sábado, 11 de dezembro de 2010

Foi há noventa e nove anos


A "Nena" - minha mãe

Fez hoje noventa e nove anos que a Nena - a minha querida mãe - nasceu.
Foi no dia 10 de Dezembro do ano 1911, lá na longínqua Bompland, Oberá, Argentina.
Seria a primeira filha de um total de dez, do meu avô Alvar Ossean Bengelsdorff e da minha avó Olga Schwartz.
Foi uma pessoa extraordinária. Uma grande, grande mulher.
Sou infinitamente grata a Deus por ela.
No próximo dia vinte e quatro deste mês, véspera de Natal, farão oito anos que Deus a chamou para ir descansar junto de si, lá no céu.
Ficou sempre, sempre, nos nossos corações e ficará...
Ela só não está fisicamente.
Há saudade, muita saudade!
Mas também há uma doce e serena recordação.

8 comentários:

Fernanda Rocha Mesquita disse...

Gosto muito destas fotos antigas, sobretudo pelo sentimento que elas carregam! Parabens por ambas as coisas
fernanda

Viviana disse...

Olá Fernanda

Também gosto.

Creio que estão muio em uso hoje, outra vez.

Obrigada por as suas palavras carinhosas, amiga.

Um abraço enorme

viviana

Jortas disse...

Olá Viviana,
Gostei de ver toda a juventude de sua mãe numa foto antiga, mas que guarda no seu coração.
Afinal as pessoas são o que nos deixam. Vejo que guarda boas recordações de sua mãe. Fico feliz.

manuel marques disse...

Bonita e singela homenagem.

Beijo.

Rosa disse...

E lá do céu, ela, continuará a vigiar pelos seus.

Abraços de amizade e admiração.
Bom fim de semana.

Michele P. disse...

Somos, em grande parte, o que nossas mães são ou foram.

Linda homenagem.


Um abraço,
Michele

Maria disse...

A vida é assim mesmo, ontem a alegria da visita da netinha, hoje a doce lembrança da mãe.

Deus está sempre a presentear-nos, com presença e com saudade.

Beijos e bom fim-de-semana.

esperança disse...

Maninha muito querida do meu coração

Até estou emocionada, dei agora aqui de caras com a nossa querida e saudosa mãe: que SAUDADES!!!!!!......E do nosso pai também.

Hoje é Dia de Reis, e ela apreciava tanto o Dia de Reis, muitíssimo mais do que eu. Quando éramos novo, eu não ligava, hoje tenho imensa! Pena de não lhe ter perguntado porquê, fazia tanta questão no dia de Reis.
Tudo é uma roda viva…Com todos…E só quando já é tarde, sentimos muita pena de não ter desfrutado de tanta coisa boa e única.

Tem um bom Dia de Reis, olha, lembrando-me de quando éramos pequenos, fiz questão de ter aqui romãs, e vou comer uma pensando em todo aquele tempo tão bom!!!...De nós os 6. Pobres, mas impossível haver alguém mais feliz, e com pais únicos, como os nossos e 4 irmão que ainda hoje, somos como carne e unha, queremos sempre…Cada um o melhor para o outro, tudo devido à educação que os nossos queridos pais nos deram: Graças sem fim, ao Deus deles e nosso, pelos pauis que tivemos.