sexta-feira, 15 de outubro de 2010

A ponta do iceberg?


O Deputado socialista Vitor Baptista

Deputado do PS diz que André Figueiredo, chefe de gabinete no Largo do Rato, o aliciou com promessa de cargo numa empresa pública a troco da sua não recandidatura ao PS de Coimbra.

Vítor Baptista, deputado e recandidato derrotado à liderança da federação distrital do PS de Coimbra, promete vender cara a derrota. Ontem escreveu uma carta (ver link relacionado) aos seus camaradas na bancada parlamentar, intitulada "Na calada da noite", onde volta a lançar graves acusações sobre o chefe de gabinete de José Sócrates no PS, André Figueiredo (também secretário nacional adjunto).

Segundo escreveu, Figueiredo tentou aliciá-lo a não se recandidatar oferecendo-lhe em troca "um qualquer lugar de gestor público, desde o Metro em Lisboa, à CP ou Refer, até acenavam com uma cenoura de 15 mil euros mensais".

André Figueiredo é acusado de, em conjunto com elementos da candidatura dada como oficialmente vencedora (liderada por Mário Ruivo, dirigente em Coimbra da Segurança Social), ter providenciado pelo "pagamento colectivo" de centenas de quotas de militantes, algo que o seu regulamento "não prevê". Ouvido pelo DN, André Figueiredo prometeu que agirá "criminalmente perante todas as difamações e infâmias de que for alvo". "Devemos estar à altura das funções que ocupamos. Eu estou. Já outros tenho a impressão que nunca estarão", acrescentou.

Vítor Baptista, oficialmente derrotado por 46 votos, também ataca na carta um seu camarada de bancada, Renato Sampaio (reeleito líder do PS-Porto), por este ter saído em defesa de André Figueiredo. "Agora, fazendo parte desta encenação, aparece um tal Renato Sampaio [...] a dizer que tenho mau perder. Perder até sei e já o demonstrei em outros momentos, mas passivamente ser roubado não". Dirigindo-se também ao presidente da distrital de Vila Real, que igualmente se solidarizou com Figueiredo, pergunta: "Será que ambos não o sabem distinguir? Estão ao serviço de quem?"

Dois juristas contactados pelo DN, a quem foi lido o teor da carta do deputado, consideraram que se pode estar perante um crime de tráfico de influência. Uma vez que, explicaram, "se está perante uma situação em que alguém promete usar da sua influência a troco de uma contrapartida". Ou seja: a colocação de Vítor Baptista numa empresa pública a troco da não recandidatura à Federação do PS/Coimbra.

O crime de tráfico de influências é de natureza pública, obrigando a actuação do Ministério Público.

In - Diário de Notícias - 14/10/2010

*************************************************************************

Esta manhã, na parte final do debate quinzenal, o líder do CDS-PP questionou o primeiro ministro sobre as acusações do deputado socialista Victor Baptista, que acusou o chefe de gabinete de José Sócrates, André Figueiredo, de lhe ter oferecido um cargo de gestor público caso não se recandidatasse à federação do PS de Coimbra.
O primeiro Ministro não respondeu.

4 comentários:

Fernanda disse...

Ai esse cantinho chamado Portugal! esses politicos sao mesmo uma dor de cabeca. E' tudo um autentico circo. Mas agora para amainar as coisas quando puder passe pelo Rama Lyon. ele hoje faz anos!
Um bom dia Viviana. Aqui sao 2h da manha.
fernanda

Ana Maria disse...

Amiga querida, vim aqui agradecer suas visitas, e desejar-lhe um final de semana repleto de harmonia.
Beijinhos abençoados!

Viviana disse...

Olá Fernanda

Deixe que lhe diga que nunca pela cabeça me passou que estes políticos conduzissem o país a esta trágica situação....

Deviam se responsabilizados!

Julgados, condenados e obrigados a repôr dos seus "bolsos" todo o dinheiro do povo...esbanjado.

Conto com o auxíio divino para sairmos desta!

Um abraço

viviana

Viviana disse...

Querida Ana Maria

minha linda amiga

Nada tem que agradecer!

Afinal a amiga também vem aqui...

Obrigada pelo carinho e amizade.

Um grande abraço

viviana