quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Maria da Renda - Um poema de António Ferreira de Sousa

Belos naperons - Fonte:http://http://www.rendasebordados.com/
/
MARIA DAS RENDAS

Maria, Maria, que é da alegria
Que em ti  eu via sempre a bailar?
Maria, que é feito daquele teu geito,
Tardes a eito sempre a cantar?

A vida serena, tão calma e amena,
Que tinhas, pequena, alegre, sem par
Sofreu tal mudança que eu julgo, criança,
Teu peito se cansa de soluçar.

Maria, em teu rosto há tanto desgosto,
Parece sol-posto no teu olhar.
Que dôr, que tristeza te esconde a beleza
Com que a natureza te quis enfeitar?

Maria da Renda, não há quem entenda
A ideia tremenda que te faz cismar.
Que dôr, que segredo te causa um tal medo?
Não vês qu´inda é cedo p´ ra tanto penar?!

    (António Ferreira de Sousa
  António Madalena - no livro - Fogos Fátuos - 1943)

6 comentários:

Manuela Pacheco disse...

Lindo! Um abraço.
Manuela

Lilasesazuis Gata disse...

Que bonitos versos.

Tenha um lindo dia, Viviana,

beijinhos,

Lígia e =^.^=

Viviana disse...

Olá, Manuela!

Também gosto!

O meu abraço
Viviana

Viviana disse...

Querida Lígia

Tão simples e tão belo!

O meu abraço
Viviana

dilita disse...

Renda e poesia... Estão no rol das coisas belas de que eu tanto gosto.

A renda dos naperons é frioleira, mas também pode ser feito o mesmo modelo em crochet; fica um pouco diferente, mas na mesma bonito.

Os versos cheios de ternura e
beleza,um encanto!!!

Vir ao seu blog, é ter a certeza de sair sempre com mais...

Abraço.
Dilita

Viviana disse...

Querida Dilita

Ah! como a minha amiga "entende" de rendas!
Ou o seu cantinho não se chamasse "Rendas de Birras"!
Eu gosto muito de crochet...fiz tanto!

Os versos...são lindos!

Um abraço
Viviana