terça-feira, 27 de setembro de 2011

Saudades da minha Mãe...


Três gerações: Avó, filha e neta.

Um dia destes, ao entardecer, sentei-me um pouco para repousar as pernas, neste cadeirão antigo que está aqui junto á janela, de onde usufruo de uma visão fantástica da bela Serra de Sintra. O sol escondia-se atrás do mar, numa profusão de cores que, de tão extraordinárias, me prenderam e me emocionaram. De repente, veio-me á memória a imagem e a figura doce e terna, da minha mãe, que partiu para o céu há há oito anos. Os olhos encheram-se de lágrimas e, olhando o céu azul, exclamei em alta voz: Oh! minha querida mãe! Aos setenta anos...fazes-me tanta falta! Como eu quisera ter-te aqui junto de mim, neste momento sereno e calmo do entardecer...

Há pouco, folheando um pequeno livro - Mães e Filhas de - Helen Exley, encontrei este pequeno texto:

«Apercebi-me de que o processo
da maternidade, aos olhos
dos homens, pressupõe apenas
acarinhar as crianças
até uma certa idade.
Mas a realidade da maternidade abrange
toda a vida da mãe. Uma mãe pode ser
uma boa avó. Uma vez mãe, se-lo-á para
toda a vida, mesmo que a sua filha
tenha 70 anos. A relação muda, é claro,
mas não se torna menos importante.»

Rachel Billington, n. 1942

10 comentários:

lilasesazuis disse...

A vida é assim...nosso Deus assim o quis...as pessoas a quem amamos se vão no tempo certo...fica o bom perfume de suas palavras, de seu jeito de ser, de sua presença, de suas atitudes...bj, Lígia

Joseneide Barbosa disse...

Querida amiga Viviana , Voce tem o don das palavras consegue trasmitir , doçura , meiguice e emocionar , . Ainda tenho a minha mãe comigo , reluto todos os dias para que os papeis agoram se envertam não estou preparada para isso , ser mãe da minha mãe ela e muito doente e delicada , mais ainda preciso do seu colo , do seu afago , a sua esta no céu a sua espera , não sei mais acho que de alguma forma ela também contempla esses fins de tarde , um beijo caloroso da sua amiga brasileira

Rosa disse...

Olá Viviana.

Li o post e emocionei-me.
É que enquanto as temos presente não (queremos) pensamos que mais cedo ou mais tarde elas nos deixarão.
E (por quantas vezes) não sabemos valorizar sua companhia, as suas palavras e os seus conselhos os seus reparos, mas essencialmente o se amor.

Depois do que li, vou ter com a minha e dar-lhe um miminho.

Para si Viviana, deixo-lhe um forte abraço (como os da Edu...)pela pessoa e pela mãe que é

Maria disse...

A Nena está feliz!

Sentir saudades é o resultado de um balanço com saldo positivo. Eu sou testemunha do vosso amor.

Bonita homenagem!

esperança disse...

Maninha querida, eu penso que a nossa maneira de ser, a amizade, os laços de forte amor que nos une, aos quatro irmãos, e que são extensíveis aos nossos filhos e netos, á nossa mãe o devemos, (e também ao nosso pai), mas ela, num pois estrangeiro, sofreu muitas saudades das raízes dela, trabalhou como tu sabes, em tempos difíceis, ajudando o nosso pai, para que nada nos faltasse., para mim ela foi única (como única é a mãe de cada um). Ela foi uma mãe temente a Deus, justa, verdadeira, alegre, paciente, e admirada por todos na aldeia, numa palavra: uma grande senhora.
Tem, tenhamos todos um bom resto de dia

Sonhadora disse...

Minha querida

Entrei sem pedir licença e como gostei daqui, tomei a liberdade de seguir para poder voltar com mais calma.

Deixo um beijinho
Sonhadora

dilita disse...

Querida Viviana

A minha mãe partiu à 4 anos. Nunca mais fui a mesma.

Muito grata pela sua visita ao meu blogue, e pela apreciação que faz do conteúdo.
Claro que permito que coloque no seu blogue,tudo quanto do meu achar merecedor de figurar no seu. Sinto-me até lisonjeada pela preferência.
O seu blogue é muito bom,aprecio e sou seguidora e visita assídua.
Beijinhos.

carmen disse...

E a minha mãe nem se foi, e já sinto saudades dela, da sua presença mais efetiva, menos alheia ao seu ambiente.

Mas a vida é assim; temos que nos adaptar e aproveitar o que dá para se aproveitar em cada época de vida...

bjs

Fernanda Maria Rocha Mesquita disse...

Parabens pelo texto! imagino o seu momento nostalgico e cheio de sentimento. sao lindos esses momentos. concordo com o poema. o seu amor por mais que cresca na vida e nos anos cresce simultaneamente a necessidade das suas raizes e nisso esta, sem duvida a necessidade pelo menos da lembranca maternal, para sustentar aquela crianca que cresce em nos devido as fragilidades que a vida nos obriga a sentir. beijinhos viviana. nunca me esqueco.

Pr Jorge Figueiredo disse...

lindo texto, também tenho saudades que foi convocada pelo senhor há 11 anos