terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Palavras de Manuel Sobrinho Simões


Manuel Sobrinho Simões
Médico, investigador e professor universitário.

...Os portugueses, além de europeus, são culturalmente mediterrânicos, o que não nos afasta muito dos gregos, dos italianos e dos espanhóis do Sul, com todas as influências que são ditadas pela geografia, pelo clima e pela religião. Sermos judaico-cristãos é muito diferente de sermos calvinistas e protestantes. Além disso nunca corremos o risco de morrer de frio e estamos na periferia, não tivemos guerras e ninguém nos chateou. Na verdade, somos muito individualistas e estamos mais próximos dos norte-africanos do que dos povos do Norte da Europa. Somos um país mais mediterrânico do que atlântico, com todas as implicações que isso tem até na nossa produtividade.
A diferença entre nós e os nórdicos não está nos genes, é fruto da cultura e da educação, da geografia, do clima e da religião. Eles tinham frio, era-lhes difícil cultivar cereais e não tinham vinho. Para sobreviverem tiveram de estimular a inovação e a cooperação. Ao contrário de nós, que tínhamos um bom clima, uma agricultura fértil e peixe com fartura . E depois tivemos África, a seguir o Brasil e logo os emigrantes. Não precisámos de nos organizar e não precisámos de nos esforçar. Não era preciso. Não planeávamos, desenrascávamos . Continuamos assim, gostamos de resolver catástrofes.
...A entrada no Euro foi uma oportunidade muito mal aproveitada...Limitámo-nos a ser os recipientes liquidos de uma quantidade enorme de dinheiro em vez de aproveitar essses fundos para desenvolver e inovar.Não é por acaso que temos automóveis de luxo, iates e terceiras casas numa quantidade que é obscena relativamente ao nível de vida da população.
Ainda assim, defendo que, se for preciso, devemos fazer o pino para nos mantermos no euro.Prefiro ficar sob o domínio da Europa do que ficar apenas entregue aos jogos políticos portugueses. Estamos na pontinha da Europa, se isso acontecesse connosco sòzinhos e em roda livre, seria mortal.
...
Manuel Sobrinho Simões
médico, investigador e professor universitário
In - Noticias Magazine

8 comentários:

Anita disse...

Presenteie com amor e com carinho aquele que precisa.

Neste Natal um abraço, um gesto carinhoso uma palavra de amor vale mais que muitas coisas materiais.

Sinta-se feliz e faça alguém sentir-se feliz também.

Viviana querida peço desculpa pela minha ausência e por não lhe ter dado os parabéns a tempo e horas mas estive adoentada.
Desculpe-me ok?
Peço a Deus que a proteja por muitos e bons anos na "nossa" companhia.
Muitos beijinhos com sabor a bolo de aniversário mesmo que atrasados.
Fique bem. Fique com Deus.
Anita (amorfraternal)

Velton Clarindo disse...

Oi, Viviana.

Perdoe a minha ausência,
estava realizando os exames para conseguir entrar nas universidades - chamam-se de vestibulares aqui no Brasil (eu não sei como ocorre a seleção aí em Portugal...)

Sublime texto. Destaca os pontos onde eu sempre achei que esse país fosse diferente em relação aos outros européus: a geografia e a cultura.Eu diria também a língua.

Acho que o Brasil enfrenta esse mesmo dilema em relação aos países latinos americanos.
Na América latina somos um grupo à parte. Por exemplo, somos os únicos aqui a falar portugues, um dos únicos a ser banhado pelo Atlântico. Até nossos ancestrais se diferem: Enquanto países como Uruguai, Paraguai, Perú, México e outros tem sangue Maya, Asteca ou Inca, nós, Brasileiros, decendemos(em parte, é claro) de povos indíginas cuja maior característica é o conhecimento sobre a natureza, e não a arquitetura.

Somos ambientalistas desdo princípio.

A questão é. Esse isolamento de um país em relação a outros de sua mesma região pode se tornar muito prejudicial?

Abç.

Jortas disse...

Gostei da visão do médico e investigador. O diagnóstico está feito há que aplicar a cura.
Mas será que este povo se quer curar?

Michele P. disse...

Viviana

Sonho em conhecer Portugal, e agora, depois deste texto, fiquei ainda mais curiosa...

Um abraço e o desejo de uma boa semana!

Viviana disse...

Querida Anita

Eu sei o quanto bem me quer...

Todos os dias!

Incluindo á partida o dia de aniversário!

Obrigada, do coração

Viviana

Viviana disse...

Olá, Velton

É sempre um prazer encontrá-lo por aqui...

Não precisa desculpar-se amigo, eu sei como é...
O tempo não dá para tudo.

Em Portugal, "os Vestibulares" chamam-se Exames Nacionais, que servem para complementar a nota do 12º ano.

Um abraço

viviana

Viviana disse...

Olá Jortas

Mas que grata surpresa encontrá-lo por aqui!

Obrigada pela visita e comentário.
Naturalmente é muito bem vindo.

Já "fui espreitar" os seus blogues e pude constatar que há por ali muita coisa interessante.

Voltarei com mais tempo se Deus quiser.

Um abraço

viviana

Viviana disse...

Querida Michele

Venha, venha, amiga.

Vai gostar de Portugal.

Pequenininho mas lindo e com um povo muito acolhedor.

Um beijo

viviana