quarta-feira, 5 de outubro de 2011

E pronto! A missão está cumprida.


A mãe dos gatinhos.

O dia de hoje - 4 de Outubro de 2011 - foi repleto de emoções fortes. Chorei sentidamente... e sorri de satisfação, por atingir o objectivo que me tinha proposto: Cumprir uma importante missão.
Há cerca de cinco meses decidi salvar uma linda gatinha adolescente, de morrer envenenada lá na aldeia.Trouxe-a cá para casa para junto do nosso lindo gato Teco, (a minha irmã chama-lhe "o nosso gato de porcelana") que também salvei da morte certa...quando foi encontrado, escondido e já sem se poder levantar - tal era o estado de fraqueza - no meio de uns arbustos de um canteiro, aqui e perto, por uma cadela a "Neca" que por sua vez também foi salva... aqui na rua, por a minha amiga Mitó. Foram três salvamentos!
Não foi fácil a adaptação da gatinha aqui em casa, pois ela entendeu que o espaço era todo dela e, toca de correr e perseguir o pobre do Teco que começou a entrar em depressão. Ficou triste, quase não comia, deixou de brincar, e andava com um ar infeliz.Por sua vez a gata trazia hábitos de "casa de banho ao ar livre" o que levou a que acontecessem "coisinhas" um tanto desagradáveis. Comecei a reparar que a barriga da gata estava a crescer e levei-a ao veterinário que confirmou uma gravidez no início, coisa que eu não estava á espera, mas que não constituiu qualquer problema, pois seria uma oportunidade de salvar esta ninhada, já que a primeira acabou no afogamento dos gatinhos mal nasceram.Cuidámos o melhor possível dela e acarinhámo-la muito. Uma madrugada teve os gatinhos num roupeiro, em cima de um pullover do Jorge. Arranjámos um tabuleiro bem confortável que colocámo-lo num canto do escritório do Jorge. Ali foram crescendo, até começarem a sair do tabuleiro e a vir para a sala e a cozinha.Eram quatro, mas dois deles, muito bonitinhos, morreram não sei como... um dia de manhã estava um morto e no dia seguinte outro. Gordinhos e aparentemente saudáveis sem qualquer sinal de violência. Até hoje não percebi o que ali aconteceu. Fui enterrá-los, os dois no mesmo dia, na hortazinha junto ao rio. Fiz uma "cerimónia." Chorei, chorei muito. O único assistente foi o Jorge, que me deixou chorar á vontade. Depois, colhi flores e coloquei-as em cima da terra que sinalizei com uma pedra grande. Todas as vezes que vamos á horta, vamos lá pôr flores.
Entretanto, os outros dois gatinhos foram crescendo e ficaram muito bonitos; um gatinho e uma gatinha. Como moro num 3º andar (apartamento) percebi que não podia ficar com os dois gatinhos mais a mãe e o Teco. Eram muitos gatos. Depois de ter perguntado á família e aos vizinhos se queriam ficar com um gatinho e não ter havido uma resposta positiva, lembrei-me de publicar aqui neste espaço a fotografia dos gatinhos e aguardar a ver se aparecia alguém que os adoptasse Aí, a Mimi, minha comadre, falou com a nora Sofia, que é veterinária e tem uma loja de animais em Lisboa, que colocou na loja a foto dos bichinhos, o que chamou a atenção de um homem jovem que gostou da "carinha" do gatinho. Tudo combinado, fomos hoje levar o gatinho a casa da Mimi, onde a nora o foi buscar e levou para o entregao ao novo amo. Já está num novo lar... onde sei que vai ser bem tratado e acarinhado... quer dizer, ser feliz!
Despedi-me dele com lágrimas, enquanto lhe pedia desculpa por não poder ficar com ele. A mãe, andou calada demais durante o dia, mas agora, que era hora de irem os três dormir em cima do cadeirão na sala, anda por aí por a casa a chamar por ele com miar de chamamento. Ficou longo tempo diante da porta de entrada a olhar por a greta por baixo da porta, como que á espera que ele apareça a qualquer momento. Pobrezinha! Tenho-lhe feito muitas carícias e festinhas... para ajudar a que a separação seja mais fácil. Mas, era assim que era para ser... ele teria de ir para uma outra família, para um novo lar. Estou cheia de saudades e com pena da mãe...mas estou feliz porque salvei a mãe, salvei os filhos e encontrei alguém que tem muito carinho e amor para dar ao lindo gatinho que foi chamado por o novo amo, de Gaitán, o jogador do Benfica. O Zé quando soube do nome ficou todo contente, porque era esse o nome que ele tinha sugerido para o gatinho.
Então, ao fim deste dia cheio de emoções fortes... é altura para dizer: Foi muito bom ter-te connosco este tempo, Gaitán! Que sejas verdadeiramente feliz!
Como até ontem não tinha surgido nenhum adoptante para a gatinha e como estamos tão afeiçoados a ela... decidimos que ela vai ficar connosco. De um, vamos passar a ter tês gatos. O Teco já não está deprimido há agum tempo, agora todos se dão bem e, assim sendo, vêm-me á lembrança as célebres palavras de Shakespear: "Tudo está bem, quando acaba bem."

7 comentários:

Pr Jorge Figueiredo disse...

lí esse texto junto com esposas e filhas antes de sairem para escola,texto lindo, acho que voce poderia publicar um livro de contos infantis, faria sucesso.julya minha filha disse que a historia foi linda e que gostou muito, ela tem 11 anos

Joseneide Barbosa disse...

Querida amiga Viviana , mais uma vez voce nos emociona com a poesia das suas palavras aqueles que tem a marca do Senhor , seu amor por toda a criação , saiba que ao l~er seu post alegra muito o meu dia que esta muito quente hj , beijos .Deus a continue a abençoar a voce e os seus .

Maria disse...

É a ordem natural... agora o Gaitán mudou-se para casa própria.
Vai tudo correr bem, porque o dono o estima.

Beijos.

dilita disse...

Olá Viviana!

Mais tranquila com um dos gatinhos
em casa de quem o irá estimar.
Mesmo assim ainda fica com muitos,mas afeiçoou-se,e agora vê-los partir faz sofrer.
Eu compreendo, nós tinhamos periquitos,e eles criavam,era uma ternura ouvir os primeiros pios,e vê-los crescer tão reboludinhos... cresciam e numa altura já tinhamos 7,levei alguns à loja que os comprava. Olhe eu levei-os,mas trouxe-os de novo nem cheguei à loja. E quando em casa os que tinham ficado os viram, foi um piar estridente que nos enterneceu e alegrou.Os animais também sentem.
Ficaram connosco durante anos,até ao fim natural das suas vidas.

Beijinhos Viviana,a Sra. é um tratado de bondade!!!

lilasesazuis disse...

Que bom, Viviana, Gaitán levará todo seu amor...Como Deus é bom preparou tudo!!...beijinhos, querida tenha um lindo dia!!

Ao toque do Amor disse...

Olá...sinto que não preciso dizer mais nada, além... de doce e linda Viviana
Deus seja contigo e que ele continue te abençaondo.
san

Flor disse...

O Gaitán "foi para a sua nova família".. tal como.. um Homem deixa a seu pai e a sua mãe...

Irmã Viviana, simplesmente deliciei-me a ler esta bonita narração de uma bonita e verídica história de amor, que com a ajuda de Deus, terminou em bem, com um final feliz...

Tenho andado a cuscar os seus posts anteriores... é uma delicia "ouvi-la"...

Abraço fraterno

Flor