segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Na véspera de Natal...


Viaduto da A24 - junto de Vila pouca de Aguirar - Tŕas- os - Montes.


...uma jovem - mãe "saltou" para a morte, de madrugada, com uma filha-bébé de 20 meses nos braços, no viaduto da A24, junto a Vila Pouca de Aguiar, Trás - os - Montes.
A criança foi encontrada nos braços da mãe, que morreu.
A menina sobreviveu a uma queda de 40 metros e apenas fracturou uma perna, estando livre de perigo segundo informações hospitalares.
Foi um militar da GNR que ao ouvir o choro da criança, deu o alarme e cuidou dela, pegando-a ao colo, conseguindo acalmá-la e fazê-la parar de chorar, não mais a largou até a entregar no Hospital. De salientar que a menina rejeitou todos os outros "colos", apenas querendo o colo do seu salvador.

Pergunto:

Como estaria o "coração" desta jovem mulher - mãe, ao tomar tal decisão?

Enquanto se ouviam nas ruas as músicas natalícias e os centros comerciais, abarrotavam de gente, eufórica, a gastar dinheiro em presentes e compras... esta mãe, tentava encontrar uma saída para si e para a sua menina. Sózinha, provavelmente, no meio do seu sofrer, da sua dôr...a morte...foi a única coisa que vislumbrou.
Que mundo é este em que vivemos?
Onde está o amor, o perdão, a solidariedade, a compaixão e a esperança que o Menino de Belém, nascido há 2011 anos, nos veio trazer e ensinar?
Onde está o valor do cristianismo e a vivência dos ensinos de Jesus, no Evangelho?
As estatisticas afirmam que Portugal é um país cristão, com cerca de noventa e cinco por cento da população a "dizer-se" cristã; mas depois...olhamos á nossa e o que vimos nós? Tantos e tantos sem um pingo de amor, marginalizados, sós, sem esperança e sem rumo.
Era tão bom que os que se dizem cristãos vivessem como tal...imitando o Mestre do Amor e da Compaixão - Jesus de Nazaré.

2 comentários:

as-nunes disse...

É muito doloroso, custa mesmo a acreditar, que situações como esta não sejam detectadas a tempo de se evitar desfechos tão trágicos!

Porque é que o Homem é assim?...

Boas Festas Viviane, fizéssemos cada um de nós a sua parte e a vida seria muito mais fácil.

António

dilita disse...

Querida Viviana

Sobre este facto tão triste,nem sei escrever nada. Acho muito certas as suas palavras.Um forte abraço para si Viviana.