quinta-feira, 30 de junho de 2011

POESIA: TERRA DE MINHA MÃE - Eugénio de Andrade


Dormindo no feno - Albert Anker (1831 - 1910)

«A minha relação com as terras baixas e interiores da Beira é materna, quero dizer: poética.A tão grande distância do tempo em que ali vivi os primeiros oito anos da minha vida, o rosto de minha mãe confunde-se com a cor doirada do restolho e daquela terra obscura onde emergem uns penedinhos com umas giestas á roda, e alguns sobreiros de passo largo a caminho doAlentejo. Mas também os olovais de muros baixos de pedra solta me chegam nas suas falas, as dela e as de toda essa gente de Póvoa de Atalaia, camponeses na sua quase totalidade; e quando o não eram, o seu ofício era ainda o de uma relação privilegiada com as coisas da terra: pedreiros, carpinteiros, ferreiros. Fora destes mesteres, o restante da população lavrava, semeava, sachava, colhia. Ou pastava o gado, e fabricava queijo, azeite, vinho, pão. Lembro-me do cheiro dos lagares, das queijeiras, do forno, da forja - eram cheiros que entravam pelas narinas como tantos outros, mas só esses se infiltraram no sangue e aí ficaram, depositados em sucessivas camadas, para sempre, como ficou ficou o aroma das estevas e do feno. E ainda o das folhas secas dos castanheiros, trazidos ás carradas e depositados ao lado do balcão - e eu já as esperava e precipitadamente atirava-me sobre o montão de folhagem, com restos ainda de verão de S. Martinho; outros corpos caíam, um até sobre o meu, quente, demasiado quente, a boca próxima da minha, um beijo quase; voltávamos a subir os degraus, e o prazer e os gritos repetiam-se, até que minha mãe chamava por mim; anoitecera, o avô já chegara, os tios também, toda a gente, por carreiros e quelhas de sombra, havia já regressado dos campos, o cheiro a coentros não tardaria a subir da panela. Ouvia a voz de minha mãe ralhar com doçura, enquanto me despia e mergulhava na selha; um porquinho, era o que eu era, um porquinho sem emenda - no dia seguinte regressaria ao montão de folhas, ou aos montes de feno, ou de palha, no canto da eira, tanto faz, porque todos serviam para nos escondermos uns dos outros, ou uns com os outros.»

(Eugénio de Andrade - in: Um olhar Português - Circulo de Leitores)

2 comentários:

manuel marques disse...

Um texto muito bonito do Eugénio de Andrade.
Grato pela partilha.

Abraço.

Viviana disse...

Olá, meu amigo Manuel

Que bom que apreciou este texto do Eugénio de Andrade.
Encontrei-o por acaso.
Não o conhecia mas achei-o deliciosamente belo.

Tenho pena que ele já tenha partido...
Um abraço
viviana