes e perfumadas rosas cor - de - rosa, e um arbusto de brincos de princesa que dava flores muito belas e enormes.
A porta, única porta, dava para uma divisão onde as lages naturais serviam de pavimento.Era uma sala, onde estava incluida a cozinha, com todos aqueles "equipamentos" em pedra mármore rosada, existente naquela zona. Tinha o poial onde estavam as bilhas com a água que se ia buscar á fonte.Havia um forno de cozer o pão, metido na parede, assim como umas pequenas prateleiras. Uma pequena escada de pedra levava ao andar superior, onde ficava a sala e os quartos, cujo chão era de madeira, formado por tábuas compridas. O tecto não era forrado, era atravessado por vigas de madeira que iam de um lado ao outro da parede.
Nessa divisão havia uma janela com um vidro único, e com dois suportes para colocar vasos de flores, um de cada lado da janela, da parte de fora.
Eu estive lá dentro e recordo que achei aquela casa extraordinária.
A ti Pinta sempre mantinha tudo limpo e arranjado. Mesmo já com mais de noventa anos, todos os anos pela altura do S. João( Padroeiro da terra), ela esmerava-se a caiar as paredes dentro e fora da casa, e o murinho,de tal modo que reluzia de brancura.
A ti Pinta ficou viúva muito cedo e nunca mais casou nem teve nenhum companheiro.
Morreu-lhe uma filha muito nova, num acidente de carro quando vinha de França passar as férias a Portugal.
Restou-lhe apenas um filho que casou e foi viver para perto de Mafra.
Eu e a ti Pinta dávamo-nos muito bem. Éramos boas amigas, embora sendo ela bastante mais velha do que eu.
Recordo, com saudade, que todas as vezes que eu passava á sua porta ficávamos sempre a conversar um pouco. Ela tratava-me por "menina Viviana".
Pois bem, esta minha amiga morreu o ano passado, sem que eu tivesse sabido a tempo de ir ao seu funeral.Isto entristeceu-me bastante, pois eu queria muito acompanhá-la á sua última morada. Só o soube depois.
Por ter usado outro caminho, desde que ela morreu nunca mais tinha passado diante da porta dela.
Esta semana quando fui á aldeia lembrei-me de ir espreitar e ver como estava a casa da ti Pinta.
Eu fiquei chocada com o que encontrei.Havia lixo por todo o lado no pátio diante da porta.Dava ideia de que alguém lá foi despejar entulho e coisas velhas.Os seus vasos com as plantas que ela cuidava com tanto carinho, estavam virados e amontoados em cima do telhado da capoeira das galinhas. Algumas das suas roupas estavam espalhadas em cima da coelheira, apodrecendo á chuva. O seu alguidar de lavar a roupa estava caído no chão diante da porta, As ervas daninhas tomaram conta de tudo. Inclusivé já galgaram por cima do tanque de lavar a roupa.
Uma tristeza! Uma imensa tristeza!
Como foi possível em tão pouco tempo ficar tudo vandalizado e destruído?
Ah! mas havia algo que permanecia igual, quiçá muito mais belo e atraente: As suas queridas e estimadas Rosas perfumadissimas, no meio da brilhante e fresca folhagem verde. Também os enormes Brincos de Princesa caíam em cachos lá do alto do antigo arbusto.
O perfume das rosas fazia-se anunciar ainda longe.
Que eu saiba, ninguém na aldeia tem roseiras daquelas. Daquelas, só me lembro de uma que havia na minha infância junto á casa onde eu morei em Leiria.
Penso que as rosas e os brincos de princesa ainda não perceberam que a ti Pinta já cá não está. Aguardam que ela apareça a qualquer momento para as acarinhar.

16 comentários:

gaivota disse...

é uma tristeza, minha amiga...
é a partida anunciada nas imagens que ficam ao abandono e ao desespero...
a roupa, por aí, fiquei chocada, sinceramente! como é possível!?!??!
lindas rosas e brincos de princesa!
bom fim de semana
beijinhos

Sapatinho de cristal disse...

Que triste Meu anjo Viviana, muito triste isso, vê que com a partida tudo fica ao acaso, jogado, so as rosas e as flores permancem embelezado o ambiente que um dia foi habitanto por alguem tão especial...

Bjim:*

Sara Leal disse...

Pelo Menos ficou a linda roseira para recordá-la naquele local.

Mas, todos nós temos de partir e de certeza que ela agora está muito feliz:)

Bjs

Neta SARITA

renato disse...

Olá Viviana!

A degradação a que se deixa coisas tão lindas, depois da "partida" de alguém, despedaça-nos o coração!

Resta-me ver o lado artistico da situação, para realçar as belas fotos exibidas!

Um abraço e uma óptima noite,

Grande abraço,


Renato

manuel marques disse...

Passei para lhe desejar um bom fds.

Beijo.

Ao toque do Amor disse...

Olá,minha linda e doce Viviana
vim, te visitar, para te oferecer o selo de 25 mil visitas do toque e o selo do dia das mães.
Já vou correndo,fazer um mimo pra voce, dos seus 100 seguidores.
Espere um pouquinho
Deus seja contigo
san

Rosa disse...

Olá viviana

Contrastes, que nos fazem pensar no que é a vida e no que "nela" tem importância...



"O que você deixa para trás não é o que é gravado em monumentos de pedra, mas o que é tecido nas vidas de outros."
( Péricles )

Viviana, tenha uma boa noite e amanhã um bom feriado.
beijos

Viviana disse...

Olá Gaivota linda

É a pura realidade da vida!
Mas choca...choca mesmo.

Um beijo boa amiga

Viviana

Viviana disse...

Olá Cássia querida

Menina linda

Perturba, não é?

Quase inemaginável!

Um beijo, amiga

viviana

Viviana disse...

Sarita

Minha linda neta

Mas que belo comentário tu deixáste!
Tens razão...

Ficaram as rosas a lembrá-la com a sua beleza.

E ela está bem melhor, sim.

Beijinhos e até logo

avó viviana

Viviana disse...

Olá Renato, meu bom amigo


A gente quase não acredita.

Mas esta vida tem destas coisas...

Lamento muito por ela.


Obrigada pelo elogio ás fotos.

Algumas estão bonitinhas, sim...
Aquela onde a minha amiga está á janela, por exemplo.

Um abraço e uma boa noite

Viviana

Viviana disse...

Olá Manuel

Também para si, um excelente fim de semana.

Um abraço

viviana

Viviana disse...

Sandrinha querida

Minha doce e linda amiga

Sempre tão gentil, tão carinhosa!

Sempre me oferecendo coisas bonitas...

Fico-lhe muito agradecida , amiga

Sim, cheguei aos cem seguidores.


Obrigada pela linda ideia.

Breijos

viviana

Viviana disse...

Querida Rosa

É verdade, amiga.

Estas coisas fazem-nos meditar...

E reflectir...

Gosti muito do pensamento que aqui deixou...é muio verdadeiro.

Tenha uma boa noite de descanso

Um grande abraço

viviana

Marlene Maravilha disse...

Que triste!
Mas a beleza das flores permanecem e dizem tudo.Falam por si só.
Eu até gostaria de fazer algumas perguntas, mas é melhor deixar assim.
beijos e Deus te abencoe amiga.

Marlene Maravilha disse...

Esqueci de falar que lembrei muito da casa da minha família em Sao Joao da Pesqueira. A mesma janela, os vazinhos, a brancura da parede, a casa...fiquei com saudades de todos que ja se foram e dos momentos passados ali.Lembrei do friozinho, das uvas, frutas, verduras, paes, queijos e amigos, muitos amigos...
beijos