quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Acredito nas Flores - Um poema de Jordão Freitas


 ACREDITO NAS FLORES

A esperança mora aqui ao lado numa réstia de fé.
Apesar da TROIKA
Apesar do FIM/FMI
Apesar de já nem querer saber se acredito.
Sinto que o meu país continua mais adiado.

Resta-me as flores do caminho
Que regressam todas as primaveras,
Sem promessas sem truque,
Apenas com a simplicidade
Da sua beleza e desejo de viver.
Como posso acreditar num país escravo?
Meu Portugal adiado de caravelas, de mastros varonis.
Meu Portugal, quando poderei beijar a tua bandeira?
Sem ter que vergar os quadris
Como uma junta de bois
Sob a canga do capital usurário.
Meu Portugal,

És o meu próprio exílio.

Jordão Freitas 

4 comentários:

Fmaria Mesquita disse...

Ola Viviana. Gostei sobretudo desta quadra ...

Resta-me as flores do caminho
Que regressam todas as primaveras,
Sem promessas sem truque,
Apenas com a simplicidade
Da sua beleza e desejo de viver...

Ah bendita natureza! A todo o momento nos da o exemplo e nao aprendemos.
bj

Rosa disse...

Olá Viviana.
Um poema interessante e muito actual.
E apesar de e de... temos de continuar a acreditar...no nosso Portugal, nas coisas e nas pessoas (nem sempre é fácil)


"O sonho e a esperança são dois calmantes que a natureza concede ao ser humano".

( Frederico )

Viviana, tenha uma noite descansada.

Beijos para vocês.

Viviana disse...

Querida Fernanda

Tamém foi a parte que mais me atraiu.
Achei lindo.

Tem razão! A natureza é uma grande mestra!
Só não vê quem é insensível ou que não quer mesmo ver.

Um beijo
Viviana

Viviana disse...

Querida Rosa

Sim, amiga, como mulheres de fé, nós continuamos a acreditar.

O que estamos a viver nestes tempos difíceis...é, no meu ponto de vista, as consequências naturais dos erros cometidos.E não foram só erros económicos, foram cometidos muito outros, que tal como as doenças - deixam sequelas.

Haja esperança e confiança, e façamos cada um de nós a nossa parte nesta reabilitação do nosso amado Portugal

Um abraço
Viviana