quinta-feira, 9 de julho de 2009

Amar de verdade.


Imagem da net

Há uns anos atrás fui convidada para apresentar uma palestra sobre a Família numa determinada Igreja Baptista da Região Centro.
Esclareço que desde há muito, muito tempo, é tradicional nas Igrejas Baptistas, na sua maioria, dedicar o mês de Maio á Família e ao Lar, e eu tenho colaborado nestes eventos desde há mais de quarenta anos.
Pois bem, nesta Igreja onde me encontrava, havia pessoas de muitos lugares ali á volta.
Recordo-me que focando eu a necessidade de haver harmonia, paz e tranquilidade no meio familiar, e procurando expôr a forma como cada membro da família poderia e deveria colaborar, citei como exemplo uma realidade que eu sei, com muita certeza...que acontece na maioria das famílias, e que é o facto de os maridos, habitualmente, ao mudar de roupa, atirarem para o chão quer sejam as peúgas sujas, quer seja a restante roupa que despem. No quarto, ou na casa de banho, ali fica...á espera que a mulher apanhe e receba os odôres...e coloque no sítio certo, que é como quem diz, no cesto da roupa suja.
E como se não bastasse o marido, os filhos, que são bons alunos nesta matéria, imitam o paizinho e fazem a mesma coisa.
Aconteceu então, naquele dia, quando eu falei sobre isto, que um marido de cabelos grisalhos, fez-me sinal de que queria falar e quando lhe dei a palavra disse sorrindo: "Eu quero dizer que sou dos que faço isso, desde que que me casei com a minha mulher, mas isso não quer dizer que eu não a ame...
Eu amo muito a minha mulher!"

Perante isto eu não disse mas pensei:
Será que ele a ama mesmo assim tanto?
Por tantos anos a desconsiderá-la e a fazer dela uma serva, uma criada!
Não seria que caso a amasse de verdade, lhe pouparia aquelas situações de servilismo?
Será que podemos imaginar como ela estaria cansada e mais que farta de fazer aquilo todos os dias, durante décadas?
Eu acredito, conhecendo o coração da mulher como conheço, que cada vez que ela via aquela roupa no chão, ali deixada de propósito... para ela apanhar... era um "prego" espetado no seu coração ...

Quando se ama de verdade, não se desconsidera o ser amado, não se humilha, não se rebaixa...
Pelo contrário, considera-se, valoriza-se, eleva-se!
Quando se ama de verdade respeita-se...
Tenta-se tudo por tudo, para poupar-lhe tristezas e sofrimentos!
Procura-se alegrar contínuamente o outro.
Fazê-lo sorrir, ser feliz!
Sentir-se bem!

«Como diz a Sagrada Escritura:

O homem deixará o seu pai e a sua mãe para viver com a sua mulher e os dois se tornarão como uma só pessoa.
Há nesta frase uma verdade muito importante. è que isto realiza-se plenamente no amor que Cristo tem pela Igreja. Mas deve realizar-se tambem em vós
Por isso o marido ame a sua mulher como a si mesmo, e a mulher respeite o seu marido.»
(Ep. de S.Paulo aos Efésios 5:31 a 33)

Tendo em conta estas palavras, tudo que seja menos do que isto...não é um amor por aí além, não é o verdadeiro amor.
E sabem uma coisa?
Cada vez que o Jorge ou o Zé se descuidam e deixam as peúgas sujas co chão - eles normalmente não o fazem - mas quando acontece, eu lembro-me sempre daquele homem de cabelos grisalhos...
Somos muito amigos, e estou a pensar que da próxima vez que o encontrar, lhe hei-de perguntar se ele ainda continua a atirar a roupa para chão para a mulher apanhar.

14 comentários:

Anita disse...

Amiga querida vim lhe fazer uma visitinha... e aproveito para lhe desejar um fim de semana hiper gostoso... rodeado de amigos, parentes e etc... com direito a comida gosotosa, sombra, água fresca e muita paz!!!

Amei o post mas confesso que o meu marido não é nada assim, bem pelo contrário, é super organizado e as gavetas dele metem "inveja" a qualquer mulher.
É muito mais organizado do que eu.
Acho que os meus filhos não sairam nada ao pai...
Que bom Viviana que deixou-nos aqui este post.

Beijos.
Fique bem. Fique com Deus.
Anita (amor fraternal)

O Profeta disse...

Haverá?! Há sempre uma deusa perdida
Nos labirintos da contradição
Há sempre alguém que usa a palavra amor
Soprando doce veneno ao coração
Há sempre alguém que nos diz coisas tontas
Há sempre alguém que afugenta a Saudade
Há sempre alguém que nos marca a ferro frio
Há sempre uma alma ausente da verdade

Bom fim de semana


Doce beijo

Rosa disse...

Olá querida Viviana.
Só as mulheres para continuamente serem as "fadas" arrumadoras do lar :))
Não é que eu tenha muita razão para falar, pelo contrário, mas conheço algumas que sofrem por isso mesmo.

Ao ler o post fui lembrando uma história que li.

(Era uma esposa que estando em casa fazia diariamente toda a espécie de trabalhos, que nós sabemos serem feitos, mas que os maridos quase não dão por eles.
Todos os dias ao chegar a casa do seu trabalho lhe perguntava o que tinha andado a fazer, é que não se via nada feito diferente.
Foi assim tanta vezes que um dia a esposa resolveu dar-lhe uma lição.
Durante todo o dia não fez nada, não mexeu em nada, não arrumou nada, simplesmente se sentou no sofá.
O marido quando chegou estranhou a casa estar desarrumada, tudo fora de sitio, a roupa pelo chão a comida por fazer ...
Perguntou-lhe logo o que se passava para a casa estar naquele estado.
Ao que ela lhe respondeu: foi simplesmente para que reparasses na diferença, é que quando chegas dizes sempre que não fiz nada durante todo o dia, pois bem, podes agora verificar como o nosso trabalho é importante, é necessário, e não é remunerado)...

É que muitas vezes marido e filhos só dão valor quando o deixamos de fazer.

Pronto, agora vou eu trabalhar senão o marido fica com razão de dizer que não faço nada :)))
Beijos Viviana

Pelos caminhos da vida. disse...

Fim de semana de luz para todos nós amiga.

beijooo.

Alice disse...

....OI minha linda... vim aqui, e devorei todos os teus textos....estavam deliciosos !!



bjkasssss

carmen disse...

Olá, e tudo isto por causa de uma cueca jogada no chão, por anos e anos, por décadas...

Ishi!!!
bjs e bfs

renato_oliveira disse...

Olá Viviana!

Minha Cara Amiga,

Muitas das vezes isso acontece, direi mesmo na maioria das vezes, porque a educação e cultura incutida no homem, desde criança, foi essa mesmo. Ou seja a mãe arruma, depois quando crescido, a irmã arruma, e daí por diante!

Porém, como a Viviana sabe, existem, felizmente, excepções à regra!

Minha mãe ensinou-me que a minha liberdade termina, quando interfiro com a liberdade do vizinho!

E dentro dessa mesma educação, fui "ensinado" a arrumar tudo o que me pertence e mesmo hoje sou eu que não dou sequer trabalho à minha empregada, no que às minhas coisas dizem respeito. Obviamente que lhe pago para passar as camisas e calças, e fazer as limpezas da casa (tudo que seja inerente ao seu trabalho previamente contratado). Mas depois de passar, sou eu que guardo a minha roupa, os meus sapatos e outras coisas , porque também temos esse dever perante os outros!

Mas não são só virtudes! Também tenho defeitos. Mas não "cabem" dentro desta temática!

Um abraço e uma óptima noite,

Renato

Viviana disse...

Querida Anita

Que bom!

Desejos tão lindos do seu coração para o meu!

Achei tão interessante desejar-me "sombra e água fresca!"

Um abraço cheio de carinho ,boa e linda amiga

viviana

Viviana disse...

Olá Profeta

Que agradável receber a sua visita!

E os seus poemas...

Obrigada, do coração.

Desejo-lçhe uma semana MUITO LNDA.

UM BEIJO

VIVIANA

Viviana disse...

Querida Rosa

Que abençoada!

Com um marido assim...
`
Eu já percebi que ele é um "tesouro".

Parabens e...graças a Deus.

Quanto á História que contou, é muito interessante e oportuna.

O que seria se as mulheres se lembrassem simplesmente de "parar"?

Um beijo amiga linda

Viviana

Viviana disse...

Olá Ana linda

Obrigada amiga, pelo seu carinho e amizade.

Um abraço

viviana

Viviana disse...

Querida Alice

Obrigada, obrigada amiga linda

Fico muito contente.

Beijos

viviana

Viviana disse...

Carminha linda

Acha esranho?

Amor de verdade é fundamental.

Um beijo amiga

viviana

Viviana disse...

Olá Renato, meu bom amigo

Eu sei, eu sei que felizmente nem todos os homens são iguais...

Os meus filhos por exemplo.

São exemplares.

E outros...

Um abraço

viviana