segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Já não me vende mais flores


A senhora Rosa na sua banca de flores.

Durante cerca de nove anos, quase todas as semanas, comprei flores para enfeitar as campas da minha mãe e do meu pai, á senhora Rosa, no Mercado de Montelavar.
Nos meses que medeiam entre Julho e Outubro, não colocamos flores naturais porque devido ao calor, as flores apenas duram dois ou três dias, pelo que colocamos flores artificiais. A última vez que lhe comprámos flores foi no passado mês de Julho.
A senhora Rosa era uma pessoa muito sorridente e muito bem disposta. Como éramos clientes certas, fazia-nos sempre um preço especial e oferecia-nos a verdura e quando tinha, um molhinho de "Sempre viva", que é um tipo de gipsofila muito miudinha.
Em Janeiro passado tirei-lhe uma fotografia na banca das flores, a qual o Gil imprimiu e depois lhe ofereci. Não imaginam como ficou contente: Contente por tão pouco.
Disse-me, sorridente, que ia pô-la numa moldura e colocá-la na sala de jantar.

Pois bem, hoje, retomámos a colocação de flores naturais pois o sol já as não queima e geralmente duram uma semana ou mais. Eu e a minha irmã logo de manhã cedo, entrámos no mercado e dirigimo-nos para a banca das flores da senhora Rosa. Já sentíamos saudades e estávamos felizes por voltar a vê-la e com ela conversar.
Aconteceu, que ao chegar, apercebemo-nos que estava outra senhora no lugar dela a vender. O primeiro pensamento que tivemos foi de que ela teria trespassado a banca a outra pessoa; mas, eu ao olhar a senhora que estava do lado de dentro da banca, achei que era parecida com a senhora Rosa embora mais nova. A minha irmã ainda lançou a pergunta: "A senhora Rosa passou a banca?"
Resposta dela: "Ela morreu, eu sou a filha .Morreu de AVC no fim do mês de Julho."
Ao ouvir estas palavras tive necessidade de me debruçar sobre a banca e agarrar com ambas as mãos a cabeça. Não podia ser verdade. Era demasido duro.
Ali fiquei em silêncio, debruçada, com uma tristeza imensa no coração.
Pensei:

Tantas flores que a senhora Rosa nos vendeu, com tão boa disposição e alegria! Daqui para diante, não mais me venderá flores, não mais me fará uma ofertazinha de verdura, não mais sorrirá para mim daquele jeito como ela fazia.

Falei á filha sobre a tal fotografia que eu tirei e disse-lhe que ela tinha dito que a colocaria numa modura na sala, e ela confirmou que está mesmo na sala. Agradeceu-me muito por a ter tirado.
Saí dali a pensar em como a vida é breve, em como nunca sabemos quando dizemos: Então, até para a semana se Deus quiser! Se será aquele o nosso último encontro, a nossa últim conversa, o nosso último sorriso...É por isso, que eu, há já muito tempo sempre me alegro quando estou com os amigos ou família, e faço questão de transmitir o meu apreço e o meu agradecimento.
Recordo-me que foi assim que aconteceu na última vez que me despedi da senhora Rosa, há precisamente três meses, altura em que ela partiu.
Não mais me venderá flores bonitas para a campa dos meus pais, agora, outros colocarão flores na sua campa.
Sinto que lhe devo dizer:
Obrigada por tudo senhora Rosa.
A senhora era uma pessoa linda que eu gostei muito de conhecer.
O seu lindo sorriso e as suas lindas flores permanecerão para sempre comigo, como uma doce e bela lembrança.
Um dia destes a gente encontra-se.

6 comentários:

Vieira Calado disse...

Alguém certamente lhe pôs flores,

no dia de hoje!

Saudações poéticas

Rosa disse...

Olá amiga Viviana

E sempre que assim acontece, ficam as belas recordações...


"A morte é a curva da estrada,
Morrer é só não ser visto".
(Fernando Pessoa)

Beijos e o desejo de uma noite cheia de paz.

Viviana disse...

Olá Poeta Vieira Calado

Que prazer "encontrá-lo" aqui!

Certamente a filha - florista - não

poupou nas flores.

Obrigada por a visita.

Um abraço

viviana

Viviana disse...

Olá Rosa

Pode crer, amiga.

Posso dizer com toda a verdade que ficou uma boa recordação.
A senhora Rosa contribuiu para me enriquecer na minha humanidade.

Sorrio ao pensar nela.

Creio que também a enriqueci um pouco.

Um abraço

Uma noite tranquila

viviana

carmen disse...

Viviana:

É duro ver os amigos e parentes partindo pouco a pouco...

Mas a nossa esperança é encontra-los quando formos morar no céu com Jesus...

bjs de consolo

Margarida Fernandes disse...

Que a D.ª Rosa descanse em paz.

Beijinho