domingo, 21 de novembro de 2010

Aos oitenta anos uma vida com sentido


Imagem da net.

Gosto de estar informada e para isso, vejo habitualmente, os noticiários da manhã, da tarde e da noite na televisão.
Esta noite, quando me preparava para me levantar do sofá, após as notícias, chamou-me a atenção um programa onde se via uma mulher idosa, a quem se abria a porta do Estabelecimento Prisional de Leiria, terra da minha infância.
Ao vê-la, com um pequeno saco de papel na mão, pensei que fosse uma mãe a visitar um filho que ali estivesse preso. Mas não, cedo me apercebi que afinal a senhora com os seus oitenta anos visita um grupo de cerca de dez jovens que ali estão detidos.
Com um sorriso bonito, calma, serena, ligeirinha, com o cabelinho arranjado, elegante, e com um vestido bonito, esta mulher sentou- se na sala onde os presos recebem as visitas. Não demorou muito sem que aparecesse um grupo de cerca de dez jovens, uns ligeiramente mais velhos que os outros, que alegremente a abraçavam e sorriam, ficando depois, um a um a conversar com ela . Reparei que um deitava a cabeça no seu colo e ela abraçava-o e acarinhava-o.

Todos disseram palavras bonitas sobre ela e deram o seu testemunho de como ela é importante na vida deles. Tratam-na por avózinha e é assim que ela é conhecida na prisão.
Ao sair, e ao ser-lhe perguntado pela jornalista do programa porque razão ela com aquela idade vinha ali com frequência visitar os jovens, ela respondeu:
"Eu já venho aqui há muito tempo e gosto muito de cá vir e estar com eles. Eu sou velha, tenho oitenta anos, mas eles são jovens e têm a vida pela frente, então eu procuro encorajá-los e ajudá-los a não se deixarem abater. Olhe, eu nem sequer vou ao médico, porque já sei que se lá fôr ele concerteza que com esta idade me vai encontrar alguma coisinha e isso faria com que me mandasse fazer exames e coisas e mais coisas e eu nunca mais dali saía... e eu não tenho tempo para isso."

E lá seguiu ligeirinha e sorridente o seu caminho.
Fiquei a pensar na forma sábia e tão útil como esta mulher idosa, que tinha todo o direito de estar a descansar, ocupa o seu tempo.
Impressionou-me.
Mostrou-me também que eu, com menos dez anos do que ela, posso certamente de alguma forma ser útil a alguém que por aí precise de mim.

8 comentários:

Pelos caminhos da vida. disse...

Dai de comer a quem tem fome...
Agasalhe os que tiverem passando frio...
Visitai-os os enfermos, os prisioneiros...

Ela está no caminho certo.

Uma boa semana pra vc amiga.

beijooo.

Maria disse...

É verdade, podem fazer-se coisas tão simples pelos outros.
Belo exemplo o dessa mulher.
Antigamente alguns crentes iam às cadeias falar de Cristo e até se faziam programas evangelísticos para os presos.
Eu própria cheguei a ir algumas vezes para dizer poemas.
Beijos e até mais logo.
Mimi

Janaina Cruz disse...

Há sim minha querida,inúmeras pessoas que precisam ao menos de um sorriso nosso por aí, eu amei esse relato, depois que lemos algo assim, nos tocamos de quanto tempo perdemos preocupados com nosso próprio umbigo...

manuel marques disse...

"Temos de ir à procura das pessoas, porque podem ter fome de pão ou de amizade ."

Abraço.

Viviana disse...

Querida Ana linda

Sim, boa amiga

Essas são palavras de Jesus Cristo para as quais devemos atentar.

Um beijo

viviana

Viviana disse...

Querida Mimi

Recordo muito bem, sim.

Os Evangélicos faziam um trabalho notável nas prisões.

Um beijo

viviana

Viviana disse...

Olá Janaina

Mas que surpresa agradável a sua visita e o seu comentário a este cantinho!

Obrigada.

Tenho aprendido que quanto mais virados para os outros nós estamos...mais bem nos fazemos a nós próprios.


Volte sempre

Um abraço

viviana

Viviana disse...

Olá Manuel, meu bom amigo

Palavras muito verdadeiras e sábias essas que aqui deixou.

"Fome de pão ou de amizade"

Um abraço

viviana