quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Os Poetas


Eu, há vinte e tal anos.

Na minha aldeia há dois poetas e os dois são meus amigos.
Já aqui apresentei a ambos e divulguei algus poemas seus.
Anteontem, andava eu a mudar a terra dos vasos - são dezenas - quando ouvi a minha irmã lá fora a chamar-me: «Ó Viviana! Olha, está aqui o sr. Chico da carreira á tua procura.»
Larguei logo tudo, e com as mãos sujas de terra abri o portão e fui ao seu encontro.
Calmo, sereno, tranquilo, cabelos brancos condizentes com os seus oitenta e tal anos, o senhor António Magueijo, mais conhecido como "Chico da Carreira", é meu amigo há muitos anos. Estendeu-me a mão e cumprimentou-me.Depois de conversarmos um pouco, ele pegou no seu último livro de poemas, abriu - o e pediu-me licença para me ler alguns dos seus preferidos. Debaixo da figueira, á sombra, ouvi atentatamente e comovidamente os seus poemas.

Hoje, andava eu a plantar roseiras, debaixo de um sol abrasador, quando veio ter comigo o sr. António Rufino, o outro poeta da aldeia que mora duas casas ao lado da minha.Passou-me para as mãos um dossier que trazia na mão e disse-me:
«Ó dona Viviana, queria que fizesse o favor de ler estes dois últimos poemas que eu escrevi.»
O suor, como se diz por cá, "corria-me em bica"! Os olhos ardiam-me creio que pelo sal do suor que pingava da testa.
Sugeri ao sr. Rufino que por causa do sol queimar muito nos abrigássemos debaixo do "Laurel", que se encontra todo florido.
Eu fiz questão de ler em voz alta, devagar, pausadamente, tentando captar o melhor possível o sentimento e o estado de alma que o levou a passar para o papel o que lhe ia no coração.
Depois, quando acabei, convidou-me a ir á sua casa ali ao lado, para apreciar uns quadros que ele fez com colagens.Estavam em molduras de madeira rústica de pinho, que ele próprio tinha construído. Eram bonitas!
Quando já nos despedíamos com um "até já", pois vemo-nos com frequência, ele voltou a entrar em casa e trouxe na mão uma linda moldura de madeira castanha, feita por ele; ofereceu-ma para eu colocar uma fotografia minha. Aceitei-a e disse_lhe: Estou emocionada, obrigada, do coração.
Como ele sugeriu assim fiz. A moldura já tem uma fotografia minha que eu tirei há mais de vinte anos no meio de um campo. Coloqei-a na sala.

6 comentários:

Fernanda disse...

Eu tenho uma admiração enorme por pessoas com histórias assim, que as vivem, guardam e transmitem. Faz-me lembrar os meus avós. Obrigado!
Fernanda

Anita disse...

Viviana querida bom dia.
Hoje o calor volta a subir e a "queimar" mesmo.
Por aqui vão estar 39ºC...
Como gostei de ler o seu post.
É tão gratificante podermos ter amigos ao longo de uma vida, que connosco riram, choraram, participaram em tantos acontecimentos connosco.
Bem haja amiga por esse seu modo de vida. Pela sua atenção para com os outros.
Deus a abençoe muito.
Beijinhos.
Fique bem. Fique com Deus.
Anita (amor fraternal)

Pelos caminhos da vida. disse...

O nosso caminho é feito pelos nossos próprios passos...
Mas a beleza da caminhada depende dos que seguem conosco!

(desconheço autoria).

Fim de semana de luz, paz, amor, saúde.

beijooo.

Maria disse...

As coisas simples da vida, as memórias e os amigos, são uma fortuna incalculável. Depois, as nossas raízes e as aldeias, têm destas coisas bonitas.
Um abraço.

esperança disse...

Boa tarde querida maninha.

Antes de ler o que postaste, fiquei espantada, de olhos arregalados, e curiosa, pois vi que a fotografia era tua, mas ainda tive duvidas, por causa do titula: "Poetas" , ora tu não és poeta, embora tenhas escrito algumas lindas poesias, na tua juventude. Se tirou da Net é bem parecida com ela, pensei. E toca a ler... Compreendi imediatamente tudo...
És assim em todos os momentos da tua vida, para onde quer que vás, para onde quer que olhas, seja lá a onde for; és assim, seja qual for a situação das pessoas que se vão cruzando contigo... Dás sempre o que elas precisam, por vezes só precisam de uma palavra amiga, ou de uma pequena atenção, outras vezes, muito mais... Por isso tens amigos por todo o lado. Isso é bom para ti, e é bom para eles.
O que nos falas é uma amostra do teu dia-a-dia, sempre sempre.
Tem, tenhamos todos, um bom resto de dia.
Esperança

manuel marques disse...

O mundo acaba sempre por fazer o que sonharam os poetas .

Abraço e bom fim de semana.